Europa está preocupada que insetos possam derrubar aviões; entenda

Europa está preocupada que insetos possam derrubar aviões; entenda

Por Felipe Ribeiro | Editado por Jones Oliveira | 30 de Junho de 2021 às 17h30

A pandemia do novo coronavírus (SARS-CoV-2) afetou bastante o mercado de empresas aéreas e o turismo, já que, com o alto número de contágios e o isolamento social, viagens eram cada vez mais restritas. Desse modo, inúmeras companhias aterraram suas aeronaves por muito tempo e, como é comum ouvir no mundo da aviação: avião parado é prejuízo. Com a retomada gradual das atividades, as empresas também precisam aumentar os trabalhos de manutenção desses aviões, o que tem trazido surpresas desagradáveis.

A EASA (Agência Europeia de Segurança da Aviação) aumentou a fiscalização em aeroportos europeus depois do aumento no número de relatos de falhas de uma peça chamada tubo de pitot. Esse instrumento, muito utilizado para auxiliar os pilotos na hora de medir a velocidade e aferir a passagem de fluidos hidráulicos e aerodinâmicos, tem sido afetado por conta de muita sujeira e, principalmente, insetos, que se instalaram nas aeronaves paradas por conta da pandemia.

Sem aferir a velocidade com precisão, os pilotos podem cometer erros no voo e causar acidentes fatais, já que todas as medições de uma aeronave devem ser extremamente precisas e calculadas. Além das autoridades europeias, a Airbus também entrou no circuito para auxiliar os proprietários e operadores, principalmente de modelos como o A320neo, um dos modelos mais afetados com esse problema.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Imagem: Airbus

Segundo o pessoal da Aero Magazine, tanto a Airbus quanto a EASA já publicaram novas diretivas de segurança, solicitando às companhias aéreas que verifiquem a situação corrente das aeronaves e façam revisões de procedimentos e de equipamentos nas documentações, antes de recolocá-las em operação.

Casos parecidos nos Estados Unidos

Nos Estados Unidos, o FAA (Administração Federal de Aviação, na tradução livre), já recomendou que inúmeros aviões da linha Boeing 737 mais antigos parassem de voar em definitivo depois de meses parados. Isso aconteceu porque muitos componentes dessas aeronaves estavam estragados em função da entrada de insetos e outros animais dentro dos motores e sistemas.

Fonte: Aero Magazine, World of Aviation

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.