Clonagem de WhatsApp: 5 milhões de brasileiros foram vítimas em 2020

Clonagem de WhatsApp: 5 milhões de brasileiros foram vítimas em 2020

Por Ramon de Souza | 27 de Janeiro de 2021 às 19h35
Reprodução/Marcos Paulo Prado (Unsplash)

Os golpes de clonagem e sequestro de WhatsApp já podem ser considerados oficialmente uma das ameaças cibernéticas mais populares do Brasil. De acordo com um levantamento realizado pelo dfndr lab, o laboratório de pesquisas da PSafe, nada menos do que 5 milhões de brasileiros foram vítimas dessa manobra maliciosa ao longo de 2020. Por ser o mais utilizado ao redor do globo, o mensageiro automaticamente vira o favorito dos golpistas.

São Paulo é o estado que concentra o maior número de casos, com 1,2 milhão de registros durante o ano passado; logo em seguida temos Rio de Janeiro com 712 mil, e Minas Gerais com 494 mil. De acordo com Emilio Simoni, diretor do dfndr lab, os estelionatários continuam aprimorando suas técnicas e estão cada vez mais criativos na hora de abordar os internautas para convencê-los a ceder o código de verificação do WhatsApp.

“Temos identificado diversos perfis falsos nas redes sociais, muitos inclusive se passando por empresas, na tentativa de ganhar a confiança das pessoas. É através de um primeiro contato com a possível vítima, que o golpista utiliza de engenharia social para convencê-la a passar seu código PIN, com o qual pode obter acesso a um WhatsApp indevidamente”, explica o executivo.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

“É normal que os criminosos entrem em contato pelos chats das redes sociais, se passando pelo suporte de empresas ou inventando falsas promoções e pesquisas, tudo para conseguir as informações necessárias para aplicar o golpe. Por isso, é essencial prestar muita atenção sempre que um perfil, que supostamente seria de uma marca, entrar em contato com você nas redes sociais”, complementa Simoni.

Riscos pessoais e corporativos

Uma vez que ele tenha invadido a conta da vítima, o meliante passa um tempo “estudando” seu jeito de se comunicar e identificando contatos com os quais ele possivelmente conseguirá pedir empréstimos, como parentes e amigos próximos. Embora os riscos financeiros serem os mais comuns, o pesquisador destaca que há outros perigos envolvidos em um sequestro de um perfil no WhatsApp.

“Ao ter acesso a conta da vítima, o golpista poderá ler tudo que ela compartilhou ou foi enviado para ela, seja dados pessoais, informações sigilosas da empresa em que trabalha, fotos e documentos. Colocar as mãos nesse tipo de conteúdo pode abrir um leque de opções para que os cibercriminosos façam chantagens e apliquem outros golpes com os dados da vítima”, conclui o especialista.

Para se proteger, além de contar com uma boa solução de segurança instalada no celular, é essencial prestar atenção a qualquer abordagem de supostas marcas e empresas nas redes sociais. Jamais informe qualquer código que lhe seja enviado via SMS e ative a autenticação em duas etapas do WhatsApp.

Fonte: PSafe

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.