A história completa da DC nos cinemas

Por Rafael Rodrigues da Silva | 13 de Dezembro de 2018 às 10h49

Nesta quinta-feira (13) estreia nos cinemas do Brasil Aquaman, o tão aguardado primeiro filme solo do herói que fala com peixes. Após diversas mudanças na chefia da DC Entertainment (divisão responsável pelos filmes dos super-heróis da editora) e fracassos como Batman vs Superman e Esquadrão Suicida, Aquaman chega aos cinemas com a missão de quebrar a má impressão que os últimos filmes da produtora deixaram no público e provar que ela pode, sim, fazer bons filmes com personagens diferentes da Mulher-Maravilha.

Mas essa dualidade entre fracassos retumbantes e sucessos grandiosos não é algo recente da empresa: ao longo de toda a sua história, os super-heróis da DC estiveram nas duas pontas das listas de cinéfilos, estrelando alguns dos melhores e também dos piores filmes já produzidos em toda a história do cinema. E essa matéria tem como objetivo recordar toda essa história, desde o primeiro filme de um super-herói da empresa até as novas produções que deverão estrear nos próximos anos.

Porém, antes de falarmos dos filmes, avisamos que foram escolhidos apenas longas-metragens, lançados no cinema, que estrelaram personagens que fazem parte do universo dos super-heróis da DC. Por isso, não farão parte dessa lista alguns títulos conhecidos do público, como V de Vingança e nem os filmes do Flash da década de 90 que foram lançados diretamente em vídeo, como suplementos para a série de TV do herói. Também podem ocorrer alguns spoilers leves, mas todos os eventos e personagens discutidos aqui podem ser encontrados também nas sinopses oficiais de cada uma das produções, então nenhum deles deverá estragar sua experiência caso não tenha assistido ainda a alguns dos filmes mencionados. E, se o seu negócio são os filmes da Marvel, nós já temos uma matéria com todo o MCU em ordem cronológica.

Superman and the The Mole Man

Ano de lançamento: 1951

Classificação no Rotten Tomatoes: 36% (nota de usuários, o filme não possui resenhas suficientes para ter uma nota da crítica)

Superman and the Mole Man foi a primeira produção longa-metragem da DC lançada para os cinemas, o que o torna também o primeiro filme longa-metragem de super-heróis da história. O filme serviu como uma espécie de teste para a série de TV Adventures of Superman e foi usado para testar a recepção do público para produções do gênero.

Interpretado por George Reeves, o Superman do filme não enfrenta seus vilões clássicos como Lex Luthor e General Zod, mas sim o racismo e o preconceito. Durante a perfuração de um poço de petróleo, acaba-se descobrindo uma cidade secreta próxima ao centro da Terra onde vivem pequenos seres peludos e carecas que acabam sendo batizados de Homens Toupeira. Ainda que em nenhum momento eles tenham se mostrado perigosos, o medo do diferente e desconhecido faz com que a população comece a atacá-los, e o Homem de Aço precisa enfrentar os cidadãos da pequena cidade rural e garantir a eles que os Homens Toupeira são gente como a gente.

Filmado em uma época em que o racismo ainda era forte (muitos estabelecimentos comerciais ainda não permitiam a presença de negros) e quando o governo dos Estados Unidos começava a propagar um medo irracional contra estrangeiros devido ao início da Guerra Fria, Superman and the Mole Man é incrivelmente avançado para seu tempo e, infelizmente, possui um tema que continua atual em 2018.

Batman, o Homem Morcego

Ano de lançamento: 1966

Classificação no Rotten Tomatoes: 77%

Baseada na série de TV, Batman, o Homem Morcego leva para os cinemas o Batman e Robin de Adam West e Burt Ward, com o mesmo tipo de humor pastelão que tornou a série um clássico que é até hoje usado na criação de memes.

O filme nos mostra um plano conjunto perpetrado pelo Coringa, Charada, Pinguim e Mulher-Gato, que consistia em usar um desidratador para transformar todo o Conselho de Segurança da ONU em pó, e nos brinda com alguns momentos clássicos do Morcegão dos anos 60, como o tubarão que explode após Batman usar nele um spray anti-tubarão.

Superman: O Filme

Ano de lançamento: 1978

Classificação no Rotten Tomatoes: 94%

Superman não é apenas um dos mais clássicos filmes de super-heróis, mas é considerado também como uma das maiores obras do cinema de todos os tempos.

A primeira aventura de Christopher Reeve no papel icônico tem tudo aquilo que os fãs do herói sempre quiseram ver nas telonas: a vida de Clark como um adolescente criado no interior do Kansas, a descoberta dos superpoderes, o romance com Lois Lane, a vida dupla como o tímido repórter Clark Kent e o herói mais poderoso da Terra, o embate mortal com o bilionário Lex Luthor, tudo isso em uma narrativa que, ao mesmo tempo que é séria, consegue ser leve e não se levar tão a sério.

