Startup recebe R$ 16 milhões para buscar os melhores profissionais de tecnologia

Startup recebe R$ 16 milhões para buscar os melhores profissionais de tecnologia

Por Márcio Padrão | Editado por Claudio Yuge | 30 de Agosto de 2021 às 22h30
Compare Fibre/Unsplash

Após oito meses de operação, a Driven recebeu nesta segunda-feira (30) R$ 16 milhões em rodada Seed, liderada pela gestora de capital de risco Iporanga Ventures. A startup é uma escola profissionalizante com cursos intensivos de programação web, e seu objetivo é formar futuros líderes no setor de tecnologia.

A empresa, sediada no Rio de Janeiro, adotou um modelo de negócios chamado ISA (acordo de divisão de renda, da sigla em inglês). Funciona asssim: em vez do aluno pagar o curso normalmente todo mês, ele só reembolsa a Driven quando conseguir um emprego, mas oferecendo 17% do seu salário até chegar ao valor total da formação. O curso dura nove meses, com mensalidade de R$ 2 mil. Ao adotar esse modelo de negócios, a Driven diz apostar na qualidade de sua seleção de alunos para escolher os com maior potencial de ser aceito pelo mercado.

O aporte de R$ 16 milhões contou também com a participação dos fundos ONEVC, FundersClub e 3G Radar, além de investidores-anjo como Patrick Sigrist (iFood), Sergio Furio (Creditas) e Brian Requarth (VivaReal). Outros sócios e investidores da Driven são Arpex Capital (Stone), Daniel Castanho (Ânima Educação) e Pedro Thompson (Exame).

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Imagem: Lana_M/Envato

Os fundadores da startup, Paulo Monteiro, Michel Nigri e Pedro Barros, são os mesmos de outra edtech, a Responde Aí. Esta é uma plataforma de estudos focada em universitários de Engenharia e outros cursos de Exatas. Com a experiência anterior, o trio sentiu uma certa carência de encontrar bons profissionais de TI (tecnologia da informação), o que motivou o lançamento da Driven. A ideia é atuar na formação adequada deste setor.

"A falta de mão de obra especializada é um dos principais gargalos hoje para o desenvolvimento do ecossistema de inovação no Brasil. Iniciativas como a Driven trabalham para, além de suprir esse gargalo, fomentar a educação de jovens, abrindo portas para um nova geração de profissionais, potenciais líderes de empresas do presente e do futuro", diz Leonardo Teixeira, sócio da Iporanga Ventures.

Segundo a Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom), os cursos superiores de tecnologia no país formam cerca de 46 mil alunos por ano, mas para suprir o déficit de contratações, seria preciso 70 mil profissionais por ano, ou 420 mil até 2024.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.