Crítica | Escape from Pretoria impressiona pela fuga, mas não pela política

Por Laísa Trojaike | 01 de Abril de 2020 às 11h30
Batrax Entertainment

Thrillers de fuga geralmente têm o mesmo fim, com o prisioneiro injustiçado conseguindo a sua liberdade após passar por diversos problemas e algumas falhas. Mesmo sabendo disso, ficamos tensos, sobretudo quando os personagens são pessoas às quais nos apegamos, sentimental ou ideologicamente.

É difícil não ficar apreensiva por personagens como Tim Jenkin (Daniel Radcliffe) e Stephen Lee (Daniel Webber), sobretudo se estamos cientes de que eles existiram. Para adicionar tensão real à trajetória dos heróis, o diretor Francis Annan inclui na introdução de Escape from Pretoria cenas reais do apartheid, nas quais é possível constatar a brutalidade da força policial branca.

Não se trata de uma escapada em grande escala, nos moldes de clássicos como Papillon (Franklin J. Schaffner, 1973), mas não é uma questão de medir desafios: Escape from Pretoria é suficiente dentro das suas proporções, mesmo com prisioneiros que parecem privilegiados se postos ao lado de outros personagens do gênero.

Atenção! A partir daqui, a crítica pode conter spoilers.

Política

Escrito a partir do livro de Tim Jenkin, o roteiro de Francis Annan e L.H. Adams é bastante focado na fuga em si, com Jenkin pensando as estratégias e confeccionando, testando ou escondendo as chaves de madeira. Sobra, portanto, pouco tempo para um desenvolvimento mais profundo dos personagens e o apego é apenas ideológico: claro que queremos que esses brancos que lutam contra um regime fascista que oprime os negros escapem da prisão, mas há pouco da personalidade deles sendo exposta.

Imagem: Batrax Entertainment

A história ainda traz Denis Goldberg (Ian Hart) como um dos personagens e é um pouco decepcionante ter ele como apenas mais um prisioneiro que, vez ou outra, tem uma contribuição mais significativa. Não há, por parte da direção, um engrandecimento das figuras históricas e recai completamente sobre os ombros dos autores fazer dos seus personagens algo além de prisioneiros comuns com uma inteligência digna de nota.

Com uma ala para prisioneiros políticos, é pouco convincente a ideia de que em pouquíssimos momentos assuntos políticos venham à tona e, quando isso ocorre, são comentários que destoam um pouco do contexto ou soam como frases de efeito, apesar de conterem uma tremenda potência. Aqui, o filme ensina uma lição técnica: nem sempre o que é mostrado é o mais importante, mas sim como é mostrado.

Méritos

Tecnicamente competente, Escape from Pretoria chega a ter alguns momentos de virtuose fotográfica, como quando Jenkin e Lee estão escondidos no armário de filmes e apenas seus olhos estão iluminados pela luz que invade o espaço escuro pelas brechas entre uma madeira e outra.

Imagem: Batrax Entertainment

Francis Annan, embora não consiga agregar muito aos personagens, cria um bom suspense ao priorizar planos-detalhe como o suor escorrendo ou os dedos que tentam segurar a porta do armário de filmes a qualquer custo. Além disso, juntamente com a montagem, parece conseguir dilatar o tempo toda vez que uma chave é testada, agregando tensão: sabemos que eles conseguem fugir, mas não conseguimos prever quando uma das chaves poderá falhar ou simplesmente quebrar.

Apesar de não ser um grande filme, Escape from Pretoria é interessante e, mesmo que não seja um grande entretenimento ou uma obra de arte que sobreviva à prova do tempo, é capaz de criar no espectador a curiosidade por um evento histórico que jamais deve ser esquecido, para que nunca se repita, ou pode servir como conscientização diante de características fascistas.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.