Superman é o precursor de todos os filmes de herói que fazem sucesso hoje, e mesmo depois de 40 anos e tantos outros filmes do personagem, ainda é de longe o melhor longa já feito sobre o Homem de Aço.

Superman II - A Aventura Continua

Ano de lançamento: 1980

Classificação no Rotten Tomatoes: 85%

A sequência do clássico de 1978 segue praticamente do mesmo ponto que o primeiro filme terminou e, com Lex Luthor na cadeia, Superman começa a achar que vai conseguir ter uma vida mais sossegada. Mas é nesse momento que aparece na Terra o General Zod, que, junto de seus dois capangas kryptonianos, resolve usar os superpoderes que adquiriu com o sol amarelo da Terra para dominar o planeta, e somente Superman tem a força necessária para derrotá-los.

O filme segue o mesmo tom do primeiro, e é considerado pela crítica como uma das raras continuações que não deixa nada a desejar para o filme original.

O Monstro do Pântano

Ano de lançamento: 1982

Classificação no Rotten Tomatoes: 66%

O Monstro do Pântano é um dos primeiros filmes escritos e dirigidos por Wes Craven, que dois anos depois mudaria para sempre o cinema de terror com A Hora do Pesadelo. Baseado no personagem da DC de mesmo nome, o filme conta a história do doutor Alex Olsen, que teve seu laboratório de pesquisas explodido por um colega de trabalho que queria roubar sua esposa. Mas, ao invés de morrer, o corpo de Olsen acaba se misturando com produtos químicos do laboratório e as plantas do pântano onde ele ficava localizado, transformando-o no Monstro do Pântano — uma criatura de lodo e raízes que tem controle sobre plantas e cujo único objetivo é se vingar do ex-colega.

Superman 3

Ano de lançamento: 1983

Classificação no Rotten Tomatoes: 24%

É neste filme que o Homem de Aço começa a perder sua força nos cinemas. Com um tom pastelão e reaproveitando ideias que já haviam sido usadas nos dois primeiros filmes da série, a história do homem mais poderoso do mundo tendo problemas em derrotar um hacker não agradou ninguém — apesar de a crítica ter elogiado o uso da kryptonita para mexer com a cabeça do herói e torná-lo temporariamente maléfico, citando-a como a única ideia interessante de todo o roteiro.

Supergirl

Ano de lançamento: 1984

Classificação no Rotten Tomatoes: 10%

Tentando pegar carona no sucessos dos filmes do Homem de Aço de Christopher Reeve, o filme é um spin-off que conta a história da prima adolescente do Superman que vem para a Terra atrás de uma relíquia de Krypton e se disfarça como Linda Lee, uma estudante colegial nerd.

Infelizmente, o filme é um derivado da pior fase dos filmes do Superman, e a qualidade do produto final não é muito diferente das bombas que foram os últimos dois filmes do Homem de Aço na década de 1980.

Superman 4: Em Busca da Paz

Ano de lançamento: 1987

Classificação no Rotten Tomatoes: 12%

E aqui o ciclo se encerra. Ao mesmo tempo que o primeiro Superman é considerado como um dos melhores filmes já produzidos pela DC e um clássico atemporal da história do cinema, Superman 4 é não apenas o último filme de Christopher Reeve no papel do herói como é considerado por muitos como o pior filme de um super-herói da DC já produzido.

O roteiro coloca o Homem de Aço contra uma ameaça nuclear genérica criada por Lex Luthor. Com discursos cafonas de “armas nucleares são ruins, vamos todos ser paz e amor”, Superman 4 é um filme tão ruim que a própria produtora gostaria que todos esquecessem que ele um dia foi lançado.

A Volta do Monstro do Pântano

Ano de lançamento: 1989

Classificação no Rotten Tomatoes: 44%

A continuação do filme do Monstro do Pântano parece mais um remake do que uma continuação em si, já que os vilões do primeiro filme são ressuscitados porque os roteiristas não tiveram capacidade de criar novas ameaças para o personagem, o que torna o filme original praticamente sem importância.

Não mais nas mãos do mestre do terror Wes Craven (que quando esse filme foi lançado já era considerado um dos grandes diretores do mundo), A Volta do Monstro do Pântano foi parar nas mãos de Jim Wynorski, que hoje é reconhecido por seu trabalho em paródias pornô de filmes de terror, como The Bare Wench Project (que não foi lançado no Brasil, mas como foi baseado em A Bruxa de Blair ele provavelmente chegaria aqui no país com o título de A P*ta de Blair), então não é de se espantar que a continuação tenha perdido muito da qualidade do original.

Batman

Ano de lançamento: 1989

Classificação no Rotten Tomatoes: 72%

Dirigido por Tim Burton, Batman foi o primeiro filme de super-heróis da Warner Brothers e um dos responsáveis por colocar o gênero novamente como um dos principais do cinema.

