Crítica | Os Cavaleiros do Zodíaco é uma das obras mais intrigantes da Netflix

Por Rafael Rodrigues da Silva | 26 de Julho de 2019 às 11h34

Os Cavaleiros do Zodíaco é, talvez, o anime mais “formador” que nós tivemos aqui no Brasil. Em um momento em que esse tipo de obra não era acessível por aqui, a Rede Manchete se tornou uma das maiores emissoras do início dos anos 90 ao ser a primeira a transmitir o anime, e ele se tornou o marco de toda uma geração.

Isso porque Os Cavaleiros do Zodíaco era muito diferente de todos os desenhos que existiam na TV brasileira na época. É preciso lembrar que, naquele momento, os desenhos mais violentos que víamos por aqui eram os Looney Tunes e o Super Mouse, e nenhum deles usava narrativas que se estendiam por mais do que um episódio. Então, os Cavaleiros surgiu com seus personagens com históricos trágicos e bem humanos, uma narrativa enorme sobre superação e proteger o mais fraco, além da presença de lutas cheias de golpes com animações impressionantes — sendo, talvez, o primeiro desenho a mostrar sangue jorrando quando os personagens são acertados.

Com esses fatores, Cavaleiros do Zodíaco se tornou um fenômeno porque não apenas agradava crianças como também adultos, e a transmissão dos episódios se tornou um evento em diversos lares do país — ainda me lembro que, na época da saga das 12 Casas, meu pai saía correndo do serviço para chegar em casa e a família toda assistir aos episódios no sofá.

(Imagem: Divulgação/Netflix)

Mas, como muitas coisas dos anos 90, o anime original de Cavaleiros não envelheceu tão bem. Não digo na parte das animações e dos golpes das lutas, mas principalmente no roteiro. Em uma época que temos acesso fácil a animes incrivelmente profundos e com muita qualidade nos diálogos, como Ghost in the Shell, Akira e Your Name, ter de ouvir a mesma frase sendo dita de maneiras diferentes por cada um dos personagens (às vezes até mais de uma vez) antes de a conversa prosseguir é algo que faz muitos fãs do anime na infância — inclusive eu — quererem tacar a TV na parede ao tentar reassistir o original. Esse sentimento não mancha as boas lembranças do passado, mas simplesmente não se consegue mais sentar e assistir aos episódios com a mesma facilidade de quando se era criança.

Assim, quando a Netflix anunciou que iria criar uma nova interação dos Cavaleiros, muita gente ficou bastante ansiosa — principalmente aqueles na faixa dos 30 anos e que fizeram parte do fenômeno que foi a transmissão do desenho nos anos 90. Essa ansiedade diminuiu um tanto na hora que a Netflix mostrou o primeiro trailer da animação, que já indicava uma mudança não apenas visual, mas também de alguns personagens — como, por exemplo, o fato do Shun ser agora uma garota. Com a estreia, que ocorreu em 19 de julho, é possível ver que foram mesmo feitas várias alterações no anime — mas nem todas elas foram ruins.

Cuidado! Daqui em diante esta crítica pode conter spoilers!

Cavaleiros do século XXI

(Imagem: Divulgação/Netflix)

Entre as mudanças criadas pelo desenho da Netflix, uma das mais perceptíveis é em como a narrativa foi “enxugada” — em apenas seis episódios de meia hora (ou seja, um duração total de 3h) a série da Netflix refaz todo o arco da Guerra Galáctica e dos Cavaleiros Negros, que no anime original demoram 15 episódios de 25 minutos para serem concluídos (uma duração total de 6h15). Assim, mesmo antes de começar a assistir, já é possível perceber que a série do serviço de streaming não será uma recapitulação do original (como muito fã mais xiita da série esperava quando ele foi anunciado), mas uma história que, se não é totalmente nova, é bem diferente daquela que fez sucesso na década de 1990 aqui no Brasil.

Essa diferença também é vista no visual da produção, que não mais utiliza os traços clássicos do visual anime, mas tenta converter esses traços para um modelo de animação 3D, que faz com que o desenho da Netflix tenha uma qualidade não exatamente ruim, mas que não consegue transmitir a mesma expressividade e magnitude nas animações de golpes, e aproxima demais o visual do novo Cavaleiros ao que esperaríamos de um jogo lançado nos primeiros meses após o lançamento do PlayStation 3 que fosse uma adaptação do anime.

Mas essas mudanças não necessariamente são negativas. Quer dizer, se você é um fã da série original elas naturalmente parecerão negativas, mas nesse caso eu preciso te contar uma coisa: a série não foi feita para você. Eu sei, eu sei, você “esperou 30 anos”, “esse momento é seu” e todas essas coisas que você vê os fãs de algo que fez muito sucesso nos anos 90 e está ganhando um remake em 2019 falando na internet, mas a real é essa: esse remake de Cavaleiros do Zodíaco não foi feito pra você pelo motivo de você já ser um “público cativo” do negócio.

