BGS 2019 | ROG Phone II chega ao Brasil em 21 de outubro, promete a Asus

BGS 2019 | ROG Phone II chega ao Brasil em 21 de outubro, promete a Asus

Por Rafael Arbulu | 14 de Outubro de 2019 às 10h55
(Imagem: Divulgação/Tencent)

O chefe global de marketing da ASUS, Marcel Campos, confirmou durante apresentação da empresa na Brasil Game Show 2019 que o ROG Phone II será fabricado e lançado no Brasil em breve. Ao final da feira, no domingo (13), o executivo confirmou por meio de transmissão ao vivo do estande da fabricante que o smartphone gamer chegará no dia 21 de outubro de 2019, a mesma data de lançamento do Zenfone 6, a linha principal da Asus. Preços não foram revelados.

"Três pilares são importantes para nós neste momento: a marca ROG em si e seu momento no mundo; o cenário gamer global e a transição gamer que estamos vivendo, que é a mudança da mesa para o mobile", apontou Campos em entrevista com o Canaltech. "No setor de consoles, a meu ver, quem foi pioneiro nessa transição foi a Nintendo, com o Switch, que quebrou essa barreira de 'aparelhos que são brinquedos'. Quando falamos de smartphones, vemos os aparelhos incorporarem hardware e abraçarem títulos que antes eram impossíveis e, automaticamente, isso começa a transformar o cenário desses dispositivos e, consequentemente, o cenário gamer".

Marcel comentou sobre o mercado segundo a percepção dos usuários de jogos: "Quando falamos do jogador casual, muitos falam que eles não são 'gamers' de verdade, são 'jogadores de Candy Crush', mas a realidade por trás disso é a de que, se pensarmos que cada smartphone pode ser um console, isso é, para o desenvolvedor, a percepção de que criar algo para Android, ou para PlayStation, ou para Xbox, já não são coisas tão distantes assim".

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

O ROG Phone II chegará ao Brasil com quase todos os seus acessórios, incluindo aí os joysticks Kunai (detalhados mais abaixo) e todos os extras de uma experiência de jogos. A única exceção, confirmou Marcel durante a transmissão ao vivo, é a dock station que leva o sistema do smartphone à televisão. Segundo Campos, isso se deu porque a homologação do acessório junto à Anatel faria com que todo o pacote — incluindo o smartphone em si — ficasse ainda mais caro.

Marcel Campos apresenta o RoG Phone II (Foto: Rafael Arbulu/Canaltech)

Falando sobre mercado, Campos crê que a indústria está caminhando para uma convergência para o mobile: "Nos próximos dois anos, acredito, o que devemos ver é uma queda nos consoles de mesa: novos lançamentos ainda vão ocorrer, normalmente, mas se as plataformas não adotarem um aspecto móvel, tal qual fez o Switch, o ritmo natural será o de queda", especula. "O Switch tem um hardware inferior aos outros dois consoles, mas se comporta como um console de mesa e vende mais que ambos. Isso é um indicativo sério de que as pessoas não querem mais ficar apenas na frente da TV, mas sim terem a liberdade de ir e vir".

"A pergunta que todo mundo faz, por não entender o cenário gaming de smartphones, é se um aparelho será adotado simplesmente por ser aquele modelo específico. O ROG Phone II não é sobre isso: ele é sobre o jogador ver um título que somente aquele smartphone pode lhe oferecer. Você se insere na bolha do consumidor que quer aquele título específico". Ele esclarece que não se refere à exclusividade na disponibilidade de jogos específicos, mas sim sobre oferecer uma experiência única.

O ROG Phone II estava restrito a uma incubadora de vidro dentro do estande, ao mesmo tempo visível e intocável salvo pelas pessoas devidamente autorizadas. Entretanto, o próprio Marcel Campos acompanhou o Canaltech em um teste rápido de um de seus acessórios: uma dock station onde o aparelho estava conectado, levava da tela do smartphone para um monitor de 49 polegadas o jogo Call of Duty Mobile. Segundo Marcel, com aquela configuração, teríamos a experiência de um FPS, mas executada por um celular.

