Especial Nanotecnologia [1] | Entenda a ciência invisível a olho nu

Especial Nanotecnologia [1] | Entenda a ciência invisível a olho nu

Por Thaís Augusto | 10 de Abril de 2019 às 14h37
Divulgação

Um robô tão minúsculo que é capaz de navegar pelo corpo humano atacando células doentes e curando anormalidades. É o que muita gente imagina quando o assunto é nanotecnologia, mas aqui vai um spoiler: não é bem assim. Neste especial, o Canaltech vai mostrar, em termos simples, o que a nanotecnologia compreende, afinal. Nós separamos essa série em sete capítulos e toda semana publicaremos um para você acompanhar.

O termo "nano" é uma medida que significa um bilionésimo de algo. É tão pequeno que costuma ser comparado ao tamanho de uma bola de gude diante da Terra. Para quem curte matemática, é o equivalente a dividir um metro por 1 bilhão de vezes. Na nanoescala, materiais são invisíveis ao olho nu e mesmo com microscópios ópticos.

Cientistas só conseguem identificar tais materiais a partir de um super microscópio eletrônico. O DNA e o vírus de gripe, por exemplo, são duas estruturas que se encaixam na nanoescala, para você ter uma ideia da "miudeza" da coisa.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Em termos práticos, a partir da nanotecnologia é possível manipular, sintetizar e até modificar uma matéria. No fim do dia, é importante saber que a ciência está utilizando a nanoescala para criar objetos que facilitarão a vida das pessoas. É verdade que estamos longe de criarmos nanorobôs, mas outras aplicações como roupas que não se molham, novos tratamentos para o câncer e purificação da água estão sendo desenvolvidas e testadas enquanto você lê este texto.

Ficção vs realidade

O conceito de nanorobôs é alimentado por filmes e livros. Uma das primeiras ficções científicas a retratá-los foi Viagem Fantástica, em 1966. No filme, cientistas criam um submarino miniaturizado que deve chegar ao cérebro do paciente para drenar um coágulo. É uma corrida contra o tempo: a equipe médica tem apenas uma hora antes que o nanorobô volte ao seu tamanho natural.

Mesmo assim, a nanotecnologia só foi se popularizar nos anos 1980, quando o engenheiro K. Eric Drexler propôs que as máquinas nanométricas poderiam manipular átomos no futuro. Os átomos e moléculas são as únicas estruturas menores do que os materiais da nanoescala.

"De fato, existe a área de pesquisa [de nanorobôs], mas ela é muito embrionária. É uma visão futurística da aplicação. A nanotecnologia não é só isso. Ela caminha muita mais no sentido de identificação de uma realidade e na criação de uma nanopartícula para resolver e atacar o problema", explicou o professor do Instituto de Química da USP e especialista em nanotecnologia, Delmárcio Gomes.

Mais recentemente, em Homem de Ferro 3, uma substância criada a partir de conhecimentos da nanotecnologia é aplicada em Tony Stark para copiar o organismo do protagonista, curar ferimentos e regenerar partes do corpo. A mesma ciência também é abordada na comédia infantil Big Hero.

Produtos com nanotecnologia

A natureza é a musa inspiradora da nanotecnologia. Há anos, cientistas tentam imitá-la para recriar seus fenômenos. "A evolução da natureza permite que você observe o comportamento de uma planta ou até mesmo o mecanismo de defesa de um animal. E você descobre que aquela característica é gerada por nanoestruturas. A partir daí, cientistas podem ir para laboratórios tentar reproduzir o mesmo efeito em um material", contou Gomes.

Um exemplo disso são as roupas que não molham nem sujam, inspiradas pela habilidade das folhas da flor de lótus. A planta consegue permanecer limpa mesmo crescendo em lagos e regiões lamacentas porque está recoberta por nanoestruturas cerosas que repelem a água. Desta forma, gotículas de água não consegue aderir na superfície da planta e acabam rolando, levando consigo toda a sujeira.

