Android de A a Z: os principais termos ligados ao sistema móvel do Google

Por Joyce Macedo
photo_camera Divulgação

O sistema operacional móvel do Google já é extremamente popular, mas apesar de parecer algo simples, ele é um sistema poderoso e um pouco complicado para quem não é muito íntimo da tecnologia.

Assim como acontece em diversos outros sistemas, o Android possui uma terminologia própria, recheada de siglas e palavras estranhas. Uma boa dica para tirar melhor proveito do Android é tentar se familiarizar com alguns desses termos técnicos e jargões relacionados ao sistema.

Para te ajudar compreender melhor a tecnologia que alimenta o seu smartphone ou tablet, vamos esclarecer o significado de algumas palavras usadas com frequência no mundo do robozinho verde:

ADB: para o termo em inglês “Android Debug Bridge”, uma ferramenta de desenvolvimento que permite enviar comandos para um dispositivo Android conectado ao seu computador. Esta é uma ferramenta bastante avançada que pode ser executada através da linha de comando no seu PC ou Mac.

Android Studio: é um Ambiente de Desenvolvimento Integrado (IDE) usado para criar aplicativos para a plataforma Android. Ele inclui um editor de código, vários modelos de códigos que podem ser usados como base para novos apps, simuladores para testar os softwares e inúmeras outras ferramentas de desenvolvimento.

AOSP: sigla para uma iniciativa chamada "Android Open Source Project", que visa disponibilizar versões do Android totalmente baseadas em código-fonte aberto. Em outras palavras: é o "Android puro" que os fabricantes pegam para criar seus próprios smartphones.

API: sigla para o termo em inglês "Application Programming Interface", que em português equivale a "Interface de Programação de Aplicativos". Trata-se de um conjunto de rotinas e padrões de programação para acesso a um aplicativo de software ou plataforma baseado na Web. Uma API é criada quando uma empresa de software tem a intenção de que outros criadores de software desenvolvam produtos associados ao seu serviço.

APK: a sigla vem do termo em inglês "Android Package", que nada mais é do que um formato de arquivo dos aplicativos Android. Ele é usado para instalar programas no Android de forma paralela a Google Play, ou seja, qualquer usuário pode baixar um arquivo APK e instalá-lo em seu smartphone.

ARM: refere-se a um padrão de arquitetura de processadores geralmente encontrados em dispositivos móveis, como smartphones e tablets. Os processadores ARM são conhecidos pela sua versatilidade, pois possuem poucas instruções para programação.

Baseband: é o processador de comunicação que controla a frequência dos sinais de rádio emitidos pelo dispositivo, como se fosse uma espécie de antena. Graças ao baseband, seu smartphone consegue se comunicar com as torres de telefonia, por exemplo, e receber ligações.

Beam: recurso que permite aos usuários compartilhar facilmente arquivos entre dois dispositivos simplesmente encostando um no outro. O Android Beam não está disponível em todos os modelos de dispositivos, pois depende das especificações de hardware.

Bloatware: são programas pré-instalados nos dispositivos pelos seus fabricantes. Eles adicionam uma série de funções ao código-base do Android e também são conhecidos como "aplicativos-lixo", pois muitas vezes não acrescentam nada à experiência do usuário.

Boot: processo de inicialização de um sistema operacional.

Bootloader: é um gerenciador de inicialização que funciona antes mesmo do sistema operacional do seu smartphone ser inicializado. É muito parecido com a BIOS dos PCs. O bootloader atua em segundo plano, mas você pode acessar sua interface usando a ferramenta Android Developer Bridge (ADB).

Bugdroid: nome do robô verde, mascote do Android.

Custom ROM: são variações não oficiais do Android que oferecem versões personalizadas do sistema operacional. Exemplos famosos de Custom ROM são o CyanogenMod e a MIUI ROM.

CyanogenMod

: é um projeto de distribuição alternativa de firmware para dispositivos Android. O CyanogenMod oferece funcionalidades e opções que não estão disponíveis no firmware oficial distribuído pelos vendedores destes dispositivos.

CyanogenMod

Dalvik: máquina virtual utilizada para executar os aplicativos Android. Ela foi projetada para requerer pouca memória e permitir que múltiplas instâncias rodem ao mesmo tempo, deixando menos trabalho para o sistema operacional. Isto resulta em um carregamento muito mais rápido dos app no seu dispositivo.

Doze: recurso do Android 6.0 Marshmallow que significa algo como soneca ou repouso em português. Ele monitora as atividades do seu dispositivo para colocar aplicativos para "dormir", economizando bateria.

Downgrade: termo utilizado para designar o método oposto ao upgrade. Em outras palavras, é o procedimento de retornar o sistema operacional de uma versão recente para uma mais antiga.

