Tesla trabalha com duas hipóteses sobre acidente fatal envolvendo Model S

Por Redação | 01 de Agosto de 2016 às 11h59

Durante uma reunião com a Comissão do Senado dos Estados Unidos, a Tesla Motors afirmou que está considerando duas teorias que podem explicar o acidente ocorrido no dia 7 de maio que matou um homem no estado da Flórida (EUA) que estava utilizando o sistema de piloto automático do carro. Membros da equipe da montadora declararam que ainda estão tentando entender qual foi a "falha do sistema" que levou ao acidente.

A Tesla considera duas hipóteses que podem ter feito com que o carro colidisse violentamente contra um caminhão e matado Joshua Brown. A primeira possibilidade seria uma falha nos sensores de radar e câmera, que deveriam detectar a aproximação do caminhão e enviar o comando para que o carro freasse automaticamente. Na segunda hipótese, a Tesla considera que os sensores chegaram a detectar o caminhão, mas que o sistema o considerou como uma parte da estrutura rodoviária, como uma ponte, por exemplo, impedindo o acionamento dos freios.

A equipe de desenvolvimento da Tesla que está investigando as causas do acidente encara a falha nos freios como algo desvinculado da função do piloto automático, que administra a direção, a mudança de faixas e o ajuste da velocidade do automóvel.

Uma perícia preliminar realizada pela NTSB (National Transportation Safety Board) revelou também que o carro autônomo da Tesla estava circulando acima da velocidade máxima permitida na rodovia no momento do acidente. Os dados coletados pela comissão conseguiram identificar que o automóvel estava trafegando a aproximadamente 120 km/h, quando na verdade o limite da rodovia era de pouco mais de 100 km/h. A perícia conclusiva será emitida pela NTSB em até um ano.

O acidente ganhou grande notoriedade por ser o primeiro acidente fatal com um veículo que utiliza tecnologia autônoma. Com isso, surgiram muitas dúvidas sobre a verdadeira efetividade do sistema de piloto automático desenvolvido pela companhia, que declarou, após o acidente, que o sistema não é totalmente autônomo e que os motoristas são informados disso quando compram o veículo. Elon Musk, CEO da Tesla, afirmou também que "a probabilidade de um acidente é 50% menor se você estiver com o piloto automático ligado".

Via The Guardian