Startup norte-americana cria roupas que não molham. Imagem: Divulgação / Ably

Com a nanotecnologia, a indústria consegue desenvolver produtos com características impermeáveis à líquidos. A técnica é denominada como nanocoating (nano-revestimento, em tradução livre) e está sendo usada diretamente na fibra de tecidos. Há também a possibilidade de aplicar o produto na forma de spray sobre a peça de roupa.

No Brasil, a Nonex desenvolve tecidos com partículas em escala nanométrica em parceria com as indústrias têxteis. Para o próximo verão, a empresa quer colocar no mercado roupas com a capacidade de controlar o calor, o odor de suor, além de proteger contra o Sol e mosquitos como o Aedes aegypti, que carrega o vírus da dengue, febre amarela, chikungunya ou do zika. Vale dizer, aliás, que as roupas que não se molham podem ser lavadas quando mergulhadas na água.

A nanocoating também é testada em carros, onde a tinta dos carros impede que partículas como água e óleo fiquem aderidas sobre sua cobertura. Isso significa que, no futuro, lavar o carro pode se tornar desnecessário. Atualmente, a fabricante Nissan testa a tecnologia capaz de manter veículos limpos.

Gomes ainda destaca outros produtos criados a partir de fenômenos da natureza. A pele do tubarão, que impede o crescimento de bactérias, foi a inspiração de um hospital que criou um adesivo com propriedades similares para evitar a proliferação de bactérias em pontos comuns, como maçanetas de banheiros e elevadores.

Outro caso foi o da Speedo, empresa que criou um maiô de natação chamado Fast Skin para as Olímpiadas de Sydney em 2000. Com a tecnologia, os atletas conseguiram quebrar 15 dos 18 recordes mundiais. Só havia um problema: mais tarde, descobriu-se que a roupa favoreceu injustamente alguns nadadores.

"A empresa foi processada um ano depois por doping tecnológico. A roupa criada impedia que os nadadores disputassem a competição no mesmo nível", explicou Gomes. Apesar dos exemplos, a maioria das criações da nanotecnologia não usam como base a natureza.

No futuro, a nanotecnologia também poderá nos trazer celulares resistentes a riscos e flexíveis o suficiente para alterar a forma do aparelho. Os problemas de cobertura de sinal também serão coisa do passado. A expectativa é de que a conectividade se espalhe assim como o oxigênio.

Hoje, computadores superpotentes só existem porque a nanotecnologia permite dobrar o número de transistores em chips. Em 2015, a IBM conseguiu espremer 20 bilhões de transistores na escala de sete nanômetros num chip do tamanho de uma unha. Agora, a empresa produz transistores com cinco nanômetros e a quantidade subiu para 30 bilhões.

IBM produz chips na nanoescala para potencializar processadores. Imagem: Divulgação / IBM

Isso significa, na prática, que o seu processador do futuro pode ser muito mais poderoso e econômico – o que é excelente para os dispositivos móveis, por exemplo. "Empresas como a IBM e a Intel estão chegando no limite da redução", ressaltou o professor da USP.

Gomes conta que a nanotecnologia está à nossa volta. Dá até para encontrá-la dentro de casa: Band-Aid, secador de cabelo, creme dental e preservativos são alguns dos objetos do nosso cotidiano que usam a nanotecnologia. No Band-Aid e creme dental, por exemplo, a ciência melhora a eficiência dos produtos.

No caso do secador de cabelo, um revestimento produzido a partir da nanoescala impede que bactérias e outras impurezas acabem sobrados para os seus cabelos. Já no preservativo, a nanotecnologia ajuda a destruir bactérias que entram em contato com o produto.

Embalagens inteligentes, o transporte de medicamentos até o órgão doente, nanocosméticos e até uma aplicação contra desastre naturais são outras áreas de atuação da nanotecnologia, mas isso é história para os próximos capítulos desta série.

No Brasil

Em outubro do ano passado, o governo Michel Temer (MDB) criou um plano nacional para o desenvolvimento da nanotecnologia no país.

De acordo com dados do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, desde então o Brasil investiu cerca de R$ 650 milhões em projetos de apoio a pesquisa, subvenções a empresas inovadoras, formação de serviços tecnológicos, redes de pesquisa e desenvolvimento e cooperação internacional.

