Nissan aposta em antropologia para desenvolver carros autônomos

Por Redação | 11.08.2016 às 16:15

Que tipo de profissional você acha ser necessário para criar um carro autônomo? Engenheiros são a resposta mais óbvia, mas, para fazer mais do que apenas escrever códigos, produzir hardware e testar os modelos, a Nissan contratou um profissional que você talvez não esperava ver no meio de uma equipe criadora de carros.

A montadora japonesa acredita que antropólogos podem ser valiosos para entender como humanos interagem com as tecnologias emergentes. Por isso, a antropóloga Melissa Cefkin foi contratada como "cientista principal e antropóloga de design" no centro de pesquisa da Nissan, no Vale do Silício, nos Estados Unidos. Cefkin está estudando como humanos interagem com carros e como sistemas autônomos podem interpretar estas ações.

Está enganado quem pensa que essa é a primeira experiência de Cefkin com tecnologia. Em seu currículo, a profissional já coleciona passagens por empresas como IBM e Sapient Corp. e também pelo Instituto de Pesquisa de Aprendizado, todos dos Estados Unidos. Os experimentos da Nissan tiveram início em março do ano passado, ao analisar as interações entre motoristas nas estradas, assim como as interações de carros com pedestres, ciclistas e o ambiente ao redor da máquina. Cefkin espera usar essas informações para ensinar a carros autônomos a se portar como bons motoristas humanos.

Um dos focos de pesquisa são as intercessões. A antopóloga notou que motoristas, ciclistas e pedestres frequentemente utilizam o olhar para sinalizar suas intenções, e, por isso, eles procuram uma maneira de imitar este sistema com luzes.

A Nissan acredita que o trabalho de Cefkin será importante para a futura linha de carros autônomos da empresa, com previsão de lançamento para 2020. O sistema autônomo será baseado no ProPilot, um sistema semi-autônomo que a Nissan pretende lançar ainda em 2016., com uma versão ainda mais avançada chegando em 2018.

Via Digital Trends