Com roteiro baseado nas clássicas HQs Batman: A Piada Mortal (de Alan Moore) e O Cavaleiro das Trevas (de Frank Miller), o filme mostra o Homem Morcego como o responsável pela criação do Coringa ao deixá-lo cair em um tonel de produtos químicos.

Com grandes atuações de Michael Keaton como Bruce Wayne/Batman e Jack Nicholson como o Coringa, o filme foi um enorme sucesso na época e é considerado por muitos críticos como um dos melhores filmes do Batman já produzidos.

Batman: O Retorno

Ano de lançamento: 1992

Classificação no Rotten Tomatoes: 80%

Novamente com Tim Burton na direção, Batman: O Retorno traz uma história ainda mais sombria do que o primeiro, e lida de maneira magistral com a vida dupla do personagem: enquanto Batman troca socos à noite com o Pinguim e a Mulher-Gato, Bruce Wayne precisa lidar do seu jeito com os vilões, já que o primeiro está concorrendo para o cargo de prefeito de Gotham e a outra tem a intenção de levá-lo para a cama.

Novamente com Michael Keaton no papel de Batman, e com atuações magistrais de Danny DeVito como o Pinguim e Michelle Pfeiffer como a Mulher Gato, Batman: O Retorno não foi tão bem recebido na época do lançamento, mas nos últimos anos tem ganhado um status cult devido ao tom sombrio do filme.

Batman Eternamente

Ano de lançamento: 1995

Classificação no Rotten Tomatoes: 39%

Primeiro filme com Joel Schumacher na direção, Batman Eternamente abandona o tom sombrio dos filmes de Tim Burton para adotar um ar de comédia que de certa forma remete a série da década de 1960, mas o roteiro sem sal e os atores que, com exceção dos dois vilões, se levavam muito a sério tornam o filme muito mais chato do que qualquer um poderia imaginar.

No elenco, apenas Tommy Lee Jones como o Duas Caras e Jim Carrey como o Charada se sobressaem, e ambos parecem ser os únicos que estão se divertindo com o filme — e não só entre os atores, mas também incluindo o público que o assiste. Val Kilmer como Batman foi uma escolha sem sal e, ao mesmo tempo que ele não destruiu o personagem, também não fez nada para se destacar nele.

Batman & Robin

Ano de lançamento: 1997

Classificação no Rotten Tomatoes: 10%

O último filme com Joel Schumacher no comando, Batman & Robin foi tão ruim que não só praticamente acabou com a carreira do diretor e dos atores Chris O’Donell e Alicia Silverstone, como foi o grande responsável Warner Bros ter desistido dos filmes de super-heróis e ficado quase uma década sem lançar nada no gênero.

O filme traz um elenco recheado de astros (George Clooney, Arnold Schwarzenegger, Uma Thurman), mas ficou conhecido por apenas duas coisas: os mamilos na roupa do Homem Morcego e o bat cartão de crédito sem limite

Aço

Ano de lançamento: 1997

Classificação no Rotten Tomatoes: 12%

Baseado no personagem das histórias do Superman, Aço é uma espécie de “Homem de Ferro” da DC, sendo um engenheiro bélico que se arrepende de criar instrumentos de morte e cria para si uma armadura para combater o crime. Nos quadrinhos, o auge da fama do herói ocorreu durante a saga da morte do Superman, quando Aço se tornou um dos heróis que protegeu Metrópolis durante a ausência do Super-Homem.

Já nos cinemas, Aço foi interpretado pelo craque do basquete e melhor lutador de jogos de luta ruins no videogame já existente Shaquille O’Neal. Como as habilidades de ator de O’Neal estavam longe de serem tão dominantes quanto a capacidade de pegar rebotes e bloquear adversários nas quadras, o filme é tão horrendo quanto ficar durante uma hora e meia assistindo Shaq treinando lances livres, e dizem as más línguas que ele tem sido usado pela CIA como parte do programa de tortura psicológica da agência.

Mulher-Gato

Ano de lançamento: 2004

Classificação no Rotten Tomatoes: 9%

Antes de Christopher Nolan colocar Gotham City novamente no mapa dos cinema com Batman Begins, a Warner lançou Mulher Gato, filme que estava nos planos do estúdio desde 1993 como projeto de um filme solo para a Mulher-Gato de Michelle Pfeiffer, que fez muito sucesso com o público.

Lançado quase uma década depois e com Halle Berry no papel principal, o filme foi uma tragédia. Ainda que Berry tenha se mostrado uma escolha acertada e conseguir traduzir bem a sensualidade da personagem, o bom trabalho da atriz não foi acompanhado por mais nenhum outro ponto do filme, e o resultado final pareceu muito mais uma desculpa para quase duas horas de cenas sensuais de Halle Berry em roupa de couro do que um filme propriamente dito.

