Uber anuncia ajuda financeira a motoristas afetados pela COVID-19

Por Felipe Junqueira | 17 de Março de 2020 às 13h25
PPLWare
Tudo sobre

Uber

Saiba tudo sobre Uber

Ver mais

A Uber anunciou uma série de medidas para tentar conter os impactos negativos nesse momento de pandemia de COVID-19. Entre elas, a empresa promete ajudar motoristas e entregadores que precisarem parar de trabalhar por conta da doença, seja por um diagnóstico positivo para o novo coronavírus, seja por uma quarentena preventiva.

Em um momento em que autoridades recomendam às pessoas que evitem sair de casa, existem aquelas que ainda precisam deixar os seus lares, seja para trabalhar nos hospitais, nas redes de abastecimento ou mesmo para consultas emergenciais. Apps de carona não podem parar totalmente. E isso representa um perigo para esses trabalhadores.

Para não prejudicar esses parceiros, a Uber anunciou ajuda financeira de 14 dias para qualquer motorista ou entregador que for diagnosticado com a COVID-19 ou que tenha quarentena solicitada por uma autoridade de saúde. Os valores, divulgados apenas em dólar, variam de acordo com a média de ganhos nos últimos seis meses, e podem chegar a US$ 1.700 (cerca de R$ 8.576) pelas duas semanas de paralisação caso o parceiro tenha feito uma média de US$ 121,42 (cerca de R$ 611) por dia.

O mínimo é de US$ 400 (cerca de R$ 2.032) para motoristas cuja média diária dos últimos seis meses for de US$ 28,57 (aproximadamente R$ 145). A empresa ainda exige que o parceiro tenha feito, no mínimo, uma corrida nos últimos 30 dias para pedir o benefício. Quem começou a trabalhar há menos de seis meses terá calculada a média considerando o tempo de parceria.

O Canaltech entrou em contato com a Uber e soubemos que os números divulgados na tabela são uma base, e será utilizada a mesma lógica no Brasil.

Tabela de ajuda financeira da Uber, em dólares (Imagem via Uber)

A medida altera a política da própria Uber, que considera os parceiros como trabalhadores independentes. Garantir uma renda durante um período de paralisação por conta da doença considerada pandemia pela OMS, com mais de 100.000 casos registrados ao redor do mundo, é essencial para dar tranquilidade aos motoristas, essenciais num momento como esse.

A própria Uber também se comprometeu a manter uma “equipe disponível 24 horas por dia para auxiliar as autoridades de saúde pública no plano de resposta contra a epidemia”, segundo o comunicado.

“Durante o nosso trabalho com as autoridades, é possível que ocorra a suspensão temporária de contas de usuários ou motoristas parceiros, após a confirmação de que contraíram ou foram expostos ao COVID‑19. Também contamos com a consultoria de um epidemiologista para garantir que as medidas tomadas por nossa empresa sejam embasadas em orientações médicas”, garante a empresa.

Outras medidas

Além de oferecer ajuda financeira aos parceiros que fiquem impossibilitados de trabalhar por conta da COVID-19 e de garantir apoio às autoridades de saúde pública, a empresa também anunciou algumas medidas para tentar conter o contágio. Entre elas, manter os carros limpos - algo que é responsabilidade dos motoristas, mas os passageiros devem ajudar - e evitar o contato físico entre entregadores do Uber Eats e os destinatários do pacote.

“Sabemos que, neste momento atual, você possa estar recorrendo mais a entregas de comida. Se quiser, você pode deixar uma instrução no app do Uber Eats para pedir ao seu entregador que deixe o pedido na porta”, explicou a companhia.

Além disso, a Uber também mencionou denúncias de discriminação por conta da atual situação, o que não seria permitido pelo código de conduta do app. “Todo motorista e entregador parceiro deve seguir o Código de Conduta da Uber, que proíbe explicitamente qualquer tipo de discriminação”, garante a companhia.

Por fim, a empresa repete as instruções de prevenção feitas pela OMS e autoridades de saúde pública locais, como lavar as mãos e evitar encostar no rosto. Além disso, a recomendação, principalmente nas cidades mais afetadas, é evitar ao máximo sair de casa. Quem ainda precisa se deslocar para trabalhar, deve direto para o local e retornar para casa ao fim do expediente. Quem puder trabalhar de casa, deve optar pelo home office.

Não há motivos para sair de casa apenas por lazer. Além disso, a recomendação é procurar hospitais e prontos socorros apenas em casos de urgência. Você também pode ver as orientações do Ministério da Saúde.

Fonte: Uber

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.