App é excluído da Play Store por usar link próprio para angariar doações

App é excluído da Play Store por usar link próprio para angariar doações

Por Alveni Lisboa | Editado por Douglas Ciriaco | 16 de Agosto de 2021 às 16h13
Ivo/Canaltech

Nos últimos meses, o Google tem sido alvo de dezenas de processos em diferentes países por supostos monopólio e práticas abusivas contra desenvolvedores na sua loja oficial de aplicativos. A companhia é acusada por obrigar todos os apps baixados pela Play Store a usarem o sistema de pagamento da companhia, que cobra taxas consideradas elevadas pelo mercado.

Um aplicativo gratuito e de código aberto chamado Language Transfer, que oferecia podcasts sobre aprendizado de línguas, foi banido da plataforma do Google. O problema teria sido causado por links disponibilizados no programa para uma conta no Patreon, serviço por meio do qual usuários podem enviar gorjetas para contribuir com projeto, o que teoricamente seria uma “forma de pagamento externa”. Tal prática viola as regras do Google.

O aplicativo foi acusado de violar o sistema de pagamento, mesmo sem cobrar nada do usuário (Imagem: Reprodução/Language Transfer)

Antes, eles já haviam tido problema com o redirecionamento para o serviço financeiro, o que fez com que os desenvolvedores retirassem os links diretos e adotassem o apontamento para uma página genérica do site do programa. Mesmo assim, o Google rejeitou a mudança e tirou o aplicativo da loja.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Segundo as capturas de tela enviadas pelos desenvolvedores, o problema é que o site Language Transfer incluía as opções para apoio ao projeto via Patreon e PayPal na parte inferior da página. Ao clicar nas URLs, a pessoa é direcionada para o sistema de pagamento das plataformas, não para os serviços do Google, razão pela qual a gigante das buscas vetou o programa.

Mesmo o link genérico para a página foi considerado indevido pelo Google (Imagem: Reprodução/Language Transfer)

O terceiro ajuste foi feito e dessa vez o direcionamento foi para a página “Sobre”, que não continha link direto para as opções de doação, e para o perfil oficial no Facebook. Somente assim que o aplicativo foi aprovado e disponibilizado novamente na Play Store.

Essa saga revela como a criadora do Android submete os desenvolvedores às restrições, mesmo quando o programa não cobra absolutamente nada do usuário. É uma situação bastante delicada que poderia ser repensada pela companhia, mas não há previsão de mudança de postura. O jeito é aguardar as decisões jurídicas para ver se isso será capaz de mudar a mentalidade do Google sobre os links para serviços de pagamento externos.

Fonte: Language Transfer  

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.