Vacina destruidora de tumores começará a ser testada em humanos

Por Redação | 06 de Fevereiro de 2018 às 07h46

Depois de testes com animais, uma nova imunoterapia localizada capaz de destruir tumores cancerígenos começará a ser testada em humanos. O composto em questão foi desenvolvido por pesquisadores da Universidade de Stanford e, quando injetado em um tumor, é capaz de destruí-lo junto às demais massas cancerígenas no organismo.

Em camundongos, a combinação de dois agentes que estimulam o sistema imunológico foi suficiente para desencadear uma reação em todo o organismo dos animais, que tiveram células cancerosas próximas e distantes do ponto inicial da injeção destruídas. Como o tratamento se mostrou bem-sucedido para diferentes tipos de câncer, foi dada a autorização para o início de testes clínicos em seres humanos.

Os testes serão feitos em 15 pacientes afetados por linfoma, e os pesquisadores esperam ver resultados tão encorajadores quanto os anteriores, conduzidos com animais. O estudo foi publicado no periódico Science Translational Medicine, mostrando que, dos 90 camundongos doentes, 87 se curaram do câncer após o primeiro tratamento, sendo que os últimos três conseguiram a cura após a segunda injeção.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Como funciona?

Quando uma pessoa fica com câncer, células imunes podem reconhecer e atacar proteínas específicas presentes nos tumores, mas, à medida em que o câncer cresce, ele suprime o sistema imunológico. O método aborda o potencial dessas células imunes, que podem ser reativadas para combater o câncer por dentro. A droga amplifica a capacidade das células imunes para que elas consigam ser mais efetivas na destruição do tumor.

Contudo, é importante ter em mente que, embora o tratamento tenha se mostrado promissor em camundongos, os pesquisadores sabem que os resultados podem ser diferentes em pacientes humanos. Experimentos com animais por vezes se mostram ineficazes em pessoas pelas diferenças gritantes em seus organismos, mas se os testes clínicos apresentarem resultados semelhantes, é possível que, em breve, tenhamos uma vacina contra o câncer no mercado, ou, ao menos, um tratamento auxiliar às cirurgias de remoção de tumores.

Fonte: Futurism

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.