Crítica | Euphoria, da HBO, retrata a Geração Z de forma imprópria para menores

Por Natalie Rosa | 09 de Agosto de 2019 às 10h58
Divulgação: HBO

Em sua estreia na categoria de produções adolescentes, a HBO comemora o sucesso da série Euphoria. Sob direção de Sam Levinson, a trama tem como foco a personagem Rue (Zendaya), uma adolescente viciada em drogas que, após uma overdose e passar um bom tempo internada, está de volta à escola e precisa se adaptar a uma vida "limpa". Porém, não há a mínima vontade por parte da jovem em ficar longe das drogas.

Imagine qualquer drama ou comédia romântica adolescente que você já tenha assistido. Euphoria vai falar dos mesmos assuntos: sexo, drogas, rejeição, bullying, conflito com a família, descoberta da sexualidade, gravidez e aborto. O que diferencia a série deste padrão da categoria, no entanto, é a forma como os temas são abordados, com muita técnica de filmagem e edição, estética e representações teatrais dignas de aplausos.

Com baixa iluminação, cenas escuras e muito contraste, conferimos a história de uma forma um tanto quanto sombria, visto que cada personagem tem a sua escuridão dentro de si, muitas vezes com situações que se tornam até macabras. Euphoria acaba se tornando o oposto das tramas adolescentes dos anos 1990 e 2000, que contam com muitas cores e toques de comédia.

Imagem: Divulgação/HBO

Nascidos após os anos 2000, esses personagens pertecem a um novo grupo de jovens, os da Geração Z, viciados em smartphone, internet e que conseguem compreender as questões vividas na escola e na família e relacioná-las com as suas tristezas. Como é mostrado na série, eles já têm consciência de que todo esse sofrimento fica na adolescência, que as coisas passam e mudam, e o que aconteceu antes dos 18 anos não vai mais importar tanto aos 30.

Cuidado! Daqui em diante este texto contém spoilers de Euphoria.

Imprópria para menores de 18 anos

Euphoria é uma série com temática adolescente, mas indicada apenas para maiores de 18 anos. Considerada por alguns como "pesada" ou "chocante", a série não hesita em mostrar cenas de sexo, nudez completa masculina e muitos, mas muitos pênis. O que não seria espantoso para uma série da HBO.

O uso de drogas também não é nada moderado, mostrando não só o consumo em si, como também o tráfico, seus fornecedores e motivos tristes para entrar nesse mundo. E é justamente esta temática e a forma como ela é abordada que faz Euphoria ser tão incrível na apresentação de sua proposta.

Imagem: Divulgação/HBO

Por abordar bastante a questão do sexo e a descoberta da sexualidade, o que não falta na série é nudez. Mas, como sempre tem sido, vemos nus frontais masculinos e não femininos, em um mundo no qual mamilos de mulheres são censurados o tempo todo. Em uma cena com o personagem Nate (Jacob Elordi), vemos o jovem entrando no vestiário masculino com diversos homens pelados, totalizando 30 pênis em uma cena só. Nos Estados Unidos, a cena causou bastante polêmica e desconforto.

Também vemos a sexualidade exibida de forma explícita quando Kat (Barbie Ferreira) descobre o mundo das "camgirls" para ganhar dinheiro, e em seu primeiro trabalho se depara com um homem se masturbando com seu micropênis de frente para a câmera, pedindo para ser humilhado pela sua condição.

A cena não é, de fato, algo que gostaríamos de ver e é uma pequena surpresa para todo mundo, inclusive para a atriz. Barbie contou em entrevista que a reação que a personagem teve na frente do seu notebook foi completamente real pois ela não esperava e nem nunca havia visto aquilo antes.

Imagem: Divulgação/HBO

A história sob a perspectiva de Rue

Assistimos tudo sob a narração de Rue, com suas suposições e conclusões sobre tudo o que acontece na sua vida, de familiares e de amigos. Mas como dificilmente ela está sóbria, não há como ter certeza da veracidade de seus comentários e acontecimentos, se ela está alucinando ou não.

