Como saber se um celular é roubado

Como saber se um celular é roubado

Por Caio Carvalho | Editado por Guadalupe Carniel | 01 de Março de 2022 às 09h05
Rawpixel/Envato

Nem todo mundo compra um smartphone de lojas que vendem o produto lacrado e com nota fiscal. Por isso, é fundamental conhecer algumas dicas sobre como saber se o celular é roubado, evitando cair em ciladas.

Existem ações simples para identificar a autenticidade do dispositivo, seja por meio do número IMEI, do carregador compatível e da saúde da bateria. Conheça a seguir quatro formas para saber se o celular é roubado.

1. Número IMEI

O IMEI (International Mobile Equipment Identity, ou Identificação Internacional de Equipamento Móvel, em português) é um número único e global usado para identificar os celulares. Justamente por ser único, nenhum IMEI é igual, o que significa que cada aparelho telefônico é reconhecido através dessa sequência numérica.

O código IMEI pode ser consultado de três alternativas: na caixa do celular, próximo aos códigos de barra; em um adesivo atrás da bateria ou na traseira no produto; ou digitar o número “*#06#” no discador do telefone.

Com o número do IMEI, basta seguir o tutorial no navegador do computador ou celular:

  1. Entre no site “gov.br/anatel/pt-br/assuntos/celular-legal" (sem aspas) e clique em “Verificar situação”;

  2. Na tela seguinte, clique em “Consulte aqui a situação do seu aparelho celular”;

  3. Digite o número do IMEI e marque a caixa “Não sou um robô”;

  4. Clique em “Consultar”;

  5. O resultado será exibido na mesma tela.
Como saber se um celular é roubado: site da Anatel permite consultar IMEI (Captura de tela: Caio Carvalho)

2. Nota fiscal

Ao comprar um produto em uma loja legalmente regularizada, é gerada uma nota fiscal que fica registrada no banco de dados do governo. Se você estiver com a nota fiscal em mãos, é possível acessar o site da fazenda para verificar o documento. Também é possível consultar o CNPJ da empresa que vendeu o produto e saber a procedência e reputação da companhia.

Para consultar a nota fiscal do dispositivo:

  1. Acesse o site “nfe.fazenda.gov.br/portal/principal.aspx" (sem aspas) no navegador de PC ou celular;

  2. Na seção “Serviços mais Acessados”, clique em “Consulta NF-e”;

  3. Digite a chave de acesso da nota fiscal eletrônica. É uma sequência numérica que fica no topo da nota fiscal. Você ainda pode consultar esse número no e-mail de confirmação da compra;

  4. Marque a caixa “Sou humano” e clique em “Consultar”.
Nota fiscal é garantia que o produto foi comprado em lojas regulares (Captura de tela: Caio Carvalho)

Para consultar o CNPJ de uma empresa:

  1. Entre no site da fazenda;

  2. Digite o número de CNPJ da empresa no campo correspondente;

  3. Marque a caixa “Sou humano”;

  4. Clique em “Consultar" para mostrar o resultado.
Outra alternativa é consultar o CNPJ da loja onde o celular foi comprado (Captura de tela: Caio Carvalho)

3. Saúde da bateria

Outra solução para saber se o celular é roubado é consultar a saúde da bateria do aparelho. Trata-se de um recurso que mostra qual é a capacidade máxima do componente no dispositivo. Smartphones novos vêm com 100% dessa capacidade. Já celulares usados costumam ter menos saúde da bateria e, neste caso, o ideal é ter a nota fiscal para saber em qual data o produto foi adquirido pelo comprador original.

Em iPhones (iOS), a saúde da bateria pode ser consultada nativamente na seção “Bateria" do app “Ajustes”. No Android, é necessário recorrer a truques que mostram essa informação, ou via aplicativos de terceiros.

Celulares roubados costumam ter saúde da bateria bem abaixo da capacidade máxima (Captura de tela: Caio Carvalho)

4. Carregadores e acessórios

Por fim, um dos indicadores para saber se o celular é roubado é através dos acessórios que acompanham (ou que deveriam acompanhar) o produto. É verdade que muitas empresas deixaram de oferecer esses itens, como é o caso dos carregadores. Entretanto, ao menos um acessório sempre vem junto com o celular, entre eles fones de ouvido ou adaptadores.

Celulares vendidos sozinhos, sem nada, podem ter uma procedência duvidosa. Em muitos casos, o produto pode não ser original. E o mesmo se pode dizer de aparelhos que possuem cabos e carregadores, mas que estejam visualmente desgastados. Dispositivos novos e comprados na loja devem vir novinhos, sem marcas de uso.

Carregadores falsos ou a ausência do acessório pode indicar que o celular é roubado (Imagem: Steve Johnson/Unsplash)

Descobri que o celular é roubado. O que fazer?

Todos os aparelhos comprados em lojas ou por vendedores que emitem nota fiscal estão protegidos por lei com base no Código de Defesa do Consumidor (CDC). Logo, qualquer movimentação irregular e que comprometa o comprador está amparada no CDC. O consumidor só precisa guardar a nota fiscal, pois ela é a garantia de restituição do valor pago no produto.

Para um celular com IMEI bloqueado, a coisa é mais complicada, uma vez que somente a pessoa que comprou o aparelho — e, portanto, tem a nota fiscal do produto — pode solicitar o desbloqueio. A Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) recomenda que o consumidor retorne à loja onde o produto foi comprado e solicite a troca do celular ou o estorno do valor.

Temos ainda os consumidores que optam por meios informais na hora de comprar um aparelho. Se a loja ou vendedor não fornecerem nota fiscal, a atenção precisa ser redobrada. Verifique, converse e solicite o máximo de informações, e se possível veja e teste o celular pessoalmente. É melhor gastar um tempo a mais checando isso tudo para ter a certeza de adquirir um produto que não se torne um problema no futuro.

Fonte: Anatel

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.