Constantine

Ano de lançamento: 2005

Classificação no Rotten Tomatoes: 46%

Depois de ter atingido o estrelato com o inesperado sucesso de Matrix, Keanu Reeves retorna ao cinema de ação como o bruxo John Constantine, um detetive sobrenatural capaz de enxergar a presença de anjos e demônios que convivem entre os humanos, e usa seus conhecimentos de magias arcanas e ocultismo para proteger a Terra das garras de Satã.

O filme foi o primeiro longa-metragem do diretor Francis Lawrence, que até a época era um requisitado diretor de videoclipes em clássicos como Rock Your Body do Justin Timberlake, I Don’t Wanna Miss a Thing do Aerosmith e Sk8ter Boi da Avril Lavigne. Anos mais tarde ele ficaria conhecido por adaptar para os cinemas a trilogia de livros Jogos Vorazes. E ainda que Constantine não tenha sido um sucesso estrondoso, é um filme sólido de um dos personagens mais complexos dos quadrinhos da DC.

Batman Begins

Ano de lançamento: 2005

Classificação no Rotten Tomatoes: 84%

Primeiro filme da trilogia do Batman de Christopher Nolan, Batman Begins foi um recomeço melhor do que muitos esperavam para o Homem-Morcego. Com um clima ainda mais sombrio do que nos filmes de Tim Burton, o personagem (desta vez interpretado por Christian Bale) é muito mais sério, depressivo e brutal, e pela primeira vez um filme do herói mostra todo o treinamento que o tornou no defensor da noite.

Além de colocar o Batman novamente como um grande personagem dos cinemas, o filme também serviu para consolidar Nolan como um dos grandes diretores de cinema do mundo.

Superman - O Retorno

Ano de lançamento: 2006

Classificação no Rotten Tomatoes: 75%

Quase duas décadas depois do fiasco de Superman 4: Em Busca da Paz, a DC resolveu que já era hora trazer o Homem de Aço de volta para os cinemas. Para isso, a empresa contratou Bryan Singer, que vinha de dois sucessos estrondosos com os filmes dos X-Men e era tido como o responsável por tornar os super-heróis novamente populares no cinema.

Com Superman - O Retorno, o estúdio escolheu não recomeçar do zero, mas criar uma continuação para os filmes de Christopher Reeve. A história se passa cinco anos depois de Em Busca da Paz, período em que o Superman simplesmente sumiu do planeta e ninguém fazia a menor ideia de seu paradeiro. Ao retornar, ele precisa lidar com o fato de que Lois Lane seguiu com a vida e está noiva e que Lex Luthor está saindo da cadeia e com um novo plano para tentar acabar de vez com o herói.

Ainda que não seja tão ruim quanto Superman 3 ou Superman 4, ele também não é tão bom quanto os dois primeiros filmes do herói, muito devido a Brandon Routh, ator contratado para assumir o rosto do homem mais poderoso da Terra: não compromete, mas também não tem nada marcante.

Batman: O Cavaleiro das Trevas

Ano de lançamento: 2008

Classificação no Rotten Tomatoes: 94%

Depois de mudar o modo como vemos o personagem em Batman Begins, Christopher Nolan atinge um novo patamar com O Cavaleiro das Trevas e muda toda nossa perspectiva sobre o que os filmes de super-herói podem ser.

Mais do que um filme de super-herói, O Cavaleiro das Trevas é um ótimo thriller criminal que mostra toda a complexidade e as trevas não só do herói em si, mas de Gotham City.

Com Heath Ledger nos presenteando com um das melhores atuações da história do cinema no papel do Coringa, o filme se tornou o primeiro do gênero de super-heróis a ganhar uma das categorias principais do Oscar (com Heath Ledger levando o prêmio de Melhor Ator Coadjuvante). Considerado pela revista Empire como o 15º melhor filme de todos os tempos, Batman: O Cavaleiro das Trevas não apenas é o melhor filme já feito sobre um herói da DC, mas também talvez seja o melhor filme de super-heróis de todos os tempos.

Watchmen

Ano de lançamento: 2009

Classificação no Rotten Tomatoes: 64%

Primeiro filme de super-heróis de Zach Snyder, que anos mais tarde viria assumir a responsabilidade criativa por todo o DCEU (DC Extended Universe, que diz respeito a todos os filmes mais recentes dos heróis da editora), Watchmen foi baseado em uma icônica HQ de Alan Moore, que cria uma história alternativa onde super-heróis existem nos Estados Unidos da Guerra Fria, numa linha do tempo fictícia em que Richard Nixon é presidente pelo terceiro mandato consecutivo e as tensões com a União Soviética estão mais fortes do que nunca.

Ao contrário do que se espera de filmes de super-heróis, Watchmen possui violência extrema, cenas de sexo, nudez e uso de drogas, e praticamente inaugura a era de heróis para maiores de 18 anos no cinema, que hoje conta com expoentes como Deadpool e Logan.

Ainda que seja o melhor filme da carreira de Snyder, a adaptação resolveu focar na violência e retirou muito dos temas mais sérios discutidos por Moore na HQ, o que torna o filme visualmente deslumbrante, mas incrivelmente raso em ideias para a adaptação de uma das HQs mais politicamente carregadas já publicadas.

