Mais da metade dos profissionais estão insatisfeitos com modelo híbrido atual

Mais da metade dos profissionais estão insatisfeitos com modelo híbrido atual

Por Roseli Andrion | Editado por Claudio Yuge | 24 de Agosto de 2021 às 20h20
twenty20photos/Envato

Depois da pandemia, muitas empresas passaram a implementar o trabalho híbrido. Os trabalhadores, no entanto, não estão satisfeitos com as condições desse formato. O estudo Um Guia para o Trabalho Híbrido: Obstáculos e Soluções, da consultoria global Robert Walters, aponta que 55% dos trabalhadores sentem que o arranjo não permite o equilíbrio necessário.

Para identificar as dificuldades do modelo, o levantamento entrevistou 2 mil profissionais. Muitos deles alegam que o fato de a decisão ter sido tomada às pressas tornou o trabalho mais intenso no dia a dia. De acordo com o relatório, isso resultou em um sentimento de exaustão.

Richard Townsend, country manager da Robert Walters Brasil, diz que, conforme a flexibilização das restrições aumentou, os empregadores se viram forçados a tomar a decisão sobre qual estilo de trabalho adotar. “A mudança para o trabalho remoto foi quase instantânea, por necessidade. O retorno deve ser gradual — todos devem testar vários formatos.”

Imagem: Reprodução/Freepik/Racool_studio

Para ele, se a nova maneira de trabalhar for cuidadosamente pensada, pode trazer maior eficiência, maior produtividade, mais criatividade e menores custos. “Além disso, há potencial para melhoria geral no bem-estar, na moral e, consequentemente, na rotatividade de funcionários.”

Pouca informação

Outro dado apurado pelo levantamento da Robert Walters foi que muitos funcionários ainda não sabem os planos do empregador para o pós-pandemia. Enquanto 40% afirmam que ainda não sabem sobre qualquer mudança, 28% informam que o que ouviram permanece vago.

Ao mesmo tempo, 85% dos profissionais esperam mais flexibilidade para trabalhar em casa após a pandemia. Por isso, 78% deles declaram que não aceitariam um novo emprego sem que isso fosse acordado antecipadamente com o empregador. Paralelamente, 42% afirmam que desistiriam se o empregador não oferecesse opções de trabalho remoto a longo prazo.

Em termos de conexões sociais, a pesquisa indica que 75% dos trabalhadores com idades entre 18 e 26 anos afirmam que o local de trabalho é sua principal fonte. Além disso, 54% deles dizem que provavelmente deixarão seu empregador dentro de 12 meses se a cultura de trabalho não retornar.

No Brasil, retorno em seis meses

Imagem: Reprodução/Envato/pondsaksit

Outro estudo, o Índice de Confiança do Trabalhador do LinkedIn, com mais de 400 participantes, aponta que 51% da força de trabalho brasileira já foi comunicada que o retorno ao trabalho deve ocorrer nos próximos seis meses. Entre eles, 4 em cada 10 profissionais receberam indicações de que poderão trabalhar em casa no longo prazo e/ou opções de horários flexíveis.

De modo geral, os profissionais brasileiros têm sido cada vez mais motivados a retornar ao trabalho presencial. Segundo a pesquisa do LinkedIn, aqueles com menos de 25 anos estão entusiasmados: para eles, a possibilidade de avançar na carreira e os benefícios oferecidos nesse ambiente são encorajadores.

Por outro lado, menos da metade dos profissionais entre 25 e 39 anos sente o mesmo. Para eles, a oportunidade de colaborar pessoalmente e a socialização com colegas e clientes são os maiores motivadores.

Já aqueles com 55 anos ou mais não veem vantagem em ter um espaço só para as tarefas do dia a dia nem acreditam que serão capazes de tirar mais proveito do ambiente presencial. Para eles, a sensação de conforto associada ao período pré-pandemia e o sentimento de "agora está do jeito que costumava ser" estão entre os principais motivadores.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.