Novo CEO da BlackBerry comenta sobre sua estratégia para a empresa

Por Redação | 05 de Novembro de 2013 às 13h05
Tudo sobre

BlackBerry

Há alguns dias, a venda da BlackBerry era certa. Acumulando prejuízos, a empresa canadense estava na mira de algumas possibilidades de compra e chegou até mesmo a receber uma carta de intenções enviada pela Fairfax Financial que, atualmente, possui 10% das ações. No entanto, essa situação se transformou completamente após a chegada de John Chen como "chefe" interino, na última segunda-feira (04).

Em entrevista concedida à Reuters, Chen destaca que "a empresa possui ingredientes suficientes para construir um negócio a longo prazo" e arremata: " já fiz isso antes e já vi esse mesmo filme antes". O novo CEO se refere à sua experiência no comando da Sybase, empresa de software que produz serviços e produtos relacionados ao gerenciamento de informação. Chen assumiu o cargo com a empresa perdendo dinheiro, em 1998, e a vendeu para a SAP, em 2010, por U$5,8 bilhões.

Outra matéria veiculada pelo site The Register afirma também que a intenção de vender a BlackBerry ainda permanece, mas a ideia é conseguir um valor mais interessante do que os U$4,7 bilhões oferecidos pela Fairfax que, no final das contas, mostrou-se incapaz de cumprir com a proposta. Porém, depois dessa mudança de estratégia, o plano de reestruturação consiste na injeção de um bilhão de dólares na companhia enquanto o novo CEO faz o seu trabalho e coloca tudo nos eixos. No entanto, ainda de acordo com matéria da Reuters, esse processo deve levar, ao menos, um ano e meio.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Expectativas

Agora, com essa guinada na companhia, existe um forte questionamento sobre se a estratégia utilizada por Chen na Sybase irá funcionar de forma satisfatória na recuperação da BlackBerry. E soma-se a esse fator a insistência do novo chefe na necessidade de manter a BB trabalhando com seu setor de smartphones, já que analistas afirmam que a empresa vale mais em partes do que como um todo.

O movimento da BlackBerry não agradou a todos, já que a desistência da venda à Fairfax fez com que suas ações caíssem 16% na segunda-feira. Agora é esperar para ver se a mágica do CEO será repetida mais uma vez e se a BlackBerry conseguirá retornar ao seu lugar de destaque no segmento de telefonia móvel.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.