E é possível notar isso pelos dados que temos até o momento: enquanto boa parte da internet tem reclamado das mudanças, a série é uma das produções infantis mais assistidas na Netflix, o que mostra que mesmo quem está reclamando está assistindo. As mudanças servem para atrair um novo público para o desenho, um público mais jovem, que vai assistir o desenho por indicação dos pais e que talvez acabe se interessando por ele justamente por conta das diferenças que os fãs mais antigos estão odiando — agora, se essa estratégia irá mesmo funcionar já é outro papo.

(Imagem: Divulgação/Netflix)

No novo Cavaleiros da Netflix, os cavaleiros deixam de ser “pessoas comuns” que passaram por treinamentos mortais e sobreviveram para contar a história. Em vez disso, eles já demonstraram o “poder do cosmos” durante a infância e, então, são sujeitados a treinamentos mortais para, caso sobrevivam, se tornam cavaleiros. Outra mudança é que as armaduras não mais precisam ser carregadas em enormes mochilas que são quase o dobro do tamanho dos personagens. Agora, elas, quando não estão sendo usadas, se transformam em um colarzinho fashion bem parecido com aquelas tags usadas por soldados, só que ao invés de dados pessoais de identificação esses colares possuem o símbolo da armadura que o cavaleiro usa.

Há também uma clara “americanização” no desenho, que insere um novo vilão com um exército próprio cuja missão é raptar Saori, a reencarnação da deusa Athena e que, segundo uma profecia revelada pelo Mestre do Santuário, será a responsável pela destruição do mundo. Isso acaba inserindo alguns momentos totalmente novos na história, como o grupo principal aprendendo a trabalhar juntos ao enfrentar um exército composto por tanques e helicópteros. Mas é nessas lutas que é possível perceber como os novos gráficos de Cavaleiros do Zodíaco deixam a desejar, pois não apenas os golpes como “Meteoro de Pégaso” e “Cólera do Dragão” não passam a mesma sensação de deslumbramento visual, mas muitas vezes os ataques dos cavaleiros são “bolas” de energia tão genéricas e mal animadas que parecem que foram feitas por alguém que acabou de aprender a usar o After Effects.

O grupo principal ainda é composto pelos mesmos seis personagens (Seiya, Shiryu, Hyoga, Shun e Ikki), com a grande diferença sendo apenas a mudança de sexo de Shun, que no novo desenho é uma mulher. E essa mudança é algo bastante controverso independentemente do seu espectro de interpretação: se você é uma pessoa mais conservadora, vai acusar a mudança de “lacração”, e que é um absurdo querer mudar o gênero de um dos personagens principais da trama sem nenhuma explicação. Enquanto isso, no lado mais “progressista” da crítica, ainda que se aplauda a tentativa de tornar o grupo principal mais diverso ao colocar uma mulher lutadora, há a reclamação de que essa diversificação foi feita do modo mais preguiçoso possível e que acaba servindo para manter preconceitos ao invés de quebrá-los. Isso porque, ao transformar Shun em uma garota, apaga-se a contribuição que o personagem servia para quebrar o estereótipo de uma masculinidade tóxica ao propiciar uma exemplar masculina pacifista, sentimental e que não vê problema em usar uma armadura rosa com peitos, pois não é nada disso que vai decidir sua sexualidade.

(Imagem: Divulgação/Netflix)

Ao mudar o gênero da personagem, ela deixa de ser uma quebra de estereótipo para se tornar o próprio estereótipo: a menina que usa rosa, é sentimental e não gosta de brigas. Soma-se a isso o fato de que, em diversos momentos da trama geral de Cavaleiros do Zodíaco, Shun é salvo pelo seu irmão mais velho, Ikki. Com isso temos mais um possível problema nessa mudança de gênero, pois Shun corre o risco de ser tornar a “donzela em perigo”, alguém que tenta se mostrar forte, mas que precisa ser salva por uma figura masculina. Claro, quem conhece o mangá sabe que Shun é o cavaleiro mais forte do grupo principal, e que são suas tendências pacifistas que o impedem de demonstrar seu verdadeiro poder. Mas esse será um dos pontos mais curiosos para a continuação da série: se eles irão fazer uma mudança significativa na personagem e mostrar mais cedo a verdadeira força dela, ou se seguirão a narrativa do anime original, o que fará com que Shun invariavelmente fique no papel da donzela que precisa ser salva.

Nos primeiros seis episódios não houve nenhuma dica sobre qual será o futuro da personagem, mas fica claro que uma opção muito mais interessante para a defesa de uma maior diversidade seria a de transformar qualquer outro personagem do núcleo principal em mulher, já que Shun é justamente a única escolha que faz com que a mudança de gênero não aparente ser uma atitude de coragem.

