Fraudes no envio de produtos aumentam 1.500% em três anos

Fraudes no envio de produtos aumentam 1.500% em três anos

Por Felipe Demartini | Editado por Claudio Yuge | 17 de Junho de 2022 às 20h00
Reprodução/Andrea Piacquadio/Pexels

A expansão do comércio eletrônico nos últimos anos também acompanhou um aumento significativo nas fraudes envolvendo envio de produtos e informações de frete, atingindo tanto clientes quanto empresas que fazem parte da cadeia do setor. O maior pico foi nos casos de golpes envolvendo remessas de produtos, com aumento de mais de 1.500% nos casos detectados desde 2019.

Aqui, se encaixam todo tipo de golpe envolvendo o envio de produtos, desde compras fraudulentas realizadas em lojas online quanto criminosos que se passam por vendedores para receberem os pagamentos, sem mandarem o produto. Entre 2020 e 2021, esse crescimento foi de 780,5%, com os casos dessa categoria sendo considerados pela TransUnion, empresa global de informações e insights, como o tipo de fraude mais comum e com maior ascensão do mundo.

Em segundo lugar, com crescimento de mais de 531% nos últimos três anos, estão as fraudes envolvendo pagamentos e, depois, com incremento de 165,7%, o roubo de identidade comercial. Aqui, estamos falando da principal arma de golpes de phishing, com golpistas se passando por empresas de e-commerce ou frete para contatar clientes em busca de roubar dados ou obter transferências financeiras.

No Brasil, o segmento de serviços financeiros foi o que viu maior aumento nas suspeitas de fraude, que apresentaram crescimento de mais de 419% desde 2019. Viagens e lazer aparecem em segundo, com 51,2%, antes de logística (44,8%) e games, o único a ter queda nos casos, com 37,8% a menos. Os números se diferenciam bastante das médias globais, onde o turismo foi o segmento mais afetado, com 110% de aumento, enquanto logística foi o único a ver decréscimo leve, na casa dos 16,6%.

Aumento de fraudes de envio acompanha novos hábitos dos consumidores

Na somatória, houve aumento de 52,2% em todas as tentativas de fraude digital desde 2019, enquanto 62% dos entrevistados pela TransUnion afirmando que se preocupam com isso durante a realização de compras online, principalmente no que toca o roubo de identidades. Esse número também acompanha uma mudança nos hábitos, com quase metade dos participantes afirmando que já realizam a maioria de suas transações por meio da internet, desde o gerenciamento de contas bancárias até compras e negócios.

“Na medida em que consumidores mudam suas intenções de compra, os fraudadores se movimentam em direção aos ambientes em que o público gasta mais tempo e dinheiro”, explica Shai Cohen, vice-presidente sênior e chefe global de soluções de fraude da TransUnion. Ele relaciona esse crescimento à pandemia, que mudou os hábitos de consumo da população global e fez com que os criminosos digitais prestassem mais atenção do que nunca ao segmento de e-commerce.

Cohen ressalta, por outro lado, que os segmentos mais afetados também são aqueles que empregam mais soluções preventivas para detecção de fraude e atendimento aos clientes. Enquanto os bandidos sempre estão à procura da próxima oportunidade aponta, a expectativa é que esse investimento também aumente em todo o setor de comércio eletrônico, de forma a evitar prejuízos com golpes que se tornam cada vez mais constantes.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.