China restringe participação de menores de idades em "lives" na internet

China restringe participação de menores de idades em "lives" na internet

Por Munique Shih | Editado por Claudio Yuge | 09 de Maio de 2022 às 17h34
Sean Do/Rawpixel

Depois de implementar medidas restritivas contra os videogames durante a pandemia, as autoridades chinesas agora planejam proibir os jovens de fazer e participar de streams ao vivo para fins de “saúde física e mental”.

De acordo com as novas diretrizes, menores de 16 anos serão proibidos de fazer transmissões ao vivo, enquanto jovens entre 16 e 18 anos deverão obter permissão dos pais ou responsáveis para que possam realizar a atividade.

Os novos requisitos, emitidos por quatro reguladores, incluindo a Administração Nacional de Rádio e Televisão e a Administração do Ciberespaço da China (CAC), representam os mais recentes esforços de Pequim para fortalecer a proteção do menor no ciberespaço.

“As plataformas da Internet devem implementar estritamente o requisito de registro de nome real e proibir a oferta de serviços de gorjeta para menores, como recarga em dinheiro, compra de presentes e pagamento online”, segundo um comunicado divulgado pelas autoridades no último sábado (7). “Se as plataformas violarem os requisitos acima, medidas como a suspensão do recurso de gorjetas e o fechamento do negócio de transmissão ao vivo podem ser implementadas”, completou o comunicado.

Antes da nova orientação, muitos jovens podiam enviar presentes virtuais ou tokens em dinheiro para influenciadores em transmissões ao vivo, e algumas plataformas reivindicam uma taxa de comissão das contribuições.

Menores de 16 anos serão probibidos de participar de live streamings apóas as 22h (Imagem: Reprodução/Pexels)

Outra demanda de Pequim envolve a melhoria e a atualização do “modo jovem” — regra que prevê um tempo máximo de 90 minutos de jogo por dia em dias de semana, no máximo até as 22h para os jovens — por parte das big techs chinesas.

O recurso foi implementado pelas empresas no ano passado sob pressão do governo para proteger os adolescentes do vício em jogos e de conteúdo inadequado. Para isso, as autoridades solicitaram que as plataformas parem de fornecer transmissões ao vivo para menores após as 22h. O governo também solicitou que as empresas agora empreguem equipes responsáveis por censurar conteúdo considerado inapropriado para os jovens, além de vigiar os usuários que excedem o horário das 22h para “garantir que eles tenham tempo suficiente para descansar”.

As novas regras devem seguir um caminho semelhante em relação à restrição dos videogames — como uma forma de proteger a visão, o condicionamento físico e a saúde mental dos jovens, segundo as autoridades chinesas.

Para um contexto adicional, a mídia estatal chinesa Economic Information Daily já havia criticado os videogames anteriormente referindo-os como "ópio espiritual" e pediu uma maior regulamentação da indústria de jogos em uma tentativa de conter um mercado que "destruiria uma geração".

Fonte: SCMP

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.