57% das empresas brasileiras são alvos frequentes de ataques e fraudes digitais

Por Felipe Gugelmin | Editado por Claudio Yuge | 02 de Junho de 2021 às 17h20
Pete Linforth/Pixabay

Em um momento de aceleração da transformação digital, em que crescem os serviços e operações feitas de maneira conectada, também aumentam as tentativas de golpes e crimes. Uma pesquisa realizada em parceria entre a Mastercard e o Instituto Datafolha mostra que 57% das empresas brasileiras são alvos de ataques e fraudes digitais com média e alta frequência.

No entanto, somente 32% dos entrevistados revelaram que possuem áreas próprias dedicadas à cibersegurança, mesmo que 80% deles reconheçam a segurança digital como muito importante. Para chegar a essas conclusões, o Barômetro da Segurança Digital entrevistou 351 decisores dos setores de tecnologia, telecomunicações, educação, financeiro e seguros, saúde e varejo entre os dias 1 e 25 de fevereiro de 2021.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Enquanto a maioria das empresas analisadas afirmou ter algum plano de resposta a possíveis ataques cibernéticos, 39% não consideram investimentos na área como uma prioridade dentro de seus orçamentos. Elas acreditam que os departamentos mais suscetíveis a ações criminosas são o financeiro e o banco de dados de seus clientes, sendo que 11% relataram ter sofrido algum tipo de ameaça digital durante o ano de 2020.

Preocupação grande, investimento ainda pequeno

Apesar da consciência quanto à gravidade dos ataques, o levantamento destaca que as ações tomadas pelos grupos nacionais ainda são tímidas frente ao peso das ameaças — segundo o estudo, somente um terço das companhias fez algum tipo de teste preventivo nos três meses anteriores à pesquisa. “Investir em cibersegurança é importante para trazer confiança para gestão dos negócios e credibilidade diante de clientes e parceiros”, afirma Estanislau Bassols, Gerente Geral da MasterCard.

“Hoje, mais do que nunca, os consumidores desejam interações simples, rápidas e seguras com quem se relacionamento online. Por isso, cabe às organizações endereçarem este ponto internamente”, alerta. O estudo também reforça o fato de que grande parte dos ataques virtuais acontecem a partir de terceiros e fornecedores; por isso, é preciso ter estratégias e soluções de segurança a postos em todos os momentos.

A Mastercard também se posiciona como uma empresa do setor de tecnologia, e tem apostado na atuação multicamada para prevenir, identificar e detectar possíveis fraudes em toda a jornada do consumidor. Nesse sentido, soluções de análises automáticas que abrangem todo o ecossistema de uma empresa surgem como uma forma de proteção, assim como uma avaliação de biometria mais precisa, capaz de analisar a posição do celular ou a velocidade de digitação para confirmar a identidade de uma pessoa.

Seja qual for o tamanho da organização, possuir estratégias de proteção e soluções de segurança a postos, bem como investir no treinamento e conscientização de funcionários, são ações cada vez mais essenciais. A transformação digital pode trazer novas oportunidades de negócios e de relacionamento, mas também acompanha um crescimento das ameaças digitais com os quais não se deve brincar.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.