Google terá que incluir o Bing como opção de buscador do Android na Europa

Google terá que incluir o Bing como opção de buscador do Android na Europa

Por Felipe Junqueira | 30 de Setembro de 2020 às 07h45
Felipe Junqueira/Canaltech

A partir de 1º de outubro, todo novo celular Android adquirido em solo europeu terá que oferecer alternativas ao Google para o buscador padrão. A Gigante das Buscas divulgou a lista de seus próprios concorrentes que serão sugeridos nos países da União Europeia, e o Bing, um dos principais rivais da companhia, está na lista em 13 das 31 nações.

A única opção que será oferecida em todos os países é o Info.com, enquanto o PrivacyWall está listados em 22 nações, e o GMX, em 16. O Bing, portanto, é apenas a quarta ferramenta de busca mais sugerida, à frente de Yandex (8 países) e DuckDuckGo (4). O Seznam.cz é opção apenas na República Tcheca, seu país de origem, e na Eslováquia. Qwant e Ecosia estão listados em Luxemburgo e Escócia, respectivamente.

De acordo com o Google, a página em que o usuário escolherá seu buscador padrão mostrará no máximo quatro opções, incluindo a Gigante das Buscas, em ordem aleatória. Em países com mais de três alternativas ao Google, “serão alocados os espaços aleatoriamente entre os licitantes em uma base por dispositivo”, revela a empresa.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Microsoft tenta aumentar sua fatia

Entre 1º de outubro e 31 de dezembro, a Microsoft terá a chance de ter o Bing como buscador padrão em dispositivos Android de Alemanha, Áustria, Bélgica, Dinamarca, Espanha, Finlândia, França, Holanda, Irlanda, Itália, Noruega, Reino Unido e Suécia. É uma boa chance de a Gigante de Redmond ampliar sua fatia no mercado de mecanismos de busca, que acredita-se ser de cerca de 3% atualmente.

O caso lembra quando a própria desenvolvedora do Windows passou a ser obrigada a oferecer links para o usuário baixar outros navegadores sempre que o Internet Explorer era aberto pela primeira vez, também por decisão da União Europeia. Na época, a empresa chegou a ser acusada de "esquecer" de inserir a tela de sugestões de alternativas ao navegador próprio em vários dispositivos.

Fonte: Google

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.