Ele não mentiu: o jogo realmente era tão desafiador quanto se tivesse sido feito para o PC. De quebra, ainda haviam melhorias específicas da configuração: na tela do celular, certos inimigos ficavam difíceis de enxergar por estarem escondidos, mas no monitor — que expandia sem quebra de resolução o que se via no ROG Phone II —, os cenários tornaram-se ainda mais visíveis. Ademais, o som do smartphone era forte o suficiente para atravessar, tranquilamente, a barulheira do restante da feira.

Banner com a apresentação do aparelho: preços e lançamento virão até 13 de outubro (Foto: Rafael Arbulu/Canaltech)

"Aqui no estande, tivemos três caras — um joga Free Fire, o outro joga Brawl Stars e o terceiro joga Call of Duty. Os dois caras que jogam FPS se entreolharam impressionados por terem a experiência que estão habituados dentro de um smartphone. Quando eles veem a possibilidade que um aparelho como esse pode lhes oferecer, a pergunta seguinte deles foi 'Onde eu compro?'", comentou Marcel. "Tão logo, começarão a aparecer jogos que foram feitos para esse dispositivo", ele diz, apontando para o ROG Phone II. "Jogos que não sejam apenas uma vantagem competitiva, mas também uma experiência única, que os outros aparelhos não conseguirão dar".

Marcel ainda antecipa que o ROG Phone II pode ser pioneiro na amplificação dos eSports móveis: se hoje temos jogadores profissionais de Free Fire reunidos em uma mesa com vários smartphones acoplados em tomadas, o executivo antevê que o desejo deles será o de uma experiência maior, tal qual a dock station que o Canaltech testou, mencionada acima. "Na verdade, esses caras treinam em um iPad Pro. Por que? Porque a tela tem uma renovação de quadros maior, mais resolução e mais tamanho. A necessidade já está lá, porque o jogador migra do smartphone para o tablet — o app existe nos dois — para ele conseguir jogar com esses benefícios".

(Imagem: Divulgação/Asus)

O Asus ROG Phone II contará com painel OLED Full HD de 6,59 polegadas com um sensor de impressão digital integrado, suporte para HDR10 e uma taxa de atualização de 120Hz, igual ao que vimos em seu concorrente, o Razer Phone 2, lançado no ano passado. A taxa de amostragem por toque é o dobro disso, a 240Hz, e a ASUS afirma que sua latência de toque de 49 ms é a mais baixa de qualquer telefone. Você pode escolher se deseja executar o inventário de ações do Android ou a IU ROG da ASUS como parte do processo de configuração do telefone.

Sob o chassi, como citado acima, há um chipset Snapdragon 855 Plus, recém-lançado pela Qualcomm e focado em jogos, capaz de oferecer desempenho de GPU 15% superior e maior velocidade de clock da CPU em relação ao modelo padrão. A ASUS diz que seu sistema de resfriamento, incluindo uma câmara de vapor e "respiração", evitará que o 855 Plus esquente muito no pico de utilização. O ROG Phone II também tem 12 GB de RAM, até 512 GB de armazenamento, uma câmera de 48 MP e uma bateria de 6.000mAh, que a empresa diz aguentar mais de 7 horas de PUBG Mobile com a tela ajustada para 60Hz.

O recurso mais atraente do ROG Phone original era seu conjunto de acessórios para jogos, e a ASUS está atualizando esse kit no novo dispositivo. Há versões ajustadas do dock TwinView de tela dupla e do cooler AeroActive Cooler, além de um novo gamepad chamado Kunai, inspirado nos joy-cons do Nintendo Switch, composto por dois controles divididos e que podem ser conectados à lateral do telefone.

O ROG Phone II chegará ao Brasil com fabricação local, o que (torcemos) deve servir para baratear um pouco o valor final. Os acessórios, porém, não devem ter fabricação local, então espere por valores mais altos devido à importação.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.