Apple Watch salva vida de usuário que poderia sangrar até a morte

Por Wagner Wakka | 03 de Maio de 2018 às 16h48
photo_camera Crew/Visual Hunt
TUDO SOBRE

Apple

O Apple Watch pode ter salvado a vida de uma pessoa nos Estados Unidos. É pelos menos o que acredita William Monzidelis, um homem de 32 anos que vive em Westchester, New York.

Monzidelis é dono de um boliche em uma das vielas do Bronx. Em 3 de abril, quando estava trabalhando normalmente, foi ao banheiro do local e percebeu que estava com um sangramento. Sentindo-se um pouco tonto, Monzidelis percebeu que havia uma notificação em seu Apple Watch, recomendando que ele fosse ao médico imediatamente.

Por sorte, Monzidelis aceitou a recomendação e foi atrás de ajuda. Durante o trajeto de 30 minutos até o hospital, ele sangrou muito, e depois ele teria sido informado de que já teria perdido cerca de 80% do sangue no corpo. Ele conta que estava com muita dificuldade de dirigir e perdeu a consciência várias vezes no percurso.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

"Eu estava apreensivo no carro e sangrando por todo o lugar, na minha boca, meu reto", disse Monzidelis à NBC. "Eu perdi tanto sangue que precisei de uma transfusão para a anestesia viajar para o meu cérebro e me colocar para a cirurgia".

O motivo de tanto sangue seria uma úlcera rompida, que levou a uma hemorragia interna. Os médicos acreditam que, se ele não tivesse recebido a notificação e corrido ao hospital, não teria sobrevivido ao sangramento. Na reportagem, ele conta: “Eu estaria trabalhando em meu escritório e eles teriam me encontrado morto". Os médicos também acreditam que ele teria ignorado por mais tempo os sintomas antes de correr ao hospital, o que seria tarde demais.

De acordo com o COO da Apple, Jeff William, a empresa já recebeu uma série de e-mails com relatos de pessoas que dizem que o gadget salvou a vida delas ao ajudar a detectar problemas no coração ou de pressão. Outra história famosa é de 2015, quando um estudante e jogador de futebol americano chamdo Paul Houle Jr soube pelo aparelho que tinha uma doença rara no coração. Ele descobriu ao perceber pelo Apple Watch que seu coração apresentava mais de 145 batidas por minuto mesmo horas depois de ele ter praticado o esporte. O caso ganhou tanta notoriedade que Tim Cook, CEO da empresa, ofereceu a ele um estágio na Apple.

Fonte: NBC

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.