Conheça o B-250, caça-leve brasileiro concorrente da Embraer

Conheça o B-250, caça-leve brasileiro concorrente da Embraer

Por Felipe Ribeiro | Editado por Jones Oliveira | 18 de Novembro de 2021 às 11h50
Divulgação/Novaer

A Novaer, fabricante brasileira de aeronaves, em parceria com a Calidus, um fundo de investimentos com sede em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos, mostrou pela primeira vez uma versão finalizada do novíssimo B-250, um caça-leve desenvolvido em solo nacional e que pode ser o próximo concorrente do já bem-sucedido Super Tucano, que há anos é uma das estrelas da Embraer.

A aparição do avião aconteceu durante a Dubai Air Show, exposição onde foi anunciado há quatro anos e que, agora, ganha vida para tentar atrair mais clientes. Para isso, o B-250 conta com uma estrutura moderna, segura e bem equipada, sendo uma das poucas aeronaves do seu segmento a ser feita 100% com fibra de carbono, o que facilita para a diminuição do peso e execução de manobras.

Em termos de design, o B-250 conta com 12,10m de envergadura, 10,90m de comprimento e sete locais destinados para armamentos, com capacidade máxima de carga de 1.800kgs. Com tais números, o B-250 se coloca como um grande concorrente do Super Tucano, da Embraer, que é um pouco menor do que o modelo da Novaer. Os motores do modelo apresentado em Dubai, aliás, são fornecidos pela conhecida fabricante do setor, a Pratt & Whitney.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

(Imagem: Divulgação/Novaer)

O foco operacional do B-250 será mais voltado à vigilância e comandos estratégicos, como apoio aéreo aproximado, apoio aéreo persistente, treinamento de pilotos e reconhecimento de território. Para isso, ele terá a ajuda de um cockpit bem avançado, munido de um suíte de aviônicos da Rockwell Collins, assentos ejetáveis que podem ser acionados tanto no solo quanto no ar e radares potentes.

Atualmente, apenas o governo dos Emirados Árabes Unidos fez encomendas dessa aeronave, que conta, além do financiamento árabe, com recursos do Governo Federal.

Fonte: Novaer

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.