Para o FBI, criptografia de dados é um problema de segurança pública

Por Redação | 10 de Janeiro de 2018 às 16h24

As fabricantes de celulares e os desenvolvedores de aplicativos lutam a cada dia para deixar seus produtos cada vez mais seguros. Mas, para o FBI, isso é um problema. Na palavra do atual diretor da agência, é uma "questão de segurança pública".

Christopher Wray, que substituiu James Comey no comando do FBI, disse, em uma conferência sobre cibersegurança, que o setor privado precisa trabalhar com o governo para encontrar formas mais rápidas de solucionar o problema causado pela criptografia.

Segundo Wray, o FBI não conseguiu acessar os dados de 7.775 telefones até o fim do ano fiscal americano (30 de setembro de 2017), mesmo tendo mandados para isso. Esse número é mais da metade do que o órgão tentou invadir no período.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

O FBI insiste em dizer que não está interessado em checar os dados do cidação comum, apenas daqueles que são considerados suspeitos de alguma atividade ilegal.

Backdoor para acessar dados

A saída de Comey não aliviou em nada a posição do governo dos Estados Uidos e do FBI. O ex-chefe havia sugerido às empresas de tecnologia de criar um backdoor nos apps e smartphones para que o governo pudesse acessar os dados durante uma investigação.

Na época, Tim Cook, CEO da Apple, disse que essa sugestão tinha implicações "arrepiantes" e "perigosas", pois as empresas não poderiam controlar o acesso ao backdoor. Dessa forma, o governo poderia acessar a qualquer momento o celular de um cidadão.

O que de fato aconteceu quando a Apple se recusou a desbloquear o iPhone do atirador de San Bernardino. O FBI contratou um técnico e pagou quase US$ 1 milhão para ele abrir as portas do smartphone

Wray tentou justificar ao afirmar que cada vez mais as investigações dependem de arquivos eletrônicos. Ele não acredita na conversa da indústria de tecnologia de que é impossível criar soluções que tornem a criptografia mais "amigável" à lei.

Fonte: Engadget

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.