Fragmentação: termo utilizado para designar o fato de que várias fabricantes lançam seus smartphones com Android e não os atualizam mais, ou atualizam com grande atraso. Isto resulta em uma segmentação muito grande entre as versões do Android utilizadas pelos consumidores.

Firmware: é o conjunto de instruções operacionais programadas diretamente no hardware do seu smartphone ou tablet. Funciona por meio de códigos gravados nos chips dos circuitos integrados que compõem os equipamentos.

Google Play: loja online oficial de aplicativos, jogos, filmes, música e livros para dispositivos com o sistema Android.

Hack (ou Hacking): significa utilizar métodos não oficiais para contornar as restrições de acesso estabelecidas pela fabricante do aparelho ou da operadora a determinados arquivos e recursos, permitindo a personalização e alteração de funções e características do sistema operacional.

HDR: sigla em inglês para "High Dynamic Range", que pode ser traduzido como Alto Alcance Dinâmico e representa a quantidade de luz de diferentes intensidades que consegue ser gravada pelas lentes da câmera. No seu smartphone, ativar esta função permite aumentar o alcance dinâmico, fazendo com que as partes escuras de uma foto fiquem niveladas com as partes claras.

IPS: do inglês "In-Plane Switching", o IPS é uma tecnologia usada em displays de LCD para aumentar a qualidade da imagem e projeção.

Kernel: é o núcleo do sistema operacional e tem como função conectar o software ao hardware, estabelecendo uma comunicação eficaz entre os recursos do Android.

Launcher: segmento da interface do Android que garante a operação de elementos como a tela inicial e das pastas de aplicativos instalados. Os dispositivos vêm com seu próprio launcher, mas existem diversas outras opções personalizadas disponíveis nas lojas de apps.

Material Design: linguagem de design apresentada pelo Google em 2014 com o lançamento do Android Lollipop.

Material Design

mAH: se refere à "miliampere-hora", uma unidade de carga elétrica que se refere a capacidade de carga que uma bateria armazena.

Miracast: uma tecnologia padrão da indústria que permite transmitir o que está na tela do seu smartphone ou tablet para a TV ou outro monitor.

Nexus: nome da marca do Google para uma linha de smartphones e tablets que rodam o chamado "Android puro", sem nenhuma alteração de fabricantes ou operadoras.

NFC: sigla para "Near Field Communication", nome dado a uma tecnologia de comunicação de curtíssimo alcance (cerca de 10 cm) de forma simples e segura. Smartphones com NFC podem ser utilizados para interagir com máquinas equipadas com a mesma tecnologia, incluindo terminais de pagamento, o que permite usar o telefone como cartão de crédito. http://canalte.ch/S14P1

OLED e AMOLED: OLED significa diodo orgânico que emite luz e atualmente é a tecnologia mais avançada para a fabricação de qualquer tipo de tela. AMOLED é uma tecnologia baseada na OLED e a diferença entre elas consiste na presença de uma película fina de transistores (TFT) que controla o momento em que um pixel deve ser ligado ou desligado. Telas AMOLED oferecem maior economia de energia e fidelidade de cores em diferentes ângulos.

OpenGL ES: OpenGL é um conjunto de APIs de programação e tecnologias que os desenvolvedores podem usar como base para aplicativos que empregam renderização 3D. OpenGL ES é uma versão mais simples do OpenGL construído para dispositivos como smartphones e tablets. Os jogos 3D que você joga em seu smartphone Android provavelmente são construídos em OpenGL ES.

Over The Air (OTA): método de distribuição de novas atualizações de software, definições de configurações e chaves regulares de criptografia para dispositivos como smartphones e tablets.

Qi e PMA: são dois padrões concorrentes para carregamento sem fio.

ROM: sigla para “Read Only Memory”, que consiste em uma cópia virtual da plataforma compilada em um único arquivo.

Root: é o nome dado a uma conta de usuário especial – também geralmente chamado de Super Usuário ou Administrador – equivalente ao “Administrador” do Windows.

Rootear: quando o usuário usa técnicas para desbloquear as restrições de acesso ao Root.

SDK: é o "Kit de Desenvolvimento de Software" liberado para que os desenvolvedores possam criar novos aplicativos para o sistema operacional. O Android SDK inclui documentação, código e utilitários para que programadores consigam desenvolver seus aplicativos de acordo com um padrão de desenvolvimento.

TouchWiz: é uma interface de toque customizada desenvolvida pela Samsung.

USB Type-C: novo padrão USB reversível que oferece maior resistência e maior velocidade no carregamento de gadgets.

Widgets: são mini-programas executados na tela inicial de um dispositivo. A diferença básica entre um ícone e um widget é que o ícone serve apenas como um atalho para algum programa, enquanto que o widget fornece na sua própria interface informações geradas pelo programa em que ele está associado.

Widget

Imagem: Divulgação / EZ Weather

Siga o Canaltech no Twitter!

Não perca nenhuma novidade do mundo da tecnologia.