Publicidade

Como os relatórios de mobilidade do Google ajudaram a monitorar a COVID-19

Por| 28 de Janeiro de 2021 às 16h00

Link copiado!

 Mitchell Luo / Unsplash
Mitchell Luo / Unsplash
Tudo sobre Google

Nesta quinta-feira, dia da Privacidade de Dados (28), o Canaltech entrevistou com exclusividade o gerente de produtos, privacidade e proteção de dados do Google, Miguel Guevara, para entender como os relatórios de mobilidade da empresa ajudaram as autoridades a monitorar geograficamente a situação da COVID-19.

Segundo Miguel Guevara, esses relatórios de mobilidade da COVID-19 fornecem percepções sobre o que mudou diante da necessidade de muitos de trabalhar em casa, evitar circular pelas ruas e outras políticas destinadas a achatar a curva desta pandemia. Ele ressalta que os relatórios foram projetados para serem usados como um recurso para os funcionários de saúde pública, grupos da sociedade civil, governos locais e a comunidade em geral.

"Os relatórios são alimentados pela mesma tecnologia, que preserva o anonimato de classe mundial que usamos em nossos produtos. Para esses relatórios, usamos uma privacidade diferencial, que adiciona uma espécie de ruído artificial aos nossos conjuntos de dados, permitindo resultados de alta qualidade, mas sem identificar qualquer pessoa individualmente", explica o gerente.

Continua após a publicidade

Mas com essas informações, algumas questões vêm à mente: como funciona o processo, desde o monitoramento até a interpretação anonimizada dos dados? Os usuários são comunicados e orientados a manter os serviços de posicionamento do celular ligados ou não?

O gerente de privacidade e proteção de dados da empresa diz o seguinte: "Nosso objetivo é respeitar a escolha de cada pessoa, dando a oportunidade de aderir ou não (opt-in e opt-out) aos nossos serviços de localização. Se alguém optou pelo compartilhamento de localização, os dados anônimos ficarão anônimos após a coleta, usando privacidade diferencial. Executamos um algoritmo diferencialmente privado sobre os dados que, em seguida, produz as estatísticas disponíveis nos relatórios de mobilidade".

Enquanto isso, questionado sobre a importância de respeitar a privacidade de cada usuário, Guevara disserta que ser um administrador responsável dos dados significa mantê-los privados. "Trata-se de algo pessoal no nosso entendimento, por isso privacidade está no centro de tudo o que fazemos. Continuamos a avançar tecnologias de proteção de privacidade e investimos em milhares de engenheiros de privacidade para tornar nossas proteções mais fortes em todos os produtos disponíveis", aponta.

Continua após a publicidade
O Canaltech está no WhatsApp!Entre no canal e acompanhe notícias e dicas de tecnologia

Para Guevara, além de garantir a privacidade dos usuários, o compromisso envolve ajudar os desenvolvedores em todo o mundo a criar e projetar seus aplicativos. "Continuamos a investir em privacidade diferencial – a tecnologia de anonimato de classe mundial usada em nossos produtos todos os dias – e disponibilizamos essa tecnologia para os profissionais por meio de uma versão de código aberto, da biblioteca de privacidade diferencial. No ano passado, lançamos novas versões da biblioteca para tornar ainda mais fácil o acesso e uso para os desenvolvedores", relembra o gerente.

Já em relação às iniciativas que o Google tem para manter a privacidade das pessoas, o gerente de proteção de dados da empresa apresenta que usuários podem usar nossos serviços de várias maneiras para gerenciar sua privacidade. "Por exemplo, eles podem escolher navegar na web de forma privada usando o Chrome no modo de navegação anônima. Por meio da Conta do Google, é possível ajustar as configurações de privacidade para controlar que tipo de informações são coletadas e como essas informações são usadas nos produtos do Google", explica.

No blog Google Developers, Miguel Guevara revisitou algumas informações sobre a empresa e a privacidade das pessoas, como novas métricas e benchmarks de aplicativos para desenvolvedores no Google Play e uma nova parceria com a OpenMined, um grupo de desenvolvedores de código aberto que se concentra em levar tecnologias de preservação e expansão da privacidade.

Continua após a publicidade

"Nosso trabalho continua enquanto investimos em privacidade de classe mundial, que fornece proteções algorítmicas para as pessoas que usam nossos produtos, enquanto nutrimos e expandimos um ecossistema de código aberto saudável. Acreditamos firmemente que todos no mundo todo merecem privacidade de classe mundial e continuaremos nos associando a organizações para cumprir essa missão", concluiu Guevara, na ocasião.

Fonte: Com informações de Google Developers