TikTok lidera receita e downloads nas lojas oficiais de apps em outubro

Por Felipe Junqueira | 09 de Novembro de 2020 às 18h00
Solen Feyissa/Unsplash
Tudo sobre

TikTok

Saiba tudo sobre TikTok

Ver mais

O TikTok foi, mais uma vez, o aplicativo mobile mais baixado e mais rentável do mundo em outubro de 2020, segundo a empresa de análise SensorTower. A rede social de vídeos curtos ficou à frente de WhatsApp e Facebook em downloads e de YouTube e Tinder em receita.

Segundo relatório da empresa de análise, o TikTok acumulou no mês passado US$ 115 milhões, que totaliza 6,2 vezes a receita de outubro de 2019. A Sensor Tower destacou que aproximadamente 86% das receitas vieram da versão chinesa da rede social, o Douyin, enquanto 8% foram de usuários nos EUA.

Apps mais rentáveis do mundo em outubro de 2020 (Imagem: Reprodução/Sensor Tower)

O YouTube ficou com a segunda colocação, com um total de US$ 94 milhões, aumento de 58% em comparação com outubro do ano passado. O Tinder ficou com a terceira colocação, seguido por Tencent Video e Disney+, fechando o top 5. Isso, claro, de aplicativos excluindo os jogos.

TikTok também lidera em downloads

A rede social de vídeos também ficou com a liderança entre os aplicativos — sem considerar jogos — mais baixados durante o mês de outubro de 2020. E com um destaque para o Brasil, que representou 10% do total de instalações.

Aplicativos mais baixados do mundo em outubro de 2020 (Imagem: Reprodução/Sensor Tower)

Globalmente, foram 66 milhões de downloads do TikTok no mês passado, um aumento de 9,5% em comparação com outubro de 2019. Apenas a China teve mais instalações que o Brasil, representando 12% do total. Lembrando que lá é utilizada a versão chamada Douyin, mas a Sensor Tower soma os dados do app chinês com o global.

Logo atrás do TikTok ficou o WhatsApp, que dominou o ranking por muitos meses. O Facebook é o terceiro colocado, seguido por Instagram e Zoom, que fecham o top 5.

É bom lembrar que o TikTok conseguiu a liderança nos dois rankings apesar dos problemas de bloqueio que enfrenta na Índia, o segundo maior mercado do mundo, e no Paquistão, além da briga judicial nos Estados Unidos, que também tentou embargar o app por lá para forçar a venda a uma companhia americana. No final das contas, a Justiça impediu que a administração Trump barrasse a rede social no país.

Fonte: Sensor Tower (12)

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.