Estados Unidos retiram últimas restrições contra operações do TikTok e do WeChat

Estados Unidos retiram últimas restrições contra operações do TikTok e do WeChat

Por Felipe Gugelmin | Editado por Claudio Yuge | 21 de Junho de 2021 às 17h20
Pixabay/Konkarampelas

Com a chegada do democrata Joe Biden ao poder nos Estados Unidos, diversas decisões do mandatário anterior, Donal Trump, têm sido revogadas. No início de junho, Biden voltou atrás em uma ordem executiva que proibia o funcionamento do TikTok e do WeChat no país e, nesta segunda-feira (21) determinou que o Departamento de Comércio retirasse as restrições restantes contra suas operações.

Adotadas por Trump em setembro de 2020, as restrições tinham como objetivo impedir novos downloads dos aplicativos que têm origem em empresas chinesas. A decisão de Biden também revoga restrições impostas a outras oito companhias do país que operam com aplicativos ligados às áreas das finanças e das comunicações.

Apps continuarão sob investigação

Mesmo com a queda das restrições, a administração Biden ainda mantém em voga a determinação que deu 120 dias ao Departamento de Comércio para investigar as atividades de apps como o TikTok. A intenção é estudar o comportamento dos softwares e criar recomendações que protejam dados de usuários estadunidenses e restrinjam o acesso que governos estrangeiros têm a eles.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Também continua em voga uma investigação aberta no final de 2019 pelo Departamento de Segurança Nacional dos Estados Unidos em relação às atividades da rede social. Apesar das restrições de Trump, o app continuou operando no país graças a uma série de ordens judiciais e, em certo momento, teve sua compra ligada a nomes como Oracle e Walmart, em uma possível transação que asseguraria a continuidade de suas atividades de forma permanente.

A administração anterior do país afirmava que os apps representavam um risco à segurança nacional, pois coletavam e distribuíam informações sigilosas de cidadãos do país para governos estrangeiros. Apesar de continuarem sob a vigilância do governo, com a decisão de Biden eles devem operar com mais liberdade e estabilidade, sem o risco iminente de ter que encerrar suas atividades de um dia para o outro.

Fonte: Reuters

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.