Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Língua morta de antigos povos é cogitada para uso em programas de IA

Por| Editado por Claudio Yuge | 28 de Setembro de 2022 às 22h20

Link copiado!

Freepik
Freepik

Há algum tempo a inteligência artificial (IA) deixou de ser coisa de ficção científica e, embora ainda precise de bastante ajustes, já é uma realidade em uma série de setores da economia. Com muita pesquisa, debates e críticas sobre questões éticas e tecnológicas, muito se questiona qual é a melhor linguagem de programação para levar a IA para um nível adiante.

O cientista associado da NASA e programador Rick Briggs, porém, tem uma proposta não muito ortodoxa para essa questão. Nada de Java, Python, Swift ou JavaScript, a ideia seria usar o sânscrito, uma antiga linguagem falada por povos hindu, para criar os códigos de computador de programas de IA.

Língua morta para inteligência artificial não é novidade

Continua após a publicidade

O sânscrito tem sido considerado seriamente em círculos acadêmicos, mesmo sem ter um histórico de uso, para programação de sistemas com IA. Essa escolha se dá por conta de seu uso ancestral, já que a ciência e a matemática indianas primitivas eram conduzidas usando o idioma, com sua sintaxe baseada em regras parecida com a de linguagens de programação modernas.

Sua gramática pode facilitar o desenvolvimento de algoritmos, e essa possibilidade anima tanto profissionais de tecnologia, quanto historiadores. Isso ocorre porque o uso do sânscrito para códigos de computador é uma possibilidade de manter uma língua, falada por dez séculos, em uma civilização importante, ainda viva.

Mais de 37 anos de pesquisas

A ligação da Nasa com o sânscrito, especificamente, não é nova, e vem desde pelo menos 1985. Este foi o ano que Rick Briggs, um cientista associado da agência, publicou um trabalho defendendo que linguagens naturais são melhores para converter códigos em programas de computador, para controle robótico e inteligência artificial. Um dos idiomas listados por Briggs em sua pesquisa foi o sânscrito.

Continua após a publicidade

“Há pelo menos uma língua, o sânscrito, que durante quase 1.000 anos foi uma língua falada viva com uma considerável literatura própria", diz Briggs em sua pesquisa "Ciência Védica - 'Representação do Conhecimento em Sânscrito e Inteligência Artificial".

Como o idioma foi falado por cerca de mil anos, há uma literatura bastante considerável escrita nele, além de um grande legado de filosofia e gramática, que ainda está bastante preservada. Desde então, Briggs e outros especialistas da NASA estariam trabalhando em uma maneira de transformar o sânscrito em uma linguagem de programação usual

Problemas de ambiguidade

Porém, existem alguns problemas que devem ser levados em consideração, como o fato de que todas as línguas naturais serem ambíguas, ou seja, uma mesma palavra ter diferentes significados. Por isso, um desafio é traduzir o idioma para que eles sejam mais literais, facilitando o entendimento dos robôs.

Continua após a publicidade

A precisão na análise linguística é um aspecto fundamental para a IA, e um desafio para o aprendizado de máquina. O sânscrito é um idioma que tem esse problema em menor escala do que outros, incluindo linguagens de programação antigas. E, graças a um trabalho de padronização gramatical, contagem de sílabas e escolha de palavras, houve uma diminuição importante na ambiguidade.

É importante dizer que tudo ainda está em fase de pesquisa e não existem planos de a NASA lançar projetos e computadores com códigos baseados em sânscrito. Por enquanto, alguns pesquisadores mais "excêntricos" veêm essa possibilidade e se animam com ela. E, embora o assunto possa ser curioso, ainda é mais interessante e importante aprender as linguagens de tendência do que uma língua morta para a programação de IA.

Fonte: Analytics Insight