BGS 2019 | Livro definitivo sobre Master System também será ode à Tectoy

Por Wagner Wakka | 17 de Outubro de 2019 às 22h10
Wagner Wakka/Canaltech

O Master System foi um dos consoles mais populares dos anos 1990 no Brasil, junto aos chamados de famiclones, assim apelidados os videogames criados por retroengenharia do Famicom da Nintendo. É por isso que a editora WarpZone quer contar essa história no Livro Definitivo Master System e Game Gear.

"A vantagem do Master System é que ele é apaixonante. Se você fala com colecionador, pessoa que trabalharam na empresa, com jornalista, com pessoas de revistas de games dos anos 1990, eles têm boas histórias para colocar no livro", conta Cleber Marques, editor-chefe da produção. E, de fato, muita gente se apaixonou por esta ideia, tanto que o projeto fechou a campanha de financiamento coletivo com 206% do valor inicial arrecadado.

Para o projeto ser levado adiante, o grupo precisava de R$ 50 mil, mas alcançou pouco mais de R$ 103 mil em maio deste ano. A editora está se acostumando com isso, já que este é o quinto projeto que colocam em prática como livro de luxo. Todos dobraram a meta pedida.

Comemoração

Marques explica que 2020 é um ano de celebrar. O livro vem nos 30 anos da chegada do Master System ao Brasil. Contudo, há outro tema em destaque: os 35 anos da Tectoy.

A empresa foi uma das primeiras e mais conhecidas a fabricar consoles por aqui. "Eles não têm uma publicação para isso [fazer uma celebração]. A gente vai falar bastante da Tectoy, embora o livro seja de Master System. Vamos contar a história da fundação, de brinquedos da companhia", explica o editor.

Cléber Marques, editor da WarpZone (Foto: Wagner Wakka)

Na lista de assuntos, estão entrevistas com criadores de personagens que marcaram os anos 1990. “Você vai encontrar a história da Light Phaser, da Estrelinha Mágica, do Sapo Chulé. Entrevistamos o criador do Sapo Chulé e temos histórias incríveis para colocar no livro", empolga-se Marques. O Light Phaser é uma das criações de maior destaque em acessórios dos consoles na época: trata-se de uma arminha de plástico que interagia com a tela em jogos.

O editor promete uma produção de recheio. Até o momento, foram sete pessoas entrevistadas para contar a narrativa da companhia e do console lançado por aqui. Uma história focada no que há de mais brasileiro. A primeira delas foi feita já em 2017, mostrando que a WarpZone já tem a confiança na comunidade que criou. Ou seja, o projeto começou muito antes de ter a campanha de financiamento coletivo conquistada.

As fontes vêm de um trabalho de garimpo. Marques e sua trupe são colecionadores de revistas e jogos antigos, e é nessa mina que se enterram em busca de histórias a serem lapidadas.

Empresa também lançou recentemente especial sobre Street Fighter (Foto: Wagner Wakka/Canaltech)

“A gente é cata-piolho de revistas. Lemos os expedientes. Então, está no nosso sangue, vemos nas revistas, créditos dos jogos, manuais. O legal é que, quando você chega em uma pessoa, ela te aponta mais umas duas", lembra Marques.

Uma das coisas mais curiosas, de acordo com o editor, foi apresentada por um leitor das revistas. Um fã contou para Marques que estudava com um rapaz que era funcionário de uma agência que fez publicidade para a Tectoy nos anos 90. Os jornalistas foram até a residência da fonte e, além de conceder uma entrevista para o livro, ele tinha dezenas de provas de impressão de jogos da época, tanto do Master System quanto do Mega Drive. "Ele disse: 'toma, é de vocês. Pode levar embora'", comemora o editor.

Essa é uma das várias histórias que ele promete para o livro, programado para o início do ano que vem. A produção ainda deve contar com uma página especial em que um desenvolvedor do Street Fighter para o Master System conta como desenvolveu uma técnica para o jogo caber no console de 8 bits. “Uma das coisas é que, no Street Fighter do Master System, quando tinham dois personagens brigando, só um era sprite, o outro é fundo de tela. O hardware não conseguia trabalhar com dois sprites. Então, ele criou uma engine para que fosse possível isso. É isso que ele vai explicar”, afirma Marques. O livro terá uma página com o código-fonte do cartucho e as explicações do próprio desenvolvedor.

O Livro Definitivo Master System e Game Gear deve chegar ao mercado em fevereiro de 2020, mas existe a possibilidade de se atrasar o lançamento. “Os prazos estão bem apertados”, confessa o editor. Quem não participou da campanha de financiamento coletivo pode fazer a reserva do livro no site da WarpZone, só que sem acesso aos benefícios concedidos a quem colaborou com a campanha do Catarse.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.