Como investir em uma startup com pouco dinheiro?

Como investir em uma startup com pouco dinheiro?

Por Márcio Padrão | Editado por Claudio Yuge | 07 de Setembro de 2021 às 19h00
Elements/gstockstudio

Você deve saber que o brasileiro Nubank é hoje um dos maiores bancos digitais do mundo, vale mais de US$ 1 bilhão e conta com grana de superfundos como o Berkshire Hathaway, do bilionário Warren Buffett. Imagina se você tivesse apostado seu dinheiro nela no começo de carreira, por menos que fosse. Pois isso é possível.

De acordo com Pedro Carneiro, diretor da aceleradora ACE Startups, é possível investir em uma startup iniciante com um valor médio de R$ 5 mil, considerado baixo se comparado a outros do gênero. "Em alguns casos pode ser até R$ 1 mil", argumenta. Existem diversos tipos de investimento, mas para valores como esses, geralmente é o Anjo (do próprio bolso, ao lado de outros investidores) ou Seed (parecido com o Anjo, mas feito por grupos de investidores de pessoas jurídicas).

Caso queira receber retorno financeiro ou virar acionista da "próxima Nubank", veja abaixo algumas dicas para fazer isso reduzindo o máximo possível os riscos e ampliando as chances de sucesso.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Estude bem sobre o investimento

Para Carneiro, algumas coisas são fundamentais para o futuro investidor, independente da startup que ele escolher. Por exemplo, se o investimento será de curto ou longo prazo ou se os riscos são altos. Por isso é preciso conhecer o mercado almejado pela startup e estudar bastante para entender o que esperar de retorno na sua aposta.

Escolha um bom intermediário

Caso você não tenha experiência, uma opção é buscar plataformas de financiamento coletivo a startups, como Kria, Eqseed e Beegin, que fazem seleções criteriosas de empresas com potencial e orientam bem sobre os prós e contras de cada investimento, quanto é o melhor valor para investir, em empresas de quais áreas etc. Neste caso, deve-se estudar bem qual empresa intermediária você vai querer usar para assessorá-lo. Procure plataformas certificadas pelo Ambima (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais), instituição que define boas práticas para as empresas desses setores.

Imagem: Jason Leung/Unsplash

Diversifique o investimento

Mesmo com pouco dinheiro, não invista em só uma startup se possível. A orientação unânime é que apostar em várias empresas ao mesmo tempo garante mais segurança no retorno. Carneiro lembra que as startups como um todo são investimentos de grande risco, com taxa média de erro de 80%. "Aqui na ACE já investimos em 120 empresas e mais da metade já morreram", exemplifica. Mas mesmo assim, diz ele, o risco compensa quando investe-se nas poucas empresas que dào certo. "Aí o retorno é muito alto, de dezenas de vezes o valor investido", aponta.

Reserve pouco de seu patrimônio

Como o risco de não recuperar o investimento é alto, é fundamental não tirar um "naco" muito grande das suas contas bancárias para entrar nessa. Uma sugestão é não gastar além de 1% de todo o seu capital, mas cada caso é um caso. O lance é começar pequeno e ir sentindo as flutuações que ocorrem nesse meio. Se houver retorno, aí poderá ampliar para investimentos mais ousados.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.