Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

25% dos celulares vendidos no Brasil são irregulares, revela pesquisa

Por| Editado por Wallace Moté | 04 de Junho de 2024 às 17h55

Link copiado!

Robin Worral/Unsplash
Robin Worral/Unsplash

A Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee) revelou um dado alarmante: a cada quatro celulares comercializados no Brasil, um é irregular, ou seja, não possui a homologação necessária pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), o que atesta segurança e qualidade dos smartphones vendidos no país.

A homologação da Anatel é um selo de qualidade que certifica que os aparelhos cumprem os padrões técnicos e regulatórios exigidos para operarem de maneira adequada nas redes de telecomunicações brasileiras.

Sem essa certificação, os celulares podem apresentar diversos riscos aos consumidores, incluindo problemas de compatibilidade e desempenho, além de sérios perigos à segurança, como explosões, superaquecimento e níveis excessivos de radiação.

Continua após a publicidade

“O que atrai o consumidor para o chamado mercado cinza de celulares é o preço mais baixo”, diz Kim Rieffel, vice-presidente de Telecomunicações da Associação Brasileira de Avaliação da Conformidade (Abrac). “Mas sem a garantia de que o aparelho passou pelos testes de segurança necessários, isso configura um fator de risco.”

Rieffel explica que a homologação feita pela Anatel inclui uma série de verificações como testes de capacidade técnica, desempenho e segurança elétrica, além de considerar se os softwares são seguros para os usuários.

A venda de celulares não homologados ainda tem implicações econômicas e legais. Segundo a Abrac, empresas que comercializam esses dispositivos estão em violação direta à legislação brasileira, sujeitando-se a multas e outras sanções.

“Ao adquirir um celular homologado, além da segurança garantida, há também a garantia do funcionamento do aparelho, podendo ser trocado em caso de defeito, resultando em um investimento confiável”, conclui Kim Rieffel.