Google busca levar o Android aos automóveis firmando parceria com montadoras

Por Rafael Arbulu | 19 de Setembro de 2018 às 14h27
Notícias ao Minuto
Tudo sobre

Google

Saiba tudo sobre Google

Ver mais

A Google quer dominar o seu carro até 2021: segundo informações publicadas pelo Wall Street Journal, a gigante da internet firmou parceria com a Renault-Nissan-Mitsubishi Alliance, o consórcio de montadoras que mais vende carros no mundo, para levar, até o referido ano, sistemas de navegação, comandos de voz e aplicações automotivas embarcadas via Android para dezenas de milhões de veículos.

“No futuro, o Google Assistant, que emprega a tecnologia de inteligência artificial da Google, pode se tornar a principal forma pela qual clientes interagem com os seus veículos, sem usar as mãos”, disse Kal Mos, vice-presidente global de serviços conectados da Renault-Nissan-Mitsubishi. A aliança, que vende mais carros do que qualquer outro coletivo automotivo no mundo, vendeu 10,6 milhões de automóveis em 2017 e, para 2018, já tem expectativa de números similares (até junho, foram 5,54 milhões de veículos vendidos).

Google Maps já é um dos principais navegadores GPS presentes na vida dos motoristas: Google quer expandir isso para embarcar o Android em carros novos já de fábrica

As iniciativas automotivas da Google enfrentam resistência de outras empresas do setor, porém: nomes grandes como Mercedes-Benz e BMW costumam rechaçar aproximações da subsidiária da Alphabet por medo de ela usar dados de clientes para obter lucros em cima de violações de privacidade (ambas as montadoras são alemãs, onde a legislação de proteção de dados é ferrenhamente firme em favor do usuário e contra as empresas).

A aposta reside, portanto, no hábito do motorista comum de simplesmente prender o smartphone no painel do seu carro e usar aplicativos como o Google Maps para navegar pelas ruas — nisso, a Google é líder. De forma prática, a empresa quer levar não apenas sistemas de navegação baseados em Android, mas também disponibilizar aplicativos via Play Store.

Fonte: The Wall Street Journal (paywall); The Verge

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.