Jonah Hex - O Caçador de Recompensas

Ano de lançamento: 2010

Classificação no Rotten Tomatoes: 12%

Baseado no personagem de mesmo nome, Jonah Hex é um pistoleiro que viveu durante a Guerra Civil dos Estados Unidos e que, apesar de sua reputação como assassino e de ser temido por todos por causa de ter uma parte do rosto desfigurado, ainda vive sob um código de fazer o possível para proteger os mais fracos e inocentes.

Com Josh Brolin (que hoje está na Marvel exercendo os papéis de Thanos e Cable) como protagonista, o filme de faroeste foi um fiasco de crítica e de público, e foi o último de um “super-herói lado C” lançado pela DC desde então.

Lanterna Verde

Ano de lançamento: 2011

Classificação no Rotten Tomatoes: 26%

Um dos projetos da DC que mais demorou para sair do papel, o roteiro de Lanterna Verde vinha sendo escrito desde 1997 e passou pelas mãos de Greg Berlanti, Marc Guggenheim (que no ano seguinte ao lançamento do filme iniciaram o CWverse com a série Arrow) e Michael Green (que anos depois escreveria o roteiro de Logan). Apenas em 2009 o texto foi finalizado por Michael Goldenberg (mais conhecido por ter sido o roteirista de Harry Potter e A Ordem da Fênix).

As inúmeras mudanças no roteiro não ajudaram em nada o resultado final do filme, que apesar de grande orçamento entregou uma obra rasa, cheia de furos e sem nada da “magia” existente nas histórias em quadrinhos do Lanterna Verde. Por isso, Lanterna Verde acabou se tornando a segunda tentativa fracassada de Ryan Reynolds emplacar um super-herói dos cinemas (o ator, que também já havia falhado na primeira versão do Deadpool em X-Men Origens - Wolverine, só foi emplacar seu primeiro herói de sucesso anos depois, com o lançamento de Deadpool).

Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge

Ano de lançamento: 2012

Classificação no Rotten Tomatoes: 87%

Terceiro e último filme do Batman com a parceria Christopher Nolan/Christian Bale, o longa se passa oito anos depois do fim de O Cavaleiro das Trevas, num mundo em que o Batman se aposentou depois de assumir a culpa pela morte de Harvey Dent. Mas, com a aparição do vilão Bane, o Cavaleiro das Trevas precisa provar que ainda é o herói que Gotham precisa, e não aquele que ela merece.

Ainda que não tenha a mesma genialidade de seu antecessor, O Cavaleiro das Trevas Ressurge é um ótimo filme do Batman e um final digno para a trilogia que mudou a história do gênero de super-heróis no cinema.

O Homem de Aço

Ano de lançamento: 2013

Classificação no Rotten Tomatoes: 56%

Filme que inaugurou o Universo Cinematográfico da DC (DCEU), o Superman de Zach Snyder é bem diferente de todos os filmes anteriores do herói. Snyder abandona completamente aquele tom leve e jovial dos filmes anteriores e leva para as telas um herói perturbado com seus poderes, cheio de culpa por aquilo que não fez no passado e que carrega todo o peso do mundo sobre seus ombros.

Seguindo o exemplo de Watchmen, Snyder tenta em O Homem de Aço criar uma história madura e “adulta” de super-heróis, mas, assim como em seu primeiro filme do gênero, o resultado final tem elementos visuais impressionantes, mas tropeça na narrativa. O que deveria ser uma “temática adulta” acaba mais parecendo com os resmungos de um adolescente emo — estilo que seria repetido em todos os filmes do diretor enquanto sob o comando do DCEU e que foi um dos responsáveis por sua demissão do cargo antes do lançamento de Liga da Justiça.

Batman vs Superman: A Origem da Justiça

Ano de lançamento: 2017

Classificação no Rotten Tomatoes: 27%

Na teoria, esse filme tinha todos os elementos para ser um enorme sucesso, pois pela primeira vez reuniria em um mesmo filme os três super-heróis mais famosos da DC (e dois deles podem até ser considerados como os super-heróis mais famosos do mundo): Batman, Superman e Mulher-Maravilha. Um filme com essa receita simplesmente não tinha como dar errado.

Mas, infelizmente, deu errado. Apesar de não ter dado prejuízo, o filme teve uma bilheteria muito menor do que o esperado pelo estúdio, e o estilo narrativo de Zach Snyder — que acredita que criar histórias “sérias” depende menos de um roteiro bem construído e mais do uso de cenas onde os personagens estão sofrendo sob a chuva — ficou menos conhecido por ser a primeira vez em que os dois maiores super-heróis do mundo dividiram a cena no mesmo filme e mais pelos memes que criou com o nome Martha.

