Whatslly recebe aporte de US$ 11 milhões e mira em expansão na América Latina

Whatslly recebe aporte de US$ 11 milhões e mira em expansão na América Latina

Por Márcio Padrão | Editado por Claudio Yuge | 25 de Novembro de 2021 às 18h30
Diego Cervo/Unsplash

A Whatslly, startup israelense que conecta contas comuns e empresariais de WhatsApp à plataforma de relacionamento com o cliente Salesforce, recebeu na terça-feira (23) um aporte seed de US$ 11 milhões (R$ 50 milhões), que deve ser usado para expandir o negócio na América Latina. A rodada de investimentos contou com a liderança do fundo Zeev Ventures, com a participação de Sérgio Fogel, cofundador do unicórnio uruguaio dLocal.

Segundo a empresa afirma em um comunicado, as mensagens instantâneas ganharam ainda mais popularidade por conta do distanciamento social de 2020 e 2021, o que a favoreceu. Além disso, sua criação também se deu em um ambiente digital a distância: os cofundadores Deborah Palacios e Yanir Calisar moram no Brasil e em Israel, respectivamente. Eles moldaram o negócio por mensagem de texto, sem terem se conhecido presencialmente.

A solução da Whatslly permite que as empresas clientes visualizem dados dos consumidores em tempo real durante o atendimento via WhatsApp, o que permite a personalização das conversas. O mercado é vasto aqui: dados da startup informam que 80% dos brasileiros usam o WhatsApp para se comunicar com as empresas, e 57% já compram produtos e serviços direamente no mensageiro.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Deborah Wanzo e Yanir Calisar, da Whatslly (Imagem: Divulgação Whatslly/Cristiano Pinheiro Soares)

Atualmente a startup tem mais de 70 clientes, como XP Investimentos, Telefônica (Vivo), Hotmart, Edenred (dona da Ticket), Volkswagen e Empiricus, além de milhares de pessoas usando o serviço em 35 países.

"Nossa solução permite beneficiar três públicos: o usuário com ganhos de produtividade, relacionamento e efetividade; o cliente na personalização das tratativas e da melhoria da experiência; e o gestor, possibilitando visualizar com mais transparência e com recursos de inteligência artificial as etapas do seu ciclo de vendas", comenta Deborah Wanzo, a brasileira cofundadora da Whatslly.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.