Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Homo erectus de sítio na China pode ser um dos primeiros humanos a viver na Ásia

Por| Editado por Luciana Zaramela | 22 de Junho de 2022 às 11h40

Link copiado!

DEA Picture Library
DEA Picture Library

Cientistas do Centro Nacional de Investigação sobre Evolução Humana (CENIEH), na Espanha, publicaram, recentemente, um estudo do que pode ser o fóssil humano mais antigo da China. Foram utilizadas técnicas de microtomografia, morfometria geométrica e morfologia clássica para analisar os restos de um maxilar e cinco dentes do crânio do Homo erectus em questão, retirado do sítio de Gongwangling.

O sítio arqueológico em questão fica nas planícies da escarpa norte das montanhas Quinling, na província de Xianxim, centro da China. Quem descobriu o local pela primeira vez foi o cientista Woo Ju-Kang, em 1963, e sua idade foi reavaliada em 2015 por estudos de paleomagnetismo regional. Os fósseis datam de 1,6 milhões de anos atrás, podendo caracterizar um dos primeiros humanos a colonizar o que hoje é a China.

Continua após a publicidade

Fósseis hominínios

O estudo dos restos em questão, publicado no periódico científico Journal of Human Evolution, mostra semelhanças entre os dentes de Gongwangling e os de sítios chineses mais recentes, como os de Meipu e da boca do rio Quyuan, mas há variações, o que sugere alguma diversidade entre os H. erectus que colonizaram a Ásia durante o período Pleistoceno.

Há, hoje em dia, uma escassez de informações sobre os primeiros colonizadores da Ásia. Um dos lugares mais prolíficos nesse campo é o sítio de Dmanisi, na República da Geórgia, que traz evidências dos primeiros habitantes do continente, há 2 milhões de anos. Para conseguir conectar os dados do hominínios de Dmanisi com os chineses (que viveram na massa continental de 400 a 800 mil anos atrás), no entanto, são necessários mais dados.

O sítio de Gongwangling, segundo os cientistas, ajuda a preencher esse lapso enorme de tempo e sugere que a Ásia foi habitada por populações sucessivas da espécie H. erectus em diferentes momentos do Pleistoceno.

Continua após a publicidade

O crânio em questão tem todas as características da espécie: crânio baixo e bem longo, ossos grossos, parte frontal íngreme, arcos superciliares que formam um tipo de visor duplo sobre os olhos, parietais achatados que formam uma quilha sagital no topo e grossura parietal máxima na base.

Fonte: Journal of Human Evolution