Crítica | O Monstro ao Lado mostra que a história deve ser escrita pelo futuro

Por Laísa Trojaike | 07 de Novembro de 2019 às 14h16
Netflix

"História é aquela certeza fabricada no instante em que as imperfeições da memória se encontram com as falhas da documentação".
(Julian Barnes)

Fatos passados não nos são acessíveis no presente. A história, como um todo, não é uma ciência exata. História é uma construção, assim como o é o direito e o cinema. O Monstro ao Lado, minissérie documental que entrou esta semana no catálogo da Netflix, entrelaça sutilmente essas três linguagens e, após cinco episódios, nos deixa com mais questionamentos do que respostas. E isso é um excelente sinal (ao menos nesse caso).

A minissérie aposta no gosto do público por dramas grandiosos e controversos (afinal, John Demjanjuk foi ou não foi um carrasco sádico nazista?), mas na verdade vai muito além disso ao contrapor os argumentos de acusação e de defesa com a mesma intensidade, deixando que cada um fale por si e, quando uma opinião é proferida, não é através da voz de um narrador, mas sim dos entrevistados, que são personagens da história contada.

A partir daqui a crítica pode conter spoilers.

Só o gostinho

O primeiro episódio apresenta a história de um imigrante que é acusado de ser Ivan, o Terrível, um soldado nazista conhecido por seu sadismo. Embora sejamos induzidos pelo título da série a ver John Demjanjuk como culpado desde o princípio, não é difícil ignorar esse pressuposto: em pouco tempo a série começa a revelar que a história não era tão clara e que o suposto Ivan, o Terrível poderia ser não mais do que apenas suposto.

Imagem: Netflix

A montagem consegue brincar com as entrevistas e com as imagens de arquivo o suficiente para mudar nossa inclinação de um momento para o outro: ambos os lados parecem muito convincentes ao apresentarem seus argumentos e/ou provas ou ao desmentir os argumentos e provas opostos. Somos apresentados a um caso que parece terrivelmente óbvio e, no período de um episódio, somos submetidos a mudanças de perspectivas drásticas: está fisgado o espectador.

Ainda nesse primeiro contato a série já deixa transparecer o que virá a ser seu grande trunfo: há muito mais em jogo do que apenas a vida de um homem. Alguns casos dizem respeito à humanidade como um todo e, por se tratar de um relato ligado ao holocausto, a presença de judeus pedindo por justiça adiciona um fator ainda mais pesado ao julgamento.

Vai acabar

Ainda na esteira de que O Monstro ao Lado vai muito além da história de Demjanjuk, há uma sutil discussão que ganha corpo através dos personagens envolvidos com o julgamento: assim como o holocausto não está presente para análise, em breve também não estarão nenhum dos assassinos ou dos sobreviventes. A partir disso, restarão apenas as documentações, muitas delas possíveis falsificações ou mentiras.

Imagem: Netflix

É realmente comovente como os discursos das testemunhas são postos em xeque pela idade em que se encontram. A visível senilidade de uma das testemunhas deixa clara a frieza que pode atingir uma argumentação em um julgamento: a memória de uma experiência traumática pode ser completamente descartada por algo que é sintomático da idade.

Ao ver o caso de John Demjanjuk arrastar-se por décadas em meio a provas que parecem falhas e inconclusivas, fica claro que o trabalho de escrever a história não é um processo fácil. O documentário apresenta o caso segundo a lógica cronológica, explicando cada ponto de virada a favor ou contra John Demjanjuk e dá tempo suficiente para que os personagens do evento possam, anos depois, refletir sobre o que aconteceu na época e, nesse ponto, há um louvável tratamento com as entrevistas: não só os entrevistados parecem completamente a vontade ao falarem dos seus pontos de vista, mas os jogos de perguntas e repostas parecem ter sido tão bem pensados e construídos pela equipe que a montagem não parece ter tido dificuldade de driblar um possível spoiler do desfecho de John Demjanjuk.

Declaração política

Tendo construído sua narrativa com uma pretensa imparcialidade, O Monstro ao Lado convida ambos os lados, acusadores e apoiadores, a assistirem a mesma história e se deixar guiar pelos acontecimentos expostos: protestos judeus e da KKK têm o mesmo destaque pela montagem. O caso de John Demjanjuk não chega a ter um desfecho ideal e é justamente o desenrolar desse processo que surge ao final como uma espécie de alerta.

O caso de John Demjanjuk é emblemático e vai muito além de simplesmente provar se aquele imigrante ucraniano era ou não um soldado nazista, o que por si só já é um grande capítulo na história. A participação da mídia em um julgamento como esse, a pressão popular, os grupos extremistas, as polarizações e o ponto de interrogação que a justiça coloca sobre a própria cabeça são os primeiros e mais intensos efeitos colaterais que a minissérie revela.

Imagem: Netflix

Ao final, com John Demjanjuk morrendo antes de ter sua sentença definida, por estar em fase de apelação, a declaração de inocência de um provável culpado surge como um gatilho social perigoso: o julgamento é muito mais do que tentar descobrir se John Demjanjuk é um nazista, é ainda muito maior do que a escrita da história que passou simplesmente no sentido de ter o registro do que aconteceu de fato. O surgimento de uma nova entrevistada ao final dos cinco episódios revela o verdadeiro intuito de O Monstro ao Lado: “Se dissermos ‘Nazistas estão livres. Certo, vamos deixar pra lá.’ Que mensagem isso passa para os assassinos de hoje?”, diz ela enquanto vemos imagens de grupos extremistas contemporâneos.

O efeito é semelhante ao final de Infiltrado na Klan (de Spike Lee, 2018): mais assustador do que o que aconteceu no passado, é a ideia de que ainda exista quem queira fazer tudo novamente no presente. A sensação desesperadora de que as vezes parece que não saímos do lugar ou, pior, de que vivemos um retrocesso.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.