Apple lança política antirrastreamento no navegador Safari

Por Nathan Vieira | 15 de Agosto de 2019 às 22h10
Divulgação
Tudo sobre

Apple

Saiba tudo sobre Apple

Ver mais

Em tempos tão obscuros em relação à invasão de privacidade online, a proposta da Apple é justamente que sites de empresas e anúncios não possam rastrear você para exibir ads voltados exclusivamente aos seus interesses. Com esse objetivo, na última quarta (14), a empresa lançou na página do WebKit (motor de renderização utilizado em navegadores web para renderizar páginas no Safari) uma política que rege o modo como seu navegador da Maçã impedirá que anunciantes e sites acompanhem o seu tráfego on-line.

O público ficou sabendo das novas políticas por causa de um tuíte feito pelo líder do projeto de proteção de rastreamento da Apple, John Wilander.

"Tratamos a evasão de medidas antirrastreamento de embarque com a mesma seriedade que a exploração de vulnerabilidades de segurança. Se uma parte tentar contornar nossos métodos de prevenção de rastreamento, poderemos adicionar restrições adicionais sem aviso prévio", afirma a Apple durante a política antirrastreamento.

Uma das caracterísficas da nova política é que a empresa promete não haver exceções, fazendo linha dura entre as páginas: "Não concedemos exceções às nossas tecnologias de prevenção de rastreamento para partes específicas. Algumas partes podem ter usos válidos para técnicas que também são usadas para rastreamento. Mas o WebKit muitas vezes não possui meios técnicos para distinguir usos válidos do rastreamento e não sabe o que as partes envolvidas farão com os dados coletados, agora ou no futuro", a Apple anuncia.

Safari, navegador desenvolvido pela Apple e incluído como o navegador padrão a partir do sistema operacional Mac OS X v10.3

Faz dois anos desde que o Safari passou a bloquear o rastreamento. Outras empresas também investiram nisso, como a Mozilla e seu Firefox, o que começou em junho, e a Microsoft, que está trabalhando em tecnologia similar com o Edge. No entanto, os sites podem usar métodos sorrateiros como impressões digitais e supercookies para tentar escapar dessas proteções de privacidade, e a Apple não gosta disso nem um pouco. "Se uma parte tentar contornar nossos métodos de prevenção de rastreamento, poderemos adicionar restrições adicionais sem aviso prévio. Essas restrições podem ser aplicadas universalmente; para alvos algoritmicamente classificados; ou para partes específicas envolvidas em evasão", a empresa afirma durante sua política.

Fonte: WebKit via Cnet

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.