Avast é acusada de vender informações de usuários através de antivírus para PCs

Por Wagner Wakka | 29 de Janeiro de 2020 às 11h55
Tudo sobre

Avast

Saiba tudo sobre Avast

Ver mais

Empresas de tecnologia dos mais variados setores vendem dados de seus usuários para outros serviços, o que não é mais uma novidade até mesmo para o meio relacionado à segurança. Esse é o caso do Avast, companhia que comercializa um dos mais populares pacotes de proteção de computadores e plataformas mobile.

Um levantamento feito pela Motherboard e PCMag mostra que o antivírus Avast instalado em computadores coleta dados e os envia para a Jumpshot, subsidiária da marca de segurança. Com isso, tais informações são transformadas em produtos para campanhas de publicidade, como Google, Yelp, Microsoft entre outras gigantes.

A coleta de dados inclui uma categoria chamada de “All Clicks Feed”, na qual é possível monitorar o comportamento do usuário em com altos níveis de detalhes, registrando até mesmo cliques. Apesar disso, tais dados são registrados como anônimos, mas, apresentam informações de data e hora em que uma visita foi feita, além das palavras usadas na busca. De acordo com a Motherboard, com tais informações, seria possível identificar o usuário.

Em um dos contratos com um cliente chamado Omnicom Media Group, a Avast vendeu o pacote de informações de seus usuários por mais de US$ 2 milhões em 2019.

A empresa também coleta buscas no Google, pesquisas relacionadas ao Maps, visitas em páginas do LinkedIn, vídeos privados no YouTube e, até mesmo, consumo de pornografia.

Ambos sites disseram chegar às informações por meio de um vazamento de dados, além de conseguir acesso a documentos e contratos. Para isso, conversaram com funcionários da Avast, cujas identidades não foram reveladas por segurança.

Em outubro do ano passado, a companhia já havia sido acusada de coletar dados através de extensões para navegadores. Após a denúncia, Google, Mozilla e Opera retiraram programas da Avast e AVG de seus softwares.

Segundo os documentos obtidos pela Motherboard e PCMag, tal coleta passou a ser feita diretamente pelos programas instalados em PCs. Segundo a Avast, o aviso de que dados podem ser usados para venda a terceiros está nos termos e condições do antivírus.

Entretanto, de acordo com documentos obtidos por ambos sites, somente na semana passada é que a Avast começou a enviar solicitações de permissão de coleta de dados para seus usuários.

Procurada pelo Motherboard e PCMag, um representante da Avast disse que “garantimos que a Jumpshot não adquire informações de identificação pessoal, incluindo nome, endereço de e-mail ou detalhes de contato de pessoas que utilizam nosso popular software antivírus gratuito”.

O Canaltech também procurou representantes da empresa no Brasil. Atualizaremos essa notícia assim que um posicionamento da companhia for divulgado.

Fonte: Vice, PCMag

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.