Mozilla afirma que o FLoC do Google não protege a privacidade dos usuários

Mozilla afirma que o FLoC do Google não protege a privacidade dos usuários

Por Felipe Gugelmin | Editado por Claudio Yuge | 14 de Junho de 2021 às 21h40
StockCatalog/VisualHunt

Desde que foi anunciado como um substituto para cookies tradicionais, o sistema Federated Learning of Cohorts (FLoC) do Google tem sido alvo de vários críticas. Na última quinta-feira (10), a Mozilla voltou a atacar o sistema, alegando que a maneira como ele foi criado diminui a privacidade dos usuários e permite que eles sejam identificados de forma individual.

Eric Rescorla, CTO da empresa, afirmou que a maneira como o FLoC age ainda possibilita que anunciantes vejam os detalhes de cada pessoa, mesmo que seus comportamentos e histórico de visitas esteja agrupado dentro de um grande conjunto. “Se os rastreadores tiverem qualquer quantidade significativa de informações adicionais, eles podem restringir o conjunto de usuários muito rapidamente”, explicou.

Rescorla explica que o sistema do Google pode ser agregado a outros métodos de identificação para destacar usuários únicos dentro de cada grupo. O sistema operacional que é usado por cada pessoa, por exemplo, pode servir como uma forma de separar o comportamento individual de cada uma delas. Ele também afirma que o sistema é capaz de registrar a navegação por múltiplos sites, burlando até mesmo ferramentas como o Total Cookie Protection (TCP) do Firefox, criado para evitar que anunciantes criem correlações entre páginas visitadas pela mesma pessoa.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Solução ainda mais invasiva

O executivo também critica o fato de que o FLoC é abrangente o suficiente para registrar todo o histórico de comportamentos de um usuário. Enquanto os cookies tradicionais funcionam de forma mais limitada e individual, o sistema do Google usa uma identidade única para todas as páginas visitadas — o que permite que anunciantes configurem rotinas de checagem de comportamento muito eficientes.

“O resultado final aqui é que qualquer site será capaz de aprender muito sobre você com muito menos esforço do que seria necessário hoje”, explica Rescorla. O CTO da Firefox também afirma que, embora o Google tome certas medidas para proteger a privacidade de seus usuários, elas são somente marginais diante dos problemas básicos que a tecnologia possui e que devem ser estudados com mais cuidado pela comunidade.

“O FLoC tem como premissa uma ideia atraente: permitir a segmentação de anúncios sem expor os usuários a riscos. Mas o design atual tem várias propriedades de privacidade que poderiam criar riscos significativos se fosse amplamente implantado em sua forma atual”, resume Rescola. Atualmente, o Google está conduzindo testes do novo sistema no navegador Chrome em 10 países, em uma lista que inclui o Brasil e os Estados Unidos.

Fonte: Mozilla Blog

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.