Esquadrão Suicida

Ano de lançamento: 2016

Classificação no Rotten Tomatoes: 27%

Depois do sucesso inesperado dos Guardiões da Galáxia da Marvel, a DC tentou criar o seu próprio grupo de desajustados que lutam ao som de músicas populares dos anos 1980 com Esquadrão Suicida. Mas, para variar, as boas intenções acabaram não passando de boas intenções.

Ainda que conte com um elenco incrivelmente estrelado (com nomes como Will Smith, Viola Davis, Jared Leto, Margot Robbie e Cara Delevingne) para um primeiro filme sobre um grupo de vilões pouco conhecidos do Batman que são obrigados a salvar o mundo, o produto final parece uma colcha de retalhos em que se costurou cenas de videoclipe, CGs de um videogame de tiro ruim e cenas de filme de ação genérico para entregar uma produção onde o Coringa parece um figurante de clipe do 50 Cent e a única coisa que se salva é o trabalho de Margot Robbie como a Arlequina.

Mulher-Maravilha

Ano de lançamento: 2017

Classificação no Rotten Tomatoes: 93%

Primeiro filme solo de uma super-heroína da DC, o filme da Mulher-Maravilha já estava nos planos desde 1996, mas só foi fechado em 2015, quando Patty Jenkins foi escolhida para assinar o roteiro e dirigir o longa. Até aquele momento, Jenkins só havia escrito e dirigido um único filme em toda a sua carreira: Monster - Desejo Assassino, que é considerado pela crítica um dos melhores filmes da década de 2000. E, mais uma vez, Jenkins não decepcionou.

Trabalhando com a até então relativamente desconhecida Gal Gadot, Mulher-Maravilha é um dos melhores filmes já produzidos pela DC e não deixa nada a desejar quanto a outros clássicos da editora, como o Superman de 1978 e Batman: O Cavaleiro das Trevas.

Abandonando completamente o “estilo Snyder de cinema” usado nos outros filmes da DCEU, Mulher-Maravilha é uma história clássica de superação, de uma heroína que é a todo momento vista como incapaz pela sociedade apenas por ser mulher e que está pouco ligando para o que os homens acreditam qual deve ser seu papel no mundo. O filme foi um enorme sucesso de público e crítica, e é de longe a melhor produção de todo o DCEU até o momento.

Liga da Justiça

Ano de lançamento: 2017

Classificação no Rotten Tomatoes: 40%

Outro filme que tinha tudo para dar certo e não deu. Como o primeiro filme a reunir todos os mais conhecidos heróis da DC, não era preciso se esforçar muito para criar hype para o lançamento. Mas o fracasso de Batman vs Superman e Esquadrão Suicida deixaram não apenas os executivos, mas o próprio público com uma certa desconfiança do filme — e ainda que Mulher-Maravilha tenha ajudado a tirar um pouco da visão negativa que o público tinha dos filmes da editora, não era o suficiente para que ele fosse traduzido em sucesso. Tanto que o hype para o filme não era tão maior do que o existente para o segundo Guardiões da Galáxia ou o terceiro Thor, o que era algo completamente sem nexo ao comparar a importância dos heróis dessas três produções.

A produção passou por ainda mais problemas durante as filmagens, que culminou na demissão de Zach Snyder da direção, depois assumida por Joss Whedon (que havia dirigido os dois primeiros filmes dos Vingadores na Marvel). Isso resultou em um produto final que parecia perdido, não se decidindo entre continuar com o clima sombrio das produções de Snyder ou se assumia um tom mais leve típico dos filmes de Whedon.

Como era esperado de um filme com todos esses problemas, Liga da Justiça deixou bastante a desejar tanto na bilheteria quanto na crítica, ainda que todos concordassem já ter demonstrado um salto de qualidade se comparado com Batman vs Superman.

Aquaman

Ano de lançamento: 2018

Classificação no Rotten Tomatoes: 76%

Com estreia no Brasil marcada para o dia 13 de dezembro, Aquaman será o primeiro filme do DCEU sem a presença de Zach Snyder na direção executiva e, pelo que foi mostrado nos trailers, deverá abandonar o visual sombrio do diretor e nos mostrar uma Atlântida muito mais colorida e viva, assemelhando-se bem mais aos quadrinhos do herói.

Leia mais: Crítica | Aquaman abraça de forma épica o universo fantástico do personagem

Em produção

Além dos filmes já lançados, já existe a confirmação/rumores de mais 21 filmes baseados em super-heróis e vilões da DC. Eles devem chegar aos cinemas dentro dos próximos 5 ou 6 anos (se tudo der certo e nenhum deles for cancelado).

Shazam!: com estreia marcada para 5 de abril 2019, o filme sobre uma criança que, ao gritar “Shazam!”, se torna um adulto com superpoderes, promete ser o mais leve e engraçado já lançado para o MCU. Pelo trailer divulgado durante a San Diego Comic Con 2018, o filme está muito mais próximo da leveza e descontração dos filmes da Marvel do que do tom sério e sombrio que marcou o DCEU até agora.

