Siga o @canaltech no instagram

Especial Nanotecnologia [5] | Nanoalimentos em um supermercado perto de você

Por Thaís Augusto | 08 de Maio de 2019 às 19h40
Freepik / jcomp

A ciência que manipula os átomos e moléculas também manipula a comida que chega ao seu prato – mesmo que você não saiba. A começar pelo fertilizante usado em plantações agrícolas, passando pelas embalagens inteligentes e finalmente aos nanoalimentos propriamente ditos. No futuro, a nanotecnologia pode permitir até a criação de amendoins que não provocam reações alérgicas.

Por enquanto, a ciência está um pouco longe desta aplicação, mas isso não impede que a indústria alimentícia invista na nanotecnologia: além de aumentar a absorção de vitaminas e minerais, ela consegue reduzir odores desagradáveis, alterar a aparência de alimentos e até melhorar a textura de laticínios.

No Brasil, a Funcional Mikron é uma das empresas que usam técnicas de nanoencapsulação e nanonização para criar ingredientes e vendê-los para as indústrias alimentícia e farmacêutica. "Fomos respondendo as demandas do mercado. Algumas empresas tinham problema com a estabilidade das matérias-primas, com o gosto, cheiro e textura do alimento. Em outros casos, o produto simplesmente não desempenhava à contento: ou porque o produto não dissolvia ou reagia precocemente na formulação", explicou o head de projetos da Mikron, Eduardo Carità.

Participe do nosso Grupo de Cupons e Descontos no Whatsapp e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Um dos ingredientes vendidos pela Mikron é a cafeína de liberação controlada, criada a partir de um processo de microencapsulação. "A partícula de cafeína é nano, mas é revestida por quatro camadas. Assim, o produto acaba assumindo a dimensão micrométrica porque aumenta de tamanho", disse Carità. "Como qualquer ativador de metabolismo celular, a nossa cafeína acelera o metabolismo: a pessoa gasta mais energia e consegue até gerenciar melhor o controle de peso".

Cafeína pode ser nanoencapsulada. Imagem: Freepik / jcomp 

O produto ainda potencializa outras propriedades da cafeína como a estimulação do sistema nervoso. Como sua liberação no organismo é lenta, seus efeitos são prolongados. O ingrediente pode ser aplicado em bebidas e mesmo alimentos para esportistas.

A Mikron também trabalha com o Ômega 3 em pó. "O Ômega é uma questão mais complexa. Ele é muito bom para a saúde cardíaca, mental e até para o sistema imunológico, mas cheguei a jogar a toalha porque não conseguia controlar o gosto do óleo de peixe. Ninguém quer tomar um shake de chocolate com sabor de sardinha", contou Carità. "Ele também estraga muito facilmente. Mas há três anos, a Fapesp entrou com uma verba e desenvolvemos o projeto Bio Ômega: conseguimos criar um produto sem gosto nem cheiro e extremamente estável e manipulável. Podemos aplicá-lo em shakes, vitaminas em pó, bombons e até barrinhas de proteína".

Mensalmente, a Mikron fabrica 80 toneladas de produtos com nanopartículas. Mais de 60 toneladas são destinadas para o exterior. De acordo com Carità, existe uma grande demanda para países como Argentina e Espanha. "A Mikron consegue interferir na cadeia de alimentos em diversas oportunidades. Produzimos produtos para empresas de suplementos alimentares, farmácias de manipulação, fábricas de chocolate, shake, misturas instantâneas: todas as que estão preocupadas em inovar na área".

Ele conta que os governos do México e Bolívia usam os produtos da Mikron em seus programas de fortificação e suplementação alimentar. "Na Bolívia, temos um cliente que é um dos três fornecedores do governo. Em 2015, eles ganharam um prêmio da Organização Mundial da Saúde por conseguirem reduzir a desnutrição no país de mais de 60% para patamares menores de 20% em 10 anos".

Outra brasileira que trabalha com a nanotecnologia em alimentos é a Akmos. Neste caso, a empresa fabrica e manipula os próprios produtos – os ativos são desenvolvidos por parceiras, como a Universidade de Goiás.

Um dos principais produtos da empresa é o FZA Energy Drink, com nanocápsulas de vitamina C, cafeína e complexo B. "Os consumidores acham estranho no começo [um produto com aplicação de nanotecnologia], mas quando ficam sabendo dos benefícios reagem com entusiasmo e repassam a informação para outras pessoas", contou o vice-presidente de expansão da Akmos, William Miranda.

