Tudo sobre a Estação Espacial Internacional

Por Muni Perez | 20 de Março de 2014 às 09h45

Regularmente você deve ouvir ou ler sobre a Estação Espacial Internacional e sabe que ela é uma base que fica no espaço e que abriga vários astronautas. Mas e aí? Para o que serve, o que os astronautas fazem lá, quem a construiu e qual a sua real dimensão? E menos ainda, que o Brasil fazia parte do grupo inicial de “sócios” da Estação, mas que foi expulso por não cumprir as metas estipuladas para participar do projeto: a construção de 43 componentes relativamente simples.

Afinal de contas, o que é a Estação Espacial Internacional? Bom, ela é um laboratório espacial de microgravidade que foi criado com o intuito de ser uma base habitada pemanentemente por seres humanos. Muitos experimentos e pesquisas científicas não podem ser feitos aqui na Terra, pois a própria aceleração da gravidade atrapalha os resultados. Além disso, estuda-se os efeitos que a permanência prolongada no espaço causa em seres humanos, matéria viva e equipamentos.

Na última sexta-feira (14), inclusive, o canal National Geographic exibiu um especial de 2h chamado “Ao Vivo do Espaço”, que mostrou a rotina dos astronautas, o funcionamento da Estação e como a ciência no espaço beneficia as pessoas na Terra. Os astronautas, os controladores de voo e pesquisadores em segmentos originais da ISS e do Controle de Missão da NASA participaram dessas duas horas do programa ao vivo.

Agora, o Canaltech traz para você outros fatos e curiosidades sobre essa gigantesca estrutura que pesa mais de 400 toneladas e custou cerca de US$ 150 bilhões.

1. Essa não foi a primeira estação espacial

A idéia de estação espacial começou com os soviéticos ainda na década de 1960. À época, a intenção era construir uma plataforma que fosse permanentemente habitada para fins de espionagem militar. Dessa maneira, o país lançou a série de naves Almaz, disfarçadas de projetos civis. Ela contava, inclusive, com armamento para defesa!

Estação Espacial Mir

Estação espacial russa MIR

Em seguida veio a Salyut, também russa, e depois a famosa Mir, que foi a estação mais bem sucedida da Rússia. O projeto se saiu tão bem que, após o fim da Guerra Fria, contou com a cooperação norte-americana.

A parceria rendeu bons frutos e, em meados da década de 1990, os dois países começaram a planejar a estação conjunta. A medida que os planos eram delineados, vários países foram convidados a participar, formando um consórcio que incluia até o Brasil.

2. O Brasil fazia parte do consórcio inicial

O Brasil assinou um acordo exclusivo e direto com a NASA para produzir hardware específico e, em troca, ter acesso a equipamentos norte-americanos e permissão para enviar um astronauta brasileiro à estação. A viagem ocorreu em 2006 e Marcos César Pontes ficou conhecido como o primeiro astronauta lusófono a ir ao espaço. Por uma semana ele permaneceu em órbita e foi transportado por um foguete russo.

Bandeiras ISS com o Brasil

Bandeiras do consórcio com o Brasil

Bandeiras ISS sem o Brasil

Bandeiras do consórcio sem o Brasil

Contudo, o Brasil está atualmente fora do projeto de construção da Estação Espacial Internacional devido à incapacidade de fornecer os componentes atribuídos ao país. No fim das contas, foi dito que parte da culpa foi de uma empresa subcontratada pela Embraer, que havia se responsabilizado pela fabricação deles.

Após quase dez anos de participação, o país deixou de ser considerado na lista de fabricantes da base orbital. Segundo o especialista John Logsdon, diretor do Instituto de Políticas Espaciais da Universidade George Washington e membro do Comitê de Conselho da Nasa, "já é tarde demais para o Brasil fazer qualquer coisa, a não ser tornar um usuário da estação".

3. A ISS é modular

A Estação é constituída por diversos módulos, sendo que a maioria foi construída pelos EUA e Rússia. A partir dos módulos básicos, os demais foram sendo encaixados, o que facilitou a montagem da estrutura. Desde 1998 o "consórcio" fabrica e envia peças e módulos para o espaço.

Com isso a Estação pode ser modificada e atualizada de acordo com a necessidade. Se por um acaso algum módulo seja danificado sem a possibilidade de reparos, a substituição dele também será simples.

Componentes da ISS

Componentes da ISS. Destaque para os componentes que seriam de responsabilidade do Brasil.

