Instabilidade na nuvem da Google derrubou serviços da empresa e de terceiros

Por Felipe Ribeiro | 03 de Junho de 2019 às 12h18
Tudo sobre

Google

Saiba tudo sobre Google

Ver mais

O Gmail, o YouTube e outros serviços que fazem uso da nuvem da Google deixaram de funcionar por mais de quatro horas neste domingo (2) devido a "altos níveis de congestionamento de rede", descreveu a empresa. O Brasil também foi afetado.

Como resultado dessa instabilidade, iCloud, Snapchat, Nest, Discord, Vimeo e vários aplicativos e serviços de terceiros que hospedam seus serviços na Google também foram afetados, além, é claro, de apps nativos da empresa como o Admin Console, o Google Sync for Mobile e o G Suite.

Os problemas começaram por volta das 16h, no horário de Brasília, antes de serem completamente resolvidos por volta das 21h. O painel de status do G Suite mostrou que houve problemas com quase todos os serviços em algum momento, exceto o Google+ e o Google Cloud Search. A gigante das buscas não deu detalhes sobre o que causou a interrupção prolongada, mas pediu desculpas pelo inconveniente causado.

Imagem: Google

“Conduziremos uma investigação interna sobre esse problema e faremos melhorias apropriadas em nossos sistemas para ajudar a evitar ou minimizar a recorrência futura. Forneceremos um relatório detalhado desse incidente assim que concluirmos nossa investigação”, disse a Google em comunicado oficial.

Os serviços em nuvem da Google já passaram por esse tipo de problema e foram desativados em outras oportunidades. O YouTube ficou offline algumas vezes em janeiro e outubro de 2018, e uma série de interrupções do Google Cloud em julho e novembro também do ano passado derrubou alguns dos aplicativos mais populares do mundo, como Snapchat, Spotify e Nest.

O incidente, embora resolvido, coloca em dúvida a confiabilidade da infraestrutura de nuvem da Google. Também destaca as conseqüências da dependência excessiva de uma empresa em serviços de back-end. Com a maioria das empresas descarregando todo o seu back-end para a Google (ou Amazon ou Microsoft), isso também significa que elas dependem totalmente desse serviço para poder operar. Resta ver o que o relatório completo nos revelará.

Fonte: The Next Web

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.