Rue nasceu três dias após o 11 de setembro e, ainda criança, foi diagnosticada com transtorno de déficit de atenção e hiperatividade, o que é mostrado como uma forma de justificar suas ações e relação com as drogas. O efeito das pílulas que ingere a faz esquecer das crueldades do mundo e a viver em um universo paralelo, onde nada disso existe.

O vício fez com que Rue gostasse de ficar sozinha, mas isso muda com a chegada de Jules (Hunter Schafer), uma garota trans. O protagonismo, então, se divide entre as duas jovens que acabam se apaixonando, mas de uma forma diferente. Vemos que a interação entre as duas transcende da atração física e sexual, sendo algo mais de identificação, respeito e carinho.

Em um determinado momento da série, descobrimos o motivo de Rue ter se viciado em drogas. Seu pai, com câncer terminal e recebendo tratamento em casa, tomava muitos remédios pesados para aguentar essa batalha, e eles eram facilmente acessíveis para a jovem.

Violência e pornografia

Ao contrário de Rue, Jules tem uma vida sexualmente ativa, com encontros sexuais com vários homens, inclusive com Carl Jacobs (Eric Dane), um homem casado, importante e que possui grande parte da cidade em que vivem.

Após uma cena de sexo bastante violenta entre Carl e Jules, descobrimos que o empresário mantém uma coleção de CDs com gravações de suas relações sexuais, em sua maioria com homens homossexuais menores de idade. As gravações mostram um estilo de sexo violento e que segue um padrão.

Seu filho Nate tem acesso a esses CDs desde criança e passa a entender o sexo como aquilo que ele está vendo: com um homem dominante e com violência. Isso acaba explicando muito da personalidade do rapaz, que é uma pessoa extremamente confusa com seus sentimentos e sexualidade, tornando-se violento e abusivo.

Imagem: Divulgação/HBO

Em uma crítica chocante à violência doméstica, que também acontece com adolescentes, Nate tenta enforcar a sua namorada Maddy (Alexa Demie), deixando o pescoço da garota com uma marca. Mesmo após tentar esconder, a escola acaba descobrindo o hematoma e chamando a polícia. Em meio a depoimentos de alunos e a tentativa de Maddy de esconder o caso para não incriminar o namorado, ele acaba sendo denunciado formalmente como agressor.

Nate, então, acaba armando um esquema de chantagem com Tyler (Lukas Gage), um jovem maior de idade que já tinha transado com Maddy, e com Jules, por quem Nate tinha uma certa fixação. Toda essa situação é bastante perturbadora, visto que a vítima não consegue desprender o amor das agressões, fazendo de tudo para que o namorado não seja pego.

Cena final

Euphoria encerrou a primeira temporada com maestria. Ao desistir de fugir com Jules, Rue acaba deixando a namorada entrar sozinha em um trem e ir embora, e volta a pé para casa, sozinha. Depois de algumas lembranças do passado, como a morte de seu pai e o seu contato com as drogas após isso, além de cenas de uma homenagem de sua mãe a ela, Rue volta para casa, deita na cama e, então, começa a última cena.

Rue levanta de uma forma como se a sua alma estivesse saindo do corpo, talvez uma representação de uma nova overdose, insconsciência ou possível morte, e passeia pela casa esbarrando em tudo o que está pela frente. Com a personagem visivelmente alterada, Zendaya interpreta a última cena mostrando, de uma vez por todas, o seu verdadeiro talento para a atuação. Como um musical sombrio, ela interpreta uma música cantada por ela mesma em meio a várias pessoas que, em um certo momento, também a carregam.

Imagem: Divulgação/HBO

Independentemente de qual situação foi representada nesta cena final, não vamos ficar curiosos por muito tempo, pois a série já foi renovada para a segunda temporada.

A primeira temporada de Euphoria conta com oito episódios, todos disponíveis no HBO GO.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.