Coringa: com estreia marcada para 4 de outubro de 2019, o filme será a primeira experiência da DC com “universos paralelos” dentro do DCEU. Apesar de ser um filme solo do Coringa, o personagem aqui não será interpretado por Jared Leto e o filme também não fará parte da cronologia de filmes como Liga da Justiça e Mulher-Maravilha. Ao invés disso, Joaquin Phoenix assume o papel do palhaço, em um thriller sobre o mundo do crime dirigido por Todd Philips (Se Beber Não Case) e Martin Scorsese (Taxi Driver, Os Bons Companheiros).

Cyborg: com estreia marcada para 3 de abril de 2020, será mais um dos filmes solos de um dos integrantes da Liga da Justiça. Tudo o que se sabe sobre o filme até o momento é que Ray Fisher retornará no papel do herói, mas há pouco mais de dois anos de sua estreia ainda não há nenhuma informação sobre que diretor assumirá o longa ou mesmo sobre quem está escrevendo o roteiro, o que torna o filme solo do Cyborg um forte candidato a ter sua estreia adiada ou até mesmo ser cancelado.

Mulher-Maravilha 1984: com estreia marcada para 5 de junho de 2020, o segundo filme da Mulher-Maravilha mantém a parceria de sucesso entre Patty Jenkins e Gal Gadot. Conforme o título revela, o filme sofrerá um grande salto temporal, com a história não mais se passando durante a Segunda Guerra Mundial, mas sim na década de 1980.

Tropa dos Lanternas Verdes: com estreia prevista para 24 de julho de 2020, o roteiro do filme tem a assinatura de Geoff Johns — quadrinista que já cuidou da revista da Tropa dos Lanternas Verdes entre 2004 e 2011 e que hoje assume o posto de presidente da DC Entertainment (divisão responsável pelos filmes da editora). O longa será focado nos Lanternas Verde da Terra e mostrará um Hal Jordan mais experiente treinando o novato John Stewart para assumir o lugar de protetor da Terra e sobreviver à guerra contra a Tropa dos Lanternas Amarelos liderada por Sinestro.

Esquadrão Suicida 2: depois de o primeiro filme falhar em ser uma versão da DC para os Guardiões da Galáxia, a produtora aproveitou uma confusão na Disney para contratar James Gunn (diretor responsável pelo sucesso dos Guardiões na Marvel) para escrever o roteiro e possivelmente dirigir a sequência de Esquadrão. Por enquanto, estão confirmados apenas o retornos de Will Smith, Margot Robbie e Jared Leto nos papéis de Pistoleiro, Arlequina e Coringa. O filme deve estrear em algum momento de 2020.

Aves de Rapina: baseado nos quadrinhos de mesmo nome, o filme, com estreia marcada também para 2020, será o primeiro dos cinemas com um grupo de super-heróis composto apenas por mulheres. O filme terá a Arlequina de Margot Robbie como uma das protagonistas e também contará com a presença das personagens Canário Negro (Jurnee Smollet-Bell, a Nicole de True Blood), Batgirl (ainda sem atriz definida) e Caçadora (Mary Elizabeth Winstead, a Ramona Flowers de Scott Pilgrim Contra o Mundo).

Flash: o filme solo do Flash é um dos projetos do DCEU que mais tem sido adiado devido a mudanças constantes de diretores, produtores e roteiristas. Com planejamento inicial para 2019, a data prevista para a estreia do filme agora é apenas em 2021. Até agora, as duas coisas certas é que Ezra Miller continuará no papel do Flash e que o filme será dirigido por Jonathan Goldstein e John Francis Daley (ambos conhecidos por terem escrito em conjunto o roteiro de Homem-Aranha: De Volta ao Lar). De acordo com um anúncio feito durante a San Diego Comic Con 2017, o filme deverá adaptar para os cinemas o famoso arco Flashpoint (história na qual Flash viaja para o passado para salvar a vida da mãe), mas ainda não há nada realmente confirmado nesse sentido.

Batgirl: Antes de assumir o filme da Liga da Justiça, Joss Whedon havia sido contratado pela DC para escrever e dirigir um filme solo da Batgirl, mas o diretor acabou se afastando do projeto em meio às polêmicas sobre o modo como tratava mulheres em sua vida particular. Christina Hodson (Bumblebee) é a responsável pelo roteiro, e a DC no momento está procurando uma diretora para assumir o longa.

Asa Noturna: querendo aproveitar o máximo todo o universo do Batman, a DC também já confirmou a produção de um filme solo do Asa Noturna (identidade que o primeiro Robin assume após ficar muito adulto para satisfazer os fetiches sexuais de Bruce Wayne continuar como parceiro do Batman). O filme será dirigido por Chris McKay (Lego Batman) e o roteiro escrito por Bill Dubuque (O Contador, Ozark). Apesar de McKay já ter confirmado que o roteiro do filme foi finalizado em fevereiro deste ano, pouco se sabe sobre o longa. A única novidade divulgada durante esse período foi uma pesquisa de McKay em sua conta do Twitter sobre o que as pessoas esperavam do ator que seria escalado para interpretar o personagem.

