Os smartphones de Donald Trump estão vulneráveis a ataques e ele não está nem aí

Por Ramon de Souza | 22 de Maio de 2018 às 19h05
Travel Mate

O presidente de uma das nações mais poderosas do mundo deve ser uma pessoa extremamente paranóica com segurança cibernética, certo? Errado! O polêmico republicano Donald Trump, por exemplo, não dá a mínima para tal assunto — e a mais recente prova disso é o fato de que ele se recusa a trocar um de seus celulares antigos por um modelo mais novo, o que o torna vulnerável a uma série de ataques virtuais.

De acordo com informações do jornal Politico, Trump utiliza dois smartphones distintos. O primeiro, do qual o presidente até aceita abrir mão, é usado apenas para receber e efetuar ligações. Já o segundo dispositivo — que já se tornou praticamente um “bichinho de estimação” para o republicano — é voltado ao uso de aplicativos, incluindo o Twitter e mensageiros instantâneos. Os modelos exatos dos gadgets não foram divulgados.

O site revela que Trump se recusa a adquirir um modelo mais novo por considerar isso “muito inconveniente”. Sim, essa é exatamente a desculpa que as pessoas costumam usar quando são questionadas sobre seus hábitos de cibersegurança — é normal encontrar quem esteja desprotegido por acreditar que certas medidas atrapalham sua produtividade, mas jamais imaginaríamos uma postura dessas do próprio presidente dos EUA.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Essa não é a primeira vez que Trump demonstra indícios de ser desleixado com a segurança de seus dados. O mesmo jornal Politico alertou, em 2017, que assistentes da Casa Branca teriam usado seus celulares como lanterna para iluminar um documento secreto sobre a Coreia do Norte enquanto o republicano estava jantando em um restaurante escuro, possibilitando sua leitura.

O gesto pode até parecer inocente, mas, levando em conta o quão fácil é invadir um smartphone Android e ativar sua câmera frontal para espionar a vida alheia, podemos dizer que os assessores foram um tanto descuidados — o que, na época, gerou certa revolta por parte do Senado dos EUA. Aliás, alguns senadores já estão tão fartos dos descuidos da gestão Trump que chegaram a ameaçar banir o uso de celulares na Casa Branca.

Como se não bastasse, na semana passada, surgiu a notícia de que John Bolton — atual conselheiro de segurança nacional dos Estados Unidos — resolveu eliminar o cargo de Coordenador de Cibersegurança, afirmando que tal posição “não é mais necessária” por lá. Obviamente, teremos problemas sérios em um futuro próximo caso alguma autoridade estadunidense não tome providências urgentemente.

Fonte: Mashable

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.