Falsos aplicativos de celular são a 2ª ameaça virtual mais frequente no Brasil

Falsos aplicativos de celular são a 2ª ameaça virtual mais frequente no Brasil

Por Dácio Castelo Branco | Editado por Claudio Yuge | 18 de Maio de 2022 às 21h00
Rawpixel/Envato

Um levantamento sobre infecções com malware no Brasil feito pela PSafe revelou que a segunda maior ameaça no país em 2022, atrás somente dos vírus cavalo de troia, são os falsos aplicativos — com as soluções de segurança da empresa, entre janeiro e abril, bloqueando cerca 2,3 milhões de golpes utilizando esse tipo de agente malicioso.

Os malwares disfarçados de falsos aplicativos geralmente funcionam da mesma forma: são criados programas que replicam características de softwares legítimos, como nome, logotipo e identidade visual, e eles são disponibilizados nas lojas de programas móveis, sejam terceirizadas ou, em alguns casos, até mesmo oficiais como a Google Play Store.

O CEO da PSafe, Marco DeMello, explica que após a instalação desses falsos aplicativos, é comum que suas verdadeiras funcionalidades comecem a atuar em plano de fundo, coletando dados e transferindo para os controladores da ameaça - o que, muitas vezes, pode levar ao comprometimento de contas diversas registradas no celular, como de bancos ou e-mails.

Os falsos aplicativos de celulares, sejam Android ou outros tipos de aparelhos, são a segunda maior ameaça em 2022 no Brasil. (Imagem: Reprodução/Techzdudes)

"Estamos falando de mais de 19 mil tentativas por dia e quase 13 por minuto. É um número muito alto e que merece especial atenção das empresas uma vez que é praticamente impossível encontrarmos alguém hoje que não tenha ao menos um aplicativo baixado em seu dispositivo e o celular tem sido cada vez mais utilizado por colaboradores no ambiente de trabalho. E é por isso que os cibercriminosos investem tanto nesta categoria, criando aplicativos praticamente idênticos aos oficiais e disponíveis em lojas oficiais, o que facilita ainda mais a aplicação do golpe”, ressalta DeMello.

Para prevenção contra esses golpes de falsos aplicativos, algumas dicas são recomendadas:

  • Instalar aplicativos somente de sites e publicadores confiáveis e verificados;
  • Se o usuário vir um aplicativo de um novo publicador, deve procurar por fontes confiáveis de aplicativos equivalentes;
  • Relatar as empresas responsáveis pela loja de apps quaisquer aplicativos aparentemente suspeitos que encontrar.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.