Morre Maria Alice Vergueiro, que imortalizou o viral “tapa na pantera”

Morre Maria Alice Vergueiro, que imortalizou o viral “tapa na pantera”

Por Nathan Vieira | 03 de Junho de 2020 às 18h20
Reprodução/YouTube

Se você é do tempo em que "na internet era tudo mato", provavelmente se lembra de um vídeo que bombou verdadeiramente: o Tapa na Pantera (2006). Numa época que antecede "Eita Giovana", "Já acabou, Jéssica" e "Sanduíche-íche", o curta-metragem protagonizado pela atriz Maria Alice Vergueiro conquistou a internet. Nesta quarta-feira (3), Maria Alice morreu de pneumonia. Ela estava internada na  Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Hospital da Clínicas, em São Paulo, com quadro grave, e seu corpo será cremado na próxima quinta-feira (4), em Itapecerica da Serra, de acordo com a sua filha, Maria Silvia.

O curta-metragem Tapa na Pantera, dirigido por Esmir Filho, Mariana Bastos e Rafael Gomes, foi apresentado no 14° Festival de Gramado, na categoria independente, e ficou muito conhecido por causa da maneira humorística com o qual apresentou a relação entre uma mulher, interpretada por Maria Alice, e a maconha. Com frases marcantes do tipo "Fuma aqui, toma um chá" e "Eu fumo no cachimbo porque o que faz mal é o papelzinho", o curta já foi assistido por milhões de pessoas. 

Mas a longa carreira de Maria Alice acontece nos palcos. Apelidada de “musa do underground", já chegou a protagonizar um espetáculo em que encenou o próprio velório, o Why the Horse? (2015). Maria Alice também encarou uma luta incansável contra o Parkinson. Maria Alice estreou no teatro em 1962, numa época em que a ditadura militar tomava conta do país. O Rei da Vela (1967), Galileu Galilei (1975) e A Ópera do Malandro (1978) foram espetáculos que contaram com sua interpretação.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Maria Alice também interpretou vários papéis em novelas de televisão, como Lucrécia em Sassaricando, em 1987, e filmes como Cronicamente Inviável, em 2000. Protagonizou em 2016 o curta-metragem Rosinha, dirigido por Gui Campos, que recebeu mais de 40 prêmios nacionais e internacionais, inclusive o Prêmio Especial do Júri no 44º Festival de Gramado.

Fonte: Estadão

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.