4. A ISS completa uma órbita ao redor da Terra a cada 1h30 e sua gravidade real não é zero

Isso significa que a estrutura viaja a pouco mais de 8 km por segundo. A órbita que ela percorre ao redor da Terra é chamada de Órbita Terrestre Baixa (Low Earth Orbit) e seu raio é de aproximadamente 360 km. A estação perde, em média, 100 metros de altitude todos os dias - isso quer dizer que por volta de 2030 ela sairá de operação e colidirá com a Terra, como ocorreu com a Mir.

É comum associar à estação um estado de "gravidade zero", mas isso não está correto. A gravidade aproximada do local, levando-se em conta um raio de 6.378,1 km terrestre, é de 8,3 m/s² a 8,4 m/s², pela igualdade da Lei da Gravitação Universal (LGU) e o peso, o que é considerável. Na superfície terrestre a aceleração da gravidade é de aproximadamente 9.8 m/s².

g = G x M / R²

G - constante gravitacional universal, M - massa da Terra , R - raio da órbita da Estação

O efeito "gravidade zero" ocorre porque a estação está "caindo eternamente" por causa da curva ocasionada pela força centrípeta a que está sujeita.

5. Ela é bem grande

Talvez seja difícil ter uma noção do tamanho da estrutura, mas ela tem o tamanho aproximado de um campo de futebol (contando todos os painéis, claro). Além disso, sua massa é de pouco mais de 400 toneladas. Toda essa matéria foi levada da Terra, então é fácil imaginar que o custo total do projeto não é nada pequeno.

ISS

6. Há 13 anos ela é habitada permanentemente

O módulo inicial da Estação, chamado Zarya, foi lançado em 1998 utilizando um foguete Proton, porém sem astronautas - foi uma missão totalmente robotizada. Duas semanas depois, o primeiro componente americano foi lançado, a bordo de um ônibus espacial, e foi acoplado ao Zarya pelos astronautas.

Depois disso, permaneceu desabitada por dois anos, quando o segundo módulo russo, chamado Zvezda, se juntou ao conjunto, carregando os equipamentos e estruturas que possibilitariam a vida no espaço. Somente a partir desse momento foi que a primeira tripulação residente chegou, em novembro de 2000.

Desde então a Estação permaneceu habitada permanentemente, com uma equipe mínima de 3 astronautas. Quando há a troca de tripulação, a estrutura abriga pelo menos 6 pessoas (os três que saem e os três que entram), e, não muito raro, astronautas visitantes de outros países - o brasileiro tenente-coronel Marcos Pontes - bem como turistas espaciais.

7. Sua operação é feita por 5 diferentes agências espaciais

Além da NASA norte-americana, participam da operação da Estação a Roskosmos (Rússia), JAXA (Japão), Canadian Space Agency (Canadá) e a European Space Agency (União Europeia). Além dessas agências, ao todo 22 países participam do programa. São eles:

Áustria, Bélgica, Canadá, República Tcheca, Dinamarca, Finlândia, França, Alemanha, Grécia, Irlanda, Itália, Japão, Luxemburgo, Holanda, Noruega, Portugal, Rússia, Espanha, Suécia, Suíça, Reino Unido e Estados Unidos.

8. A China também possui uma estação espacial própria

Como você deve ter percebido, a China não participa do programa da Estação Espacial Internacional. Ao invés disso, ela mantém seu próprio programa espacial desde 1992. O seu auge, no entanto, só ocorreu em 2011, quando o país lançou a estação. O Tangong-1 é o primeiro módulo, com capacidade para acomodar 3 astronautas durante um curto período de tempo. A estação será composta por 3 módulos no total, a serem todos unidos até 2020. No filme Gravidade, Sandra Bullock utiliza a nave de escape da estação chinesa para retornar à Terra.

Tiangong-1

Modelo da Tangong-1 mostrando a docagem com uma nave de suprimento.

9. Ela pode ser vista a olho nu, da Terra

Ela é tão grande que pode ser vista da Terra a olho nu, em horários e locais bem específicos. Infelizmente ela não passa pelo Brasil, logo não é possível vê-la daqui.

Órbitas da ISS

Mas caso você esteja nos EUA, Canadá, México, Inglaterra, Portugal, França, Alemanha, Oriente Médio, Austrália e mais alguns outros países da África, poderá saber a localização da ISS, além de onde e quando ela passará, através de algum desses sites:

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.