Outra mudança importante no desenho da Netflix é a ausência de sangue — uma decisão claramente feita para tornar o desenho apropriado para todas as idades. Há também um abandono do “dramalhão” característico do anime original, e os Cavaleiros do Zodíaco da Netflix possui uma disposição bem mais “leve” e bem humorada. Essa faceta mais “engraçadinha” — e que em alguns momentos lembra o estilo dos filmes da Marvel, que mistura momentos de tensão/ação com uma pitada de piada sem graça — é outra mudança muito criticada pelos amantes do anime original, mas que pode ajudar bastante a conseguir um novo público. E, por mais tosco que você possa achar, a subtrama de Seiya contra a tampa de bueiro é mais interessante que muitas das histórias paralelas do anime original.

Um alento para aqueles que sentem dificuldade em separar as duas obras: o time de dubladores continua praticamente o mesmo. A série da Netflix traz o retorno de Hermes Baroli (Seiya), Élcio Sodré (Shiryu), Francisco Bretas (Hyoga) e Leonardo Camilo (Ikki) aos papéis que ajudaram a torná-los famosos. As mudanças no grupo principal ocorreram apenas nas vozes de Saori (que agora é dublada por Letícia Quinto) e de Shun (que agora é dublada por Ursula Bezerra). Mas mesmo essas mudanças se mantiveram dentro da “família” da dublagem original: Letícia é filha de Rosa Maria Barolli, que dublou Saori no anime original, e Ursula é irmã de Ulisses Bezerra, o dublador original do Shun. Ainda que o estúdio responsável não seja mais o mesmo de quase 30 anos atrás, a qualidade se mantém impecável, e, como é característico, faz alusões a elementos da cultura pop (entenda-se: memes) que não existem no roteiro original — a cena em que o mestre de Ikki o chuta gritando “Você é fraco! Te falta ódio!” me fez quase cair do sofá de tanto dar risada.

Meteoro de Pégaso no passado

(Imagem: Divulgação/Netflix)

O maior problema do novo Cavaleiros do Zodíaco talvez seja em entender qual é o público para o qual ele foi feito: com todas as mudanças, claramente o público que a animação busca não é o de fãs do anime original, mas também há dúvidas se a animação será interessante o suficiente para fazer com que uma nova geração se interesse pelo desenho. Isso porque ela não resolve um problema latente de Cavaleiros: o fato de ele não oferecer nada muito interessante em sua história.

O anime original deslumbrava por suas animações de luta, mas pouco oferecia em matéria de interesse narrativo, sendo uma história bem clichê e superficial sobre superação e o poder da amizade. E, como o novo desenho diminuiu em muito o impacto das batalhas, fica difícil saber se a série realmente será bem recebida por uma nova geração de fãs — principalmente quando já existem desenhos infantis com premissas narrativas muito mais interessantes, como Hora da Aventura, Gravity Falls e Os Jovens Titãs em Ação (e nem estou entrando no mérito dos animes aqui).

Por conta de sua estrutura muito mais enxuta, Os Cavaleiros do Zodíaco da Netflix é uma ótima alternativa para aquelas pessoas mais velhas que, como eu, possuem um vínculo muito forte com o desenho por conta do caráter formativo que ele teve em suas infâncias, mas que não conseguem mais assistir ao anime original sem se contorcer de tédio. Para essas pessoas, o desenho da Netflix é uma bom exercício para nostalgia, pois as mudanças feitas não deverão atrapalhar e o ritmo mais acelerado dos episódios irá ajudá-lo a se lembrar de porque esses personagens tiveram uma importância tão grande na sua infância sem levá-lo aos extremos do tédio, sendo o tipo de série perfeita para se assistir enquanto está navegando pelo Instagram/Facebook/Twitter sem se preocupar em perder nada de importante. Mas o problema é que esse é um nicho muito pequeno de fãs, e a Netflix já deixou claro que não irá fazer concessões para agradar os fãs xiitas, então, se o desenho não criar vida própria com um novo fandom, muito provavelmente ele será cancelado antes de chegar ao final da Saga de Poseidon.

Cavaleiros do Zodíaco é uma das estreias mais intrigantes da Netflix exatamente pelo fato de, pela primeira vez em anos, não ser possível dizer exatamente qual é o nicho de interesse que o serviço de streaming está tentando agradar. Por isso, ele possui as mesmas chances de ser um sucesso assombroso que irá ressuscitar a influência dos Cavaleiros no século XXI ou um dos fracassos mais estrondosos de qualquer produção já desenvolvida pela Netflix nos últimos cinco anos.

Será incrivelmente interessante acompanhar o futuro próximo do desenho, que acaba abruptamente no sexto episódio, deixando claro que logo deveremos ter uma continuação. Nela, provavelmente serão apresentados os Cavaleiros de Prata e, enfim, conseguiremos entender o tipo de público que a produção quer fisgar — se é que irá fisgar algum.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.