Crítica | Se Algo Acontecer... Te Amo é obra-prima que converte dor em esperança

Crítica | Se Algo Acontecer... Te Amo é obra-prima que converte dor em esperança

Por Sihan Felix | 23 de Novembro de 2020 às 16h35
Netflix

Durante 12 minutos, eu fiquei imerso de um jeito muito raro. Talvez eu possa dizer que a técnica utilizada na construção de Se Algo Acontecer... Te Amo tenha causado essa captura da minha atenção. A forma com a qual o filme tem suas cenas movimentadas ininterruptamente é hipnotizante. Mas não é só.

Também posso chegar à afirmação de que essa animação não conseguiu somente a minha concentração — o que já é difícil para alguém com o Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) —; ela fez com que eu me perdesse completamente. E eu não consegui me achar depois. Pelo menos ainda não.

Atenção! Esta crítica contém spoilers sobre o filme!

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Acontece que eu me perdi dentro de um universo que me pareceu muito próximo e, ao mesmo tempo, distante. O silêncio da distância, a corrupção da dor — que gera uma solidão acompanhada. É provável que a maioria de nós já tenha sentido algo muito próximo a isso. Parece que não há para onde fugir.

E, realmente, não há. A questão não é a fuga, mas o reencontro. O duelo entre as boas lembranças e a despedida parece pôr em xeque justamente o que fez ser possível toda uma saudade imortal: o amor. Pode ser uma constatação clichê, mas é através dele (do amor) que Se Algo Acontecer... Te Amo tem suas bases solidificadas. Porque não é o amor que afasta, é a ausência — ou a hibernação dele.

Não é o amor que afasta, é a ausência. (Imagem: Reprodução/Netflix)

Tudo isso é pensado para esse curta-metragem por meio de símbolos. As sombras, nesse caso, podem tanto erguer quanto derrubar muros. E são projeções do mesmo sentimento. Apenas quando as melhores memórias retornam, parece ser possível seguir em frente. Isso tudo é tão complexo que fica bem difícil entender como tanto coube em tão pouco tempo. Sombras que afastam; sombra que aproxima; a memória que procura salvar em um retorno para tentar — em vão — reconstruir o passado.

A memória que procura salvar... (Imagem: Reprodução/Netflix)

No final das contas, tudo o que sentirmos ao assistir a esse filme deve ser abrangente e, simultaneamente, particular. É a combinação mais que perfeita entre conceito e propósito, significado e missão — esta que diz respeito a cada um, com a maneira que Se Algo Acontecer... Te Amo conseguirá atingir.

Por essa perspectiva, essa missão foi completada com sucesso em mim. Assim como a maioria de nós, tenho meus demônios interiores, minhas sombras que, vez ou outra, insistem em domar a realidade. Cada lágrima que segurei ou deixei escapar durante os 12 minutos fazem parte de quem eu sou e de quem quero e tenho tentado ser.

Eu, perdido completamente, hipnotizado, fico, aqui, do lugar de fala de quem nunca perdeu um filho, mas já perdeu amores para a morte e para a vida, imaginando um mundo tão empático quanto o que assisti; um mundo no qual, por mais que nos distanciemos, possamos lembrar com carinho dos melhores momentos que vivemos; um mundo no qual o acaso e uma música possam se unir para despertar o que há de melhor em cada um de nós.

O acaso e uma música... (Imagem: Reprodução/Netflix)

A dor, assim, poderá se transformar em esperança. Esta, claro, que não pode ser conduzida por uma solidão acompanhada, mas pela sensação de que a vida só seguirá seu curso se houver, nada mais e nada menos, do que o amor.

Se Algo Acontecer... Te Amo é uma obra-prima.

*Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Canaltech.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.