A bebida da Akmos promete "aumentar a performance e a concentração em qualquer tipo de atividade". Isso inclui a prática de esportes ou mesmo estudos. Na internet, o FZA Energy Drink pode ser encontrado por cerca de R$ 11.

"No setor de alimentação, poucas empresas exploram a nanotecnologia, por se tratar de uma tecnologia cara", explicou Miranda. "Por conta disso a Akmos, em parceria com a Universidade de Góias, tem desenvolvido novas formas de aplicação de nanotecnologia para encontrar uma maneira de equalizar essa conta, deixando a nanotecnologia mais acessível".

Em breve, num mercado perto de você

Para Carità, as pessoas estão "com certeza" ingerindo nanoalimentos. "A nanotecnologia em alimentos e nanoalimentos vem desde a agricultura. Ela está presente em fertilizantes e fixadores de água no solo que são absorvidos pela planta, fruto ou caule. Isso acaba virando matéria-prima. Quase ninguém percebe, mas começa aí".

As empresas também estão começando a substituir os conservantes pela nanotecnologia para aumentar a durabilidade de produtos. Com a nanoprata e a nanoargila, é possível criar embalagens com maior resistência microbiológica. "Existem relatos de produtos com plástico de nanoprata que duram até seis vezes mais", explica Carità.

A indústria também investe em nano-etiquetas. "É um método de fabricação para fazer com que a embalagem mude de cor quando ocorre qualquer deterioração no alimento, permitindo retirar o produto da cadeia de distribuição antes de chegar às prateleiras e ao consumidor final", contou Miranda. Ele ainda diz que, nesta área, os avanços são significativos.

Atualmente, a Mikron está conduzindo um projeto com o Senai para a criação de snacks com nanotecnologia. "Todo mundo quer assistir a TV comendo snacks, mas de forma geral eles não são saudáveis: tem sal demais, amido demais, gordura demais, e nos doces ainda têm os conservantes artificiais", explica Carità. "Pensando nisso, decidimos transformá-los em algo gostoso e saudável".

Os produtos serão lançados em 2020. Com o Senai, foram desenvolvidos sachês de suplemento alimentar em pó para que pessoas possam adicionar água ao produto, criando uma bebida embarcada com nanocálcio, nanoferro e outras propriedades como a cafeína e o Ômega 3. Serão sucos, chás e shakes.

Suplemento alimentar criado pela Mikron e Senai será lançado em 2020. Imagem: Divulgação / Mikron

"Pegamos as sete principais lacunas nutricionais. Se o cara tem depressão, ele tem um produto que mexe com o sistema nervoso. Se a mulher está anêmica ou com um quadro de tensão e irritabilidade, ela coloca água no sachê e consegue um chá refrescente que repõe o ferro, aumenta a emoglobina, diminui a irritação e inflamação", explicou Carità.

Ele diz que os produtos chegarão ao supermercado e farmácias por um preço acessível.

Nanotecnologia e a saúde

Carità conta que faz parte do comitê mundial que busca regulamentar os processos e métodos de análise da nanotecnologia. Para ele, a ingestão de nanoalimentos não apresenta riscos para a saúde humana.

"Como a nanotecnologia é recente, começamos a 'fuçar' e descobrimos propriedades chamadas de quânticas na escala nanométrica. Estas propriedades não obedecem à gravidade, o que desperta uma precaução, mas depois de mais de 12 anos trabalhando com produtos nanoencapsulados, aplicando ensaios em animais e humanos, eu diria que se fosse perigoso os mamíferos não tomariam leite, que são nanoestruturados. Quero dizer: se apresentasse algum risco para a saúde, você não encontraria essa solução na natureza", comentou Carità. "Mas sem dúvida, se você pegar o óxido de titânio e uma série de outros metais e colocar na escala nanométrica para colocar na boca ou na pele, você começará a ter problemas com a acumulação de metais".

Ele defende a aplicação de tecnologia em alimentos. "Em 2030, serão 10 bilhões de pessoas no planeta. A grande resposta para a nutrição da humanidade está na tecnologia do alimento: produzir cada vez mais com menos recursos".

Quer saber mais? Fique de olho no site do Canaltech. Esta é a quinta matéria de uma série de reportagens semanais sobre a nanotecnologia.

1. Entenda a ciência invisível a olho nu
2. A revolução das roupas que não sujam
3. O combate de doenças de dentro para fora
4. Os nanocosméticos estão entre nós
5. Nanoalimentos em um supermercado perto de você

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.