Executivos brasileiros sentem pressão com novo modelo de trabalho, diz LinkedIn

Executivos brasileiros sentem pressão com novo modelo de trabalho, diz LinkedIn

Por Roseli Andrion | Editado por Claudio Yuge | 18 de Novembro de 2021 às 20h40
DC_Studio/Envato

Uma pesquisa do LinkedIn aponta que a maioria dos profissionais em cargos de liderança no Brasil (80%) se sentiu pressionada para adaptar as políticas do local de trabalho e oferecer mais flexibilidade desde a chegada da pandemia de covid-19. Segundo o levantamento, a demanda veio principalmente dos funcionários (46%), mas também do governo (38%), da liderança da empresa (35%), dos investidores (32%), da concorrência (27%) e da imprensa (23%).

Foram entrevistados 250 executivos no Brasil em organizações com mais de 1 mil funcionários e faturamento anual de mais de US$ 250 milhões (R$ 1,3 bilhão). Em termos globais, o Brasil fica atrás apenas da Holanda (93%) e da Irlanda (82%).

Reino Unido (78%), França (76%), Alemanha (74%), México (75%), Espanha (67%) e EUA (65%) vêm depois. Ana Claudia Plihal, executiva de soluções de talentos do LinkedIn, diz que as diferenças estão relacionadas à cultura e à situação econômica da localidade.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Ela explica que, quando o Brasil é comparado com os EUA, por exemplo, fica clara a diferença dos momentos vividos pelos países em relação ao retorno aos escritórios. “Aqui, a flexibilização das medidas começou a ser colocada em prática mais recentemente. Por isso, há mais dúvidas do que certezas no país”, aponta.

Home office (Imagem: Reprodução/Freepik/Racool_studio)

Ana destaca, porém, que os líderes estão otimistas com o novo cenário. “A possibilidade do trabalho remoto — parcial ou integralmente — oferece opções e modelos que estão mudando, inclusive, a relação dos profissionais com o trabalho”, afirma.

Nesse contexto, as habilidades necessárias para a gestão de equipes agora incluem a adaptabilidade (52%) e a comunicação (48%) como competências essenciais. Aparecem na lista, ainda, empatia (44%), integridade (41%), capacidade de inspirar (41%), liderança inclusiva (36%) e confiança (35%), entre outras.

Modelo híbrido

O estudo revela que mais da metade (57%) dos participantes já fizeram mudanças na política de trabalho. A busca por um modelo mais flexível está entre as prioridades de curto prazo das companhias: 84% dos entrevistados dizem que transformar digitalmente o negócio e estabelecer novos formatos são áreas em que é preciso se concentrar nos próximos seis meses.

Ao todo, 40% dos executivos afirmam que pretendem oferecer uma política de trabalho flexível a longo prazo e 14% a médio prazo. Cerca de 38% querem apostar em mudanças a curto prazo. A maioria deles (93%) quer oferecer treinamento para ajudar gerentes e funcionários a se adaptarem ao momento.

Para 89% dos líderes, uma configuração de trabalho mais flexível pode ajudar a melhorar a diversidade da força de trabalho. Isso porque atrai pela flexibilidade (55%) e permite o acesso de candidatos que teriam dificuldade para ir ao escritório participar do processo seletivo (55%).

A comprovação da eficácia do modelo de trabalho remoto fez as empresas mudarem o processo de recrutamento e passarem a considerar candidatos de outras cidades, estados e países. “A pesquisa reforça que ainda há obstáculos e incertezas, mas aumentou o otimismo quanto à construção de equipes diversas. Isso trará benefícios tanto para os funcionários atuais quanto para os novos talentos que virão”, afirma Ana.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.