No documento divulgado no ano passado, o ministério dizia que "este conjunto de tecnologias tem o poder de causar mudanças radicais e a tendência de gerar um ciclo acelerado de desenvolvimento e um impacto profundo em virtualmente todos os campos de conhecimento, beneficiando o aumento do desempenho humano, seus processos e produtos, a qualidade de vida e justiça social”.

Duas iniciativas de cientistas brasileiros chamam a atenção no campo da nanotecnologia. Ambas do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), órgão supervisionado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC).

Uma equipe de cientistas está usando a nanotecnologia a serviço da biologia. A ideia é combater fungos e bactérias que se tornaram resistentes a remédios tradicionais. Para isso, os cientistas estão usando um nanofármaco, capaz de atacar apenas os corpos estranhos, por meio de nanopartículas de prata e sílica. As partículas são mil vezes menores que o diâmetro de um fio de cabelo, e são revestidas por uma camada de antibiótico.

Cientistas da CNPEM também desenvolveram um método que utiliza nanopartículas para atrair vírus e impedir que eles façam ligações com as células do organismo. A técnica pode auxiliar no desenvolvimento de novas formas de detecção do HIV e de outros vírus.

A estratégia poderia até ser utilizada na identificação e eliminação de vírus em bolsas de sangue antes de transfusões. O estudo de 2016 foi o primeiro a demonstrar inativação de vírus baseada em nanopartículas.

Só que, agora, entidades de fomento à pesquisa estão preocupadas. O governo Jair Bolsonaro (PSL) anunciou na última semana uma nova redução no orçamento do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações. O corte ameaça o pagamento de bolsas de estudo de pesquisadores e prevê contingenciamento de 42,2% das verbas previstas para a pasta em 2019.

No início do ano, o Congresso havia aprovado orçamento de R$ 5,1 bilhões para o MCTIC. Com o enxugamento, os recursos disponíveis caem para R$ 2,9 bilhões. No ano anterior, a pasta tinha recebido R$ 4,7 bilhões.

Enquanto o governo incentiva pouco a pesquisa brasileira, o conhecimento sobre nanotecnologia nas escolas também é insuficiente. Hoje, o tema só aparece em atividades extra pontuais e em matérias oferecidas depois do horário obrigatório de aula.

"Graças a reforma do ensino médio, os colégios puderam oferecer temas fora da grade curricular e isso abriu espaço para que eu criasse projetos dentro das escolas. Em 2013, comecei dando só palestras. Nos últimos três anos, fico o semestre inteiro dando aulas [sobre nanotecnologia]", contou Gomes.

Ele acrescenta que os colégios particulares abrem a porta mais cedo para oferecer novas temáticas. "Mas não podemos nos concentrar apenas nelas. Por isso, fazemos o Ensinano e vou muito em escolas públicas e em ETECs". O Ensinano é um projeto criado para incentivar o ensino e a divulgação da nanotecnologia nas escolas tanto públicas quanto privadas do Brasil.

Em uma entrevista para a USP, ele relembrou que, durante uma recepção aos calouros do Instituto de Química, perguntou quantos tinham tido contato com a nanotecnologia no ensino médio. Gomes descobriu que 87% não haviam abordado o assunto na escola e os 13% restantes, na sua quase totalidade, eram estudantes de escolas particulares.

"A nanotecnologia é uma área da ciência intimamente ligada com benefícios para a sociedade. Diferentemente da inteligência artificial, da internet das coisas e da biotecnologia, que demandam uma educação da sociedade para receber e entender quando essas aplicações serão reais, na nanotecnologia, a inovação é produzida e você pode usar. Ela também não acarreta em nenhum problema, como a perda de empregos", explicou Gomes ao comentar da importância da ciência.

Quer saber mais sobre as aplicações da nanotecnologia que influenciam no nosso dia a dia? Fique de olho no site do Canaltech. Esta matéria é a primeira de uma série de reportagens semanais sobre a nanotecnologia.

  1. Entenda a ciência invisível a olho nu 
  2. A revolução das roupas que não sujam

Fonte: Be Brasil, Fapesp e Ensinano

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.