Publicidade

Primeiro helicóptero movido a hidrogênio deve ser lançado em 2023

Por| Editado por Jones Oliveira | 22 de Abril de 2022 às 09h30

Link copiado!

Divulgação/ edm aerotec
Divulgação/ edm aerotec

O CoAX-2D, primeiro helicóptero do mundo movido a hidrogênio, pode ser lançado comercialmente já em 2023. O projeto, desenvolvido por meio de uma parceria entre a Piasecki Aircraft, dos Estados Unidos, e a edm aerotec, da Alemanha, já está em fase avançada de testes, inclusive com voos periódicos para regulamentação.

Inicialmente desenvolvido pelos alemães, duas unidades do CoAX-2D foram adquiridas pela Piasecki para a finalização do acordo entre as empresas, de modo que os estadunidenses pudessem estudar mais o produto e ajudar mais em seu desenvolvimento, transformando-o, de fato, em uma aeronave movida essencialmente a hidrogênio.

Os primeiros CoAX-2D usam uma célula de combustível de membrana de troca de prótons de alta temperatura HyPoint (HTPEM) de 80 kW. Já a Piasecki trabalha para que a aeronave seja modificada e munida de uma bateria, tanque de hidrogênio, inversor de energia, motor elétrico, controlador de computador, quatro ventiladores e um tanque de oxigênio.

Continua após a publicidade

Mesmo sem revelar um cronograma preciso, as empresas trabalham com a ideia de lançar o primeiro helicóptero 100% movido a hidrogênio já no ano que vem, inclusive com um lançamento comercial.

A Piasecki diz que a célula de combustível de hidrogênio pode reduzir os custos operacionais em 50% quando comparados com os helicópteros convencionais, enquanto cria o dobro da potência de um sistema padrão de bateria de íons de lítio se o parâmetro for um carro voador ou eVTOL.

O CoAX-2D

Continua após a publicidade

O protótipo desenvolvido pela edm aerotec tem números interessantes sob o ponto de vista técnico. Com asas rotativas feitas de material composto, ele pesa apenas 283 kgs, com peso máximo de decolagem de 450kgs ou duas pessoas. O motor tem 125cv, o suficiente para levar o CoAX-2D a uma velocidade máxima de 170 km/h (150 km/h em cruzeiro).

Não foram revelados dados como autonomia e teto operacional, mas espera-se que, quando finalizado, o projeto tenha números ainda mais impressionantes.

Fonte: Robb Report