Liga da Justiça Sombria: nos planos da empresa desde 2013, o filme sobre o grupo de anti-heróis como Constantine, Zatanna e Monstro do Pântano já passou até pelas mãos de Guillermo Del Toro (O Labirinto do Fauno, A Forma da Água) antes do diretor abandonar o projeto. Hoje, tudo o que se sabe sobre o filme é que Gerard Johnstone foi contratado para escrever o roteiro, mas ainda não há nenhuma previsão de lançamento, ideia de sinopse ou mesmo quais personagens farão parte do grupo.

Exterminador: um filme solo do Exterminador — personagem que fez sua estreia no DCEU durante a cena pós-créditos de Liga da Justiça — está em produção, mas nem mesmo John Manganiello (ator que interpreta o personagem) possui detalhes sobre situação do roteiro, diretor que comandará o longa ou qual a janela de lançamento para o filme.

Adão Negro: arqui-inimigo de Shazam, tudo o que sabemos do filme é que o personagem será interpretado por Dwayne “The Rock” Johnson, o que por si só já o torna um dos principais lançamentos da DC para os próximos anos. Ainda não há nenhuma previsão de lançamento para o filme, mas, de acordo com um entrevista de The Rock para o site Yahoo Finance, a estreia poderá acontecer já em 2019.

Lobo: o caçador de recompensas intergaláctico da DC também deverá ganhar seu próprio filme solo. Por enquanto, os rumores colocam Michael Bay (toda a franquia Transformers) como um possível diretor para o filme, que deverá ser a versão da DC de um “filme adulto com muita violência” como foram Deadpool e Logan. Mas, por enquanto, tudo não passam de rumores.

Novos Deuses: de acordo com uma confirmação feita pela própria Ava DuVernay (Uma Dobra no Tempo), o próximo projeto da diretora será um filme sobre os Novos Deuses, um grupo de alienígenas nativos dos planetas Nova Genesis e Apokolips que vivem em um reino separado das noções de espaço-tempo e que por isso se consideram deuses. Por enquanto, tudo o que se sabe é que DuVernay irá dirigir e que o roteiro ficará por conta de Kario Salem (Tudo por um Sonho), mas ainda não há nenhuma previsão de estreia para o longa.

Batman: o primeiro filme solo do Batman desde o fim da trilogia de Nolan foi anunciado em 2014, mas desde então ele tem sofrido diversos problemas que têm atrapalhado o andamento das gravações. Na época do anúncio, Ben Aflleck iria escrever, dirigir e estrelar o filme como o Batman, mas, quatro anos depois, o ator não só já abandonou seu posto de roteirista e diretor, como há fortes rumores de que ele não irá mais interpretar o Batman. O filme, que deveria ser uma das grandes novas produções do DCEU, ainda não iniciou as gravações e não possui nenhuma previsão de lançamento.

Gotham City Sirens: ainda sem nenhuma previsão de lançamento, tudo o que se sabe sobre o filme é que ele deverá focar em um grupo de três das vilãs mais famosas do Batman: Arlequina, Mulher-Gato e Hera Venenosa. Pouco se sabe sobre o longa, apenas que a produção estará sob o comando do diretor David Ayer (Esquadrão Suicida, Bright).

Comédia romântica da Arlequina com o Coringa: em agosto de 2017 surgiram rumores de que Glen Ficarra e John Requa (produtores executivos da série This Is Us) estavam em negociações finais para dirigir uma comédia romântica protagonizada pelo Coringa de Jared Leto e a Arlequina de Margot Robbie, que faria parte da cronologia do DCEU. Pouco mais de um ano depois, em setembro deste ano, os diretores confirmaram que o roteiro do filme já estava pronto e seria algo como Harry e Sally - Feitos um para o Outro se Harry e Sally fossem viciados em anfetamina, mas ainda não há uma previsão de estreia para o longa.

Coringa do Jared Leto: além do filme do Coringa de Joaquin Phoenix, o personagem também ganhará um outro filme solo, dessa vez com Jared Leto novamente no papel do vilão, mas ainda não há nenhuma informação sobre o longa além de que ele deverá pavimentar o caminho para novas sequências de Esquadrão Suicida.

Supergirl: anunciado em agosto deste ano, o filme solo da heroína será a primeira aparição dela nos cinemas desde o fracasso de 1984. Nada se sabe sobre como o filme será ou onde a heroína irá se encaixar no DCEU, mas, como aparentemente Henry Cavill abandonou o papel do Superman, é possível que a heroína preencha essa lacuna na Liga da Justiça. Por enquanto, há apenas a confirmação de que Oren Uziel (O Paradoxo Cloverfield) já está trabalhando no roteiro.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.