Jogos de videogame crescem como porta de entrada para a ação de cibercriminosos

Jogos de videogame crescem como porta de entrada para a ação de cibercriminosos

Por Felipe Gugelmin | Editado por Claudio Yuge | 02 de Junho de 2021 às 20h40

Com a necessidade do isolamento social resultante da pandemia da COVID-19, cada vez mais pessoas encontram nos videogames uma forma de diversão e relaxamento — dados da 8ª edição da Pesquisa Game Brasil mostram que 75,8% dos jogadores brasileiros dedicaram mais tempo aos games nesse período. E essa tendência não passou despercebida por grupos de cibercriminosos.

As máquinas dedicadas a games chamam a atenção por sua associação a dados sensíveis, que vão do login e senha usado para acessar contas online a números de cartão de crédito e informações pessoais. Além disso, consoles modernos trazem recursos de comunicação como correios eletrônicos e integrações com outras plataformas, o que aumenta o potencial destrutivo de uma possível invasão.

Segundo a Check Point Security, as questões de segurança relacionadas à jogatina online não param por aí. É comum encontrar sites não oficiais que atraem usuários com a promessa de softwares ou títulos gratuitos e podem associar malwares a downloads que parecem legítimos — antes de prosseguir, sempre procure pelo indicativo "htttp://", que mostra que um certificado de segurança SSL está presente (garantindo a criptografia entre o site e o navegador).

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Phishing e invasões são riscos reais

Outra ameaça comum são os golpes de phishing, que tentam atrair principalmente crianças e adolescentes fãs de jogos. A empresa de segurança recomenda nunca clicar em links enviados por e-mails com remetentes desconhecidos ou que pareçam ter sido criados por empresas de games (como pedidos de redefinição de senha). No caso de dúvida, a melhor solução é sempre visitar a página oficial dos desenvolvedores em busca de informações.

A porta de entrada para os golpes também pode estar localizada em recursos normais de smartphones, como o acesso a câmeras e microfones ou as permissões de navegação. Embora sejam exigidos por alguns títulos, esses recursos devem ser desativados sempre que possível — os dados obtidos através deles podem ficar expostos caso as empresas que fornecem os jogos sejam invadidas.

Embora a ameaça aos jogadores seja real, há como tomar medidas simples para evitá-las. Além da recomendação de não salvar dados de pagamento automáticos, é preciso ficar atento a links suspeitos e a promessas muito tentadoras (como games gratuitos ou acesso a itens exclusivos) que não podem ser verificados — na maioria dos casos, elas resultam em mais dor de cabeça do que diversão para os jogadores.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.