Publicidade

Por que Triângulo da Tristeza tem esse título?

Por| Editado por Jones Oliveira | 14 de Fevereiro de 2023 às 17h00

Link copiado!

Diamond Films
Diamond Films

Embora muito poético, o nome Triângulo da Tristeza é uma enorme interrogação na cabeça do público — inclusive daquele que viu o filme. O novo longa de Ruben Östlund é uma grande sátira ao mundo moderno e às relações de poder e de trabalho e, por isso mesmo, esperava-se que o título estivesse conectado a essa ideia, o que não acontece. Ao menos não de forma tão clara assim. Então, qual o significado por trás desse título?

O próprio filme dá uma explicação. Logo em sua sequência inicial, ele explica que triângulo da tristeza é o nome dado à região entre as sobrancelhas, também chamado de gleba. É aquela área que você franze quando está nervoso ou preocupado e também o primeiro lugar onde surgem as rugas de expressão na grande maioria dos casos.

Continua após a publicidade

E o que isso tem a ver com a história? Segundo o próprio diretor, o termo por si só já é ridículo o suficiente, mas que esse é o gatilho que ele teve para criar essa fábula sobre os comportamentos bizarros e absurdos de uma elite que está acostumada a se preocupar apenas com irrelevâncias — algo que se encaixa muito bem dentro do espírito do longa.

Entendendo o nome Triângulo da Tristeza

Em entrevista aoDeadline, Östlund explica que ouviu a expressão uma certa vez e isso chamou a sua atenção por ser algo que considerou hilário. Segundo ele, o termo é usado por esteticistas para apontar essa região e as marcas que surgem com o tempo se você tiver se preocupar com algo ao longo da vida — mas que pode ser corrigido com Botox em apenas 15 minutos.

Parece algo aleatório, mas o cineasta destaca o quanto isso se encaixa nesse olhar satírico que o seu filme dá para o assunto. Da obsessão pela eterna beleza à fixação que certos personagens têm com aparências, tudo gira em torno dessa noção de que os problemas não importam se você aparentar ser algo superior a tudo isso — e como isso está introjetado no mundo dos super ricos.

Continua após a publicidade
O Canaltech está no WhatsApp!Entre no canal e acompanhe notícias e dicas de tecnologia

Tanto que a explicação dentro do roteiro vem logo no início, quando essa imagem quase divina da riqueza ainda não está apresentada. O protagonista Carl (Harris Dickinson) é um jovem modelo que é dispensado de um trabalho por aparentar o tal triângulo, indicando que ele já aparenta carregar uma preocupação que não combina com o mundo do alto glamour que tanto almeja alcançar.

Isso dialoga muito bem com a cena seguinte, em que ele vai jantar com sua namorada, a também modelo Yaya (Charlbi Dean). A diferença é que ela é uma profissional muito bem-sucedida e que ganha muito bem tanto nas passarelas como uma influencier digital. E é em meio ao jogo de aparências e de poder que ela exerce que entendemos a raíz das preocupações dele.

Só que as coisas vão ainda mais além. Como o próprio diretor aponta, um dos pontos que o filme critica é o quanto essa elite se sente acima das preocupações mundanas. Para quem dinheiro não é o problema, a vida é tão fácil que realmente não faz sentido esquentar a cabeça com nada e a tal ruga de expressão deixa de ser um ponto sequer cogitado. E, mesmo para aqueles que eventualmente encontrarem uma marca na gleba, bastam 15 minutos de procedimento estético para resolver.

Continua após a publicidade

É uma crítica bem sutil, é verdade, e que não está tão evidente à primeira vista — mas que dá as caras em vários momentos. Tanto que há um trecho bem marcante dessa “preocupação com a irrelevância” que o diretor pontua que é quando uma das passageiras do iate de luxo passa a reclamar da sujeira nas velas. O problema é que a embarcação é movida a motor e nem sequer tem uma vela para ser limpa.

A reclamação dela está baseada em uma imagem que ela tem do que é um navio daquele tipo que ela viu na revista e, para ela, é mais importante viver aquela fantasia do que a realidade à sua volta. E esse é um comportamento que a própria tripulação alimenta, já que são todos treinados a não contrariarem os passageiros.

Triângulo da Tristeza concorre a três Oscar: Melhor Filme, Melhor Diretor e Melhor Roteiro Original. O longa chega aos cinemas brasileiros